O pioneirismo português


O período marcado pelas grandes navegações e pela consolidação de um modelo de economia mercantil no continente europeu fez com que um novo tipo de relação fosse estabelecido entre os países europeus.

Dessa forma, algumas nações começaram a desenvolver forte interesse em conquistar novas rotas para destinar o comércio, e com a descoberta frequente de novas áreas que poderiam ser destinadas para a colonização – principalmente na América do Sul e América Central – tais nações se tornaram extremamente competitivas umas com as outras.

Sendo assim, podemos concluir que tanto a conquista como a ocupação do continente europeu estão fortemente relacionados com a expansão marítima assim como com a possibilidade de expansão do mercado econômico europeu.

pioneirismo português

O que queriam os europeus?

Para eles, ter total controle socioeconômico sobre uma nação localizada em terras distantes, descobrindo nesse espaço também um ponto para a expansão dos comércios, eram aspectos interessantíssimos para expandir e fortalecer o próprio Estado. Isso acontecia principalmente porque, dessa forma, se tornava possível aumentar o número de cada uma das atividades mercantis da nação.

Sendo assim, os europeus tinham como principal intuito explorar, nessas novas nações: o descobrimento de novas áreas para o comércio, novos tipos de matéria-prima para aumentar a produção, materiais preciosos para o desenvolvimento de moedas e demais produtos que, anteriormente às conquistas, já eram consumidos pelos europeus.

A situação extremamente competitiva foi frequente principalmente durante os anos da Idade Moderna e Portugal se destacou como a nação precursora das Grandes Navegações e também de inúmeros descobrimentos. Foi essa posição pioneira e empenhada que fez com que o Estado ficasse um passo à frente das outras nações por muitos anos.

Mas é claro que, para compreender a fundo o pioneirismo português é necessário avaliar vários aspectos históricos que também contribuíram para que a nação portuguesa se tornasse a primeira potência exploratória.

O pioneirismo português

Um dos primeiros aspectos que consegue nos explicar o porquê do desenvolvimento constante da nação portuguesa tem a ver com o processo de criação de uma monarquia essencialmente nacional.

Neste mesmo momento, muitos foram os conflitos bem desgastantes e consideravelmente longos que marcaram o resto das monarquias nacionais europeus, que brigavam entre si principalmente por aspectos banais. Enquanto isso, Portugal concentrou-se na criação de um estado centralizado, e melhor: em um espaço de tempo considerado relativamente curto.

De uma forma geral, esse desenvolvimento considerado ‘precoce’ de uma monarquia com poderes centralizados foi possível por conta da famosa Guerra da Reconquista, em que Portugal teve que lutar contra os muçulmanos.

Dessa forma, nos anos que se sucederam durante o século XIV, a situação política e econômica do país já era considerada bem estável, em um período que ficou reconhecido como ‘dinastia de Avis’.

Nesse período, Portugal se tornou uma classe mercantil muito mais dinâmica quando em comparação com a velha – e já deixada de lado precocemente pelos portugueses – nobreza feudal. Isso fez com que a monarquia pudesse ser modernizada com maior êxito.

Em adicional, muitos foram também os processos de origem geográfica e histórica que contribuíram para o desenvolvimento da nação no setor marítimo.

A posição geográfica de Portugal era privilegiada, já que todo o litoral português se transformou em um verdadeiro “porto”, que possibilitava tanto a chegada como principalmente a partida de grandes barcos e outros para a navegação de uma forma geral. Estes por sua vez, circularam principalmente no Oceano Atlântico. E é claro que não foi por acaso que o país conseguiu firmar grandes e fortes laços com o comércio de vários países, principalmente com aqueles que também eram banhados por esse mesmo oceano.

Além disso, a localização na parte do extremo sul europeu fez com que Portugal ficasse também próximo ao continente africano, onde pode colonizar algumas terras já no início do pioneirismo português.

Além disso, foi também nesse período que Portugal atravessou um período extremamente positivo de inovações tecnológicas quando comparado com outras nações.

Já no início do século XV, incentivado principalmente pelo infante Dom Henrique, muitos foram os profissionais que aprimoraram as técnicas da navegação, como matemáticos, astrônomos, construtores, cartógrafos e até mesmo os próprios navegadores.

A nação portuguesa foi influenciada principalmente pelo povo árabe, que divulgou uma série de conhecimentos que foram aperfeiçoados pelos portugueses, como é o caso de algarismos arábicos, pólvora, a bússola e o próprio papel. A invenção e desenvolvimento da imprensa foi de grande importância para o pioneirismo europeu, já que tais assuntos ganhavam maior conhecimento graças à divulgação frequente sobre.

Todo esse desenvolvimento tecnológico foi fundamental para a formação da Escola de Sagres, criada por uma série de estudiosos que atuavam na região do país próxima à Algarve.

Por fim, a Espanha foi o segundo país a se desenvolver nesse sentido, ficando apenas atrás do pioneirismo português. Um acordo fez com que a Espanha ficasse com todas as terras localizadas ao oeste e Portugal, com as da parte leste da América. Os portugueses se sentiram prejudicados com o acordo e foi só em 1494 que tal fator foi resolvido, graças ao Tratado de Tordesilhas.