Biografia de Vinícius de Moraes: Vida e Obra


Nascido no dia 19 de Outubro do ano de 1913, no Rio de Janeiro, Marcus Vinicius da Cruz de Melo Moraes, conhecido popularmente apenas como Vinicius de Moraes, foi um grande dramaturga, compositor brasileiro e poeta brasileiro do século XX.

Filho de um poeta violonista amador e de uma pianista também amadora, Vinicius de Moraes passou toda a infância no Rio de Janeiro e foi justamente nessa época que começou a demonstrar interesse pela arte e a escrever seus primeiros trechos e versos de poesia. Para terminar os estudos, Vinicius passou a morar com seu avô.

Biografia de Vinícius de Moraes

História de Vinicius de Moraes

Em 1924, Vinicius passou a estudar no Colégio Santo Inácio, onde começou a escrever pequenas peças de teatro e ainda começou a cantar no coral. Foi neste colégio, que ele se tornou amigo dos irmãos Paulo Tapajós e Haroldo, com quem começara a montar suas primeiras composições e passou apresentá-las em festas de amigos.

Vinicius de Moraes formou-se em Direito em 1933, na faculdade hoje conhecida como Universidade Federal do Rio de Janeiro, ou ainda como UFRJ, no mesmo ano em que publicou seu primeiro livro de poesia, que recebeu o nome de ‘O caminho para a distância’. Dois anos mais tarde, recebeu dois prêmios, o primeiro deles foi o prêmio Filipe d’Oliveira pelo primeiro livro e outro pelo ‘Forma e exegese’.

Além de ficar conhecido pelos inúmeros sonetos, por ser um grande conquistador (já que casou-se nove vezes), por ser um apreciador de uísque e fumante e ainda um boêmio inveterado, Vinicius de Moraes se imortalizou por ser um dos poetas brasileiros que mais traduziu o amor em palavras, passando a fazer parte dessa maneira da lista de poetas mais populares da Literatura Brasileira.

Cinco anos depois, Vinicius ganhou uma bolsa para estudar literatura inglesa e língua na renomada Universidade de Oxford. Em 1943, Vinicius foi aprovado apenas na segunda tentativa no concurso para o posto diplomático como vice-cônsul em Los Angeles no Ministério das Relações Exteriores.
Nesta década, as obras literárias de Vinicius foram marcadas por versos com uma linguagem mais excitante, sensual e simples.

Obras de Vinícius de Moraes

A obra deixada por este grande poeta é extensa e passa pelo teatro, pela literatura, pela música e pelo cinema. Apesar da poesia ser considerada a maior e a primeira vocação desse artista, Vinicius fez diversas parcerias com compositores e cantores brasileiros, tendo como principais parceiros na vida e na carreira músicos como João Gilberto, Carlos Lyra, Toquinho, Chico Buarque e Tom Jobim. Além disso, Vinicius tornou-se ainda cronista.

Vinicius começou a ser conhecido no cenário teatral com a peça de teatro ‘Orfeu da Conceição’, no ano de 1956. Já a carreira musical começou a decolar seis anos antes, em 1950, mesma época em que ele conheceu Tom Jobim, que viria a se tornar um dos grandes parceiros e amigo dele. De volta ao Brasil, depois de trabalhar para o Itamaraty nos Estados Unidos, o poeta voltou ao país e começou a trabalhar para um jornal. Já na década de 60, diversas parcerias musicais se consolidaram na MPB, com grandes nomes desse gênero musical.

O ano de 1968, após quase 30 anos de serviços prestados para o Ministério de Relações Exteriores, marca o fim da carreira diplomática de Vinicius, fato que o deixou visivelmente magoado.

Em 1969, Vinicius publicou diversas obras literárias e ainda se apresentou em Punta del Este ao lado de Dorival Caymmi e de Maria Creuza. Foi neste mesmo ano, que ele iniciou a parceria com o amigo violonista Toquinho. Como resultado desta parceria, surgiram inúmeros sucessos que são conhecidos até os dias de hoje, como ‘Tarde em Itapoã’ e ‘Como Dizia o Poeta’. A parceira de Toquinho e de Vinicius, passou por diversos estados do exterior e cidades brasileiras.

O adeus à Vinícius de Moraes

No dia 9 de julho do ano de 1980 durante a madrugada, Vinicius veio a falecer na banheira de sua casa. Vale ressaltar que no dia anterior, o grande compositor planejava os últimos detalhes do lançamento do segundo volume do álbum Arca de Noé, que seria lançado um ano após sua morte.

Apesar de seu falecimento, a obra musical e poética de Vinicius de Moraes manteve-se viva e com alto prestígio e reconhecimento. Diversas obras em homenagem ao poeta foram lançadas após sua morte, além de livros e de alguns shows realizados.

No ano 2000, na data de 20 anos da morte de Vinicius de Moraes, A Praia de Ipanema no Rio de Janeiro foi o palco de um grande show realizado em homenagem a ele e contou ainda com a participação do amigo e parceiro Toquinho, da Orquestra Sinfônica Brasileira, de Emílio Santiago e diversos outros artistas que interpretaram canções de sua autoria.

Três anos mais tarde, no ano em que Vinicius completaria 90 anos, diversos projetos foram lançados para homenageá-lo. Além disso, foi lançado um web site oficial do poeta.