Segundo Triunvirato


Um Triunvirato é um governo constituído por três representantes. O primeiro Triunvirato da República Romana foi formado por Gaius Julius César, Gnaeus Pompeus Magnus e Marco Licínio Crasso. Esse governo partiu de uma aliança informal que se estabeleceu no ano de 59 a.C., e prolongou-se até o ano de 53 a.C.

Os três homens uniram forças para alcançar objetivos particulares. Pompeus era um militar que gozava de alto prestígio perante a população romana, mas lhe faltava respeito diante da classe senatorial, que o desprezava pela falta de sangue azul de sua família. Ele precisava de terras de cultivo para que veteranos de várias legiões pudessem trabalhar.

Julius César, que havia acabado de se tornar cônsul, não tinha nenhum aliado político, estando isolado dentro do meio. Licínio Crasso, por sua vez, era um homem bastante rico (possuía a maior fortuna de Roma), mas que não possuía prestígio político, o que ele precisava para realizar seu plano de conquista do Império Parta.

Triunvirato

O Primeiro Triunvirato difere do Segundo Triunvirato na relação. O segundo não era uma relação informal e possuía valor jurídico. Já o primeiro se deu quando políticos romanos optaram por estabelecer o sistema através do casamento da filha de Julius César, chamada Júlia Cesaris, com Gnaeus Pompeus.

O Segundo Triunvirato

* O segundo Triunvirato aconteceu em 43 a.C., sob liderança de Otávio Augusto (Octavianus Augustus), Marco Antônio e Emílio Lépido, que obtiveram poder universal por 5 anos. Como foi mencionado anteriormente, esse Triunvirato foi reconhecido oficialmente, sendo legislado pela Lex Titia e aprovado pela Assembleia do Povo, que era a instituição encarregada de vetar leis, muito parecida com o atual Senado das repúblicas modernas (ainda que não pudesse apresentar leis). O novo Triunvirato recebeu o nome de “Triúnviros para a Organização do Povo”.

* A primeira medida tomada pelos três líderes foi a vingança da morte de Gaius Julius César. Havia se passado pouco tempo desde que conspiradores armaram o assassinado do líder político romano, nos Idos de Março de 44 a.C. Otávio tinha 20 anos e era filho adotivo de ditador. Antônio e Lépido eram dois de seus principais comandantes. Além de poder, eles desejavam vingar-se.

* Os triúnviros perseguiram e eliminaram todos os aqueles que agiam contra César. O filósofo Cícero foi uma das pessoas vitimadas. O alvo principal do trio de governantes foi Marcus Brutus e Gaius Longinus Cassius. Mas essa união em torno de um objetivo foi momentânea. Passados 5 anos de governo, já haviam desentendimentos que tornavam o relacionamento entre os três muito ruim. Os líderes foram reeleitos, mas Emílio Lépido fora exilado e excluído totalmente da cena política, após tentar tomar o poder para si.
Marco Antônio e Otávio se odiavam, conspiravam um contra o outro já o início do Triunvirato. Antônio passou a atacar seu adversário com seu exército. Em 33 a.C., o governo dos triúnviros chegava ao fim.

O fim do Segundo Triunvirato e o nascimento do Império

* Os dois líderes restantes estavam prontos para entrar em guerra. Marco Antônio, cada vez mais, tinha suas relações pioradas com Otávio, que via em Cesarião (Ptolomeu XV), filho de Cleópatra com Júlio César, uma ameaça ao seu poder. Ele necessitava da ligação por adoção a César para manter sua popularidade perante as legiões.

* Quando Marco Antônio declarou que Cesarião era o herdeiro legítimo de Júlio César, a guerra entre os dois estava oficialmente declarada. Na época, Marco Antônio tinha seu exército no Egito, e estava pronto para enfrentar seu inimigo em combate aberto. Isso aconteceu no mar da Grécia, num confronto que ficou conhecido como Batalha de Actium (Ácio). O general Marco Vipsânio Agripina tomou a cidade grega e o porto naval de Methon, dando início a guerra em 31 a.C.

* A batalha já acontecia anteriormente, sob a forma de propaganda entre aliados de um e de outro. A turbulência pôs um fim definitivo no Triunvirato no último dia de 33 a.C. O senado deslegitimou Marco Antônio e declarou guerra contra Cleópatra.
Marco Antônio, que era um excelente soldado, perdeu por ter como ponto fraco os confrontos navais, que foram decisivos. Acuado e perseguido por Otávio, fugiu para o Egito, onde cometeu suicídio junto com Cleópatra.

* Otávio saiu vencido, colocando um fim no Triunvirato e marcando o início do Império Romano. Ele foi o primeiro imperador de Roma da história, fato que confunde muitas pessoas, por elas acharem que Júlio César havia sido um imperador. César, de fato, fomentou o crescimento da República de maneira notável, mas não chegou a ser imperador. Otávio iniciou um novo período de mudanças determinantes em Roma.

* Seu nome passou a ser Gaius Julius Caesar Octavianus Augustus. O nome de nascença era Gaius Octavius Thurinus. Depois da vitória sobre Marco Antônio, ele foi homenageado com o mês de agosto, que levou o nome adotado posteriormente Augustus, que significa “divino”.