Resumo do Budismo: O que é o budismo?


O budismo nada mais é do que uma filosofia, uma religião, que é fundamentada nos ensinamentos de Sidarta Gautama, conhecido popularmente apenas como Buda. Este nome significa ‘O Iluminado’, e compartilhou seu conhecimento com o objetivo de ajudar os seres de forma espiritual, condicionando a mente para que possa transmitir sabedoria, paz, serenidade, alegria e liberdade, alcançando assim o fim do sofrimento, o Nirvana.

As escolas budistas variam sobre a natureza exata da canonicidade e da importância de diversos ensinamentos, sobre a natureza exata do caminho da libertação e também de suas práticas. Podemos dizer, que são três bases das práticas e dessas tradições, chamadas de Três Joias. O primeiro é Buda, considerado o mestre dessa religião, a comunidade budista, chamada de Sangha, e os ensinamentos que se baseiam nas leis do universo, o Dharma. O que diferencia um não budista de um budista é o encontro nas Três Joias de um refúgio espiritual, além da renúncia convencional de vida secular para se tornar uma monja ou monge.

Budismo

No budismo, a sabedoria, o conhecimento e ainda o intelecto possuem grande destaque, e com a prática, os seus seguidores passam a adquirir a tão esperada paz interior. Essa filosofia surgiu há cerca de 2.500 anos e rapidamente se espalhou pela Ásia, China, Coreia, Ásia Central, Índia, Myanmar, Japão, Vietnã, Sudeste Asiático, Sri Lanka e Tibete. Atualmente, adeptos do budismo podem ser encontrados por qualquer parte do planeta.

Entre os principais ensinamentos estão a não prática do mal, o cultivo do bem e a paz interior, a fim de atingir o Nirvana. Todos esses benefícios podem ser atingidos através da generosidade e da compaixão, por meio da destruição do carma negativo e do desapego. Vale ressaltar, que Nirvana não é um lugar de modo geográfico, mas sim uma maneira de ser superior a tudo, através da qual se tem acesso à liberdade da alma e a uma completa felicidade.

Ao contrário das outras religiões, os budistas não cultuam um ser concebido como Deus, e nem ao menos lhe concede poderes de salvação, de criação ou de julgamento, embora ela admita a existência de entidades extranaturais. Um budista entende as Quatro Nobres Verdades, comuns nos homens e que são responsáveis por revelar uma carência de satisfação, chamada de Dukkha. Há ainda outros três conceitos muito importantes nessa religião, conhecidas como as três marcas da existência, a saber: a falta de um eu autônomo (Anatta), a impermanência (Anicca) e a insatisfação (Dukkha).

Quem foi Buda?

Sidarta Gautarma, o Buda, nasceu por volta do ano 566 a.C. em Lumbini, que atualmente é considerada um patrimônio mundial para a Educação, a Cultura e a Ciência da Organização das Nações Unidas. Logo após o seu nascimento, um astrólogo profetizou que o menino iria se tornar no futuro um grande rei e que renunciaria ao mundo material para que se tornasse um homem santo, caso ele vise a vida fora dos palácios.

O rei então procurou impedir que Sidarta saísse do palácio, estando determinado a tornar seu filho um rei. Mas, apesar de todos os esforços, com 29 anos, passou a se aventurar fora do palácio em que vivia. Depois de saber do sofrimento das pessoas, iniciou sua vida espiritual e abandonou a sua vida material.

Sidarta praticou por um tempo a ascese rígida, como por exemplo, restrição da respiração, jejum prolongado e outras maneiras de exposição a dor, práticas que eram comum na Índia naquele tempo. Uma certa vez, uma jovem lhe ofereceu comida e ele acabou aceitando, o que marcou a sua renúncia a esse tipo de prática. A partir de então, Buda passou a se concentrar na meditação, descobrindo o que atualmente os praticantes do budismo conhecem como caminho do meio, ou seja, um caminho onde os prazeres sensuais e a luxúria não passam, bem como as práticas de mortificação do corpo. Isso significa dizer, que o caminho do meio não seria o caminho da aversão ou da negação, ou ainda de apego a qualquer coisa.

Com 35 anos, Sidarta se sentou embaixo do que hoje conhecemos como árvore de Bodhi, na Índia, e prometeu não sair dali até que alcançasse a iluminação espiritual. Foi aí, que depois de ser confrontado por um demônio de nome Mara, conheceu a dúvida sobre o sucesso de seus objetivos. Mara simbolizava o mundo da tentação, das aparências e teria oferecido a Sidarta usufruir desses prazeres. Ele então negou e venceu o demônio, acordando então para a verdade, a verdade da cessação, da origem, do caminho que levava para o fim de todo o sofrimento, e assim, se iluminou, transformando-se em Buda, o iluminado.

Buda então começou a atrair um grande número de seguidores, instituindo uma ordem monástica, e passando seus dias ensinando o darma. Buda acabou falecendo na Índia, no ano de 483 a.C., com 80 anos de idade.