Poesia Épica ou Epopeia


Nos estudos a respeito dos clássicos a epopeia ou poesia épica é considerada um modelo literário onde se abrangem poesias narrativas relativamente curtas, as quais demonstram ecos com as atividades heroicas no que se atribui a sua construção formal. Contudo, ela proporciona um ambiente especial a recursos e questões técnicas que não se encaixam obrigatoriamente no grupo dos épicos.

É um modelo dominante na poética de Homero, isto é, na Odisseia e na Ilíada, as narrativas mais longas da história da literatura grega que foram capazes de chegar intactas ao mundo moderno. Por tamanho são também as mais velhas do Ocidente, já que a criação literária da Grécia é a mais antiga do continente europeu.

Epopeia

Em tradicionais como A Odisseia e a Ilíada, esse modelo imortaliza lendas ancestrais; nessa situação a mitologia origina-se dos acontecimentos que rodeiam a Guerra de Troia. Mais tarde Aristóteles firmou com precisão as regras a serem rigidamente obedecidas por um poema que seja pretendente a épico. E o fez apoiado nos elementos que formam essas eternas obras, acrescentando da mesma maneira a Eneida, de Virgílio.

A epopeia ou épico não retrata os acontecimentos fielmente, ainda que tenha fundamentos que se asseguram na História. Geralmente, esses acontecimentos são envolvidos em pensamentos esclarecedores e em atos formados que agem como modelos comportamentais. For isso, na poesia épica o herói adquiri uma postura sagrada.

É uma narrativa que traduz de maneira excepcional acontecimentos que naturalmente foram contados em versos. Os elementos dessa narração carregam certas características fundamentais: personagens, temporalidade, dimensão espacial e ação. Esses poemas podem da mesma forma relatar ações heroicas que se desenvolvem em áreas de batalhas no decorrer de disputas bélicas.

A epopeia é uma poesia lírica ou épica. Nela é possível achar uma narrativa extensa, uma coleção de façanhas, de acontecimentos históricos, de uma ou várias pessoas, fabulares, concretas ou míticas. No seu corpo podem-se aplicar contos seculares e heranças antigas, perpetuadas pela cultural verbal ou pelos textos escritos.

Conforme Aristóteles, a epopeia mimetiza as pessoas mais superiores em versos que possuem uma metrificação incomum e um modelo narrativo; é dessa maneira que esse modelo se distingue das tragédias. Ela não tem uma limitação espacial ou temporal, sendo, dessa forma, desmedida.

A epopeia origina-se de recitações e cantos muito antigos, exibidos em festivais oferecidos por religiões e também em diversas outras cerimônias populares. Por evidenciarem uma supremacia literária, parecem ser o ponto alto de uma cultural antiga formada por obras poéticas emitidas oralmente.

Os textos relativos ao modelo épico possuem um narrador que expõe aos leitores, através de uma linguagem requintada, os acontecimentos ocorridos. Diversas narrativas foram produzidas em prosa, contudo, acham-se diversas delas em verso e quando isso acontece é chamada e poema épico.

Caracteres estilísticos

– Tempo narrativo: nesse modelo literário, todos os fatos são contados pelo autor no tempo passado. Em certos casos quando o autor transmite a noção de presente, trata-se na realidade do presente histórico.

– Tema: discute os fatos de um passado distante como no caso da Odisseia e Ilíada, que para Homero já eram bem extensas. Ou de um passado mais recente. Nesse último trata-se do caso de Os Lusíadas que para Camões, a história era mais perto de seu tempo em relação a Odisseia e Ilíada para Homero.

– Metrificação: para a antiga época grega assumi-se o verso hexâmetro.

Proposição: a poesia épica é formada de uma seção introdutória, que antecede o assunto que será debatido. Isso é prontamente percebido na Odisseia e Ilíada no começo de cada canto.

– Invocação: diz respeito a um pedido de favor a divindade.

– Grandiloquência: toda poesia épica deve possuir uma alta porção de fatos espetaculares, lutas sangrentas, glorificação dos heróis acima dos humanos em combate contra a fortuna, todo um acumulo de grandiosidade, em gênero retumbante e grandiloquente.

– Presença do pagão ou cristão: uma das particularidades mais importantes próprias da poesia lírica, sem dúvida é a presença ou exposição das divindades no intimo da relação humana. Logo no começo da Odisseia temos perfeitamente uma amostra disso quando os deuses unidos no Olimpo debatem a sorte do perspicaz Ulisses.

Grandes modelos de epopeias ou poesias épicas são:

1) Antiguidade greco-romana: A Odisseia, A Ilíada, ambas de Homero, e a Eneida , de Virgílio.

2) Idade Média: A divina comédia, de Dante Alighieri.

3) Idade Moderna: Os Lusíadas, de Camões, Paraíso perdido, de Milton e Jerusalém liberdade, de Torquato Tasso.