Resumo do Livro Senhora


O livro Senhora é uma obra de literatura clássica, está lado a lado de outros romances como Lucíola ou Iracema. A obra brasileira é uma criação do escritor José de Alencar, a sua primeira publicação datada de 1875.

O livro Senhora foi um dos últimos trabalhos de Alencar, já que o escritor faleceu apenas dois anos depois da publicação da obra. Um dos pontos mais altos da ficção é o conflito entre o interesse e o amor verdadeiro, que mais uma vez foi colocado em jogo nas obras de José de Alencar.

Resumo do livro Senhora

A obra de José de Alencar, Senhora, é dividida em quatro diferenciadas partes. Por conta disso, confira neste artigo o resumo de cada uma delas.

Livro Senhora

1. O preço do casamento

Aqui o enredo da história começa a se desenvolver. Aurélia é uma moça rica, jovem e que costuma frequentar lugares de alta classe sempre acompanhada de D. Firmina, uma parente.

Aurélia sempre acreditou que as pessoas só andavam e se interessavam por ela por dois motivos: sua beleza de um lado, em combinação com sua fortuna de outro.

Em um dos bailes típicos que frequentava, Aurélia começo a pensar de forma incisiva sobre o seu destino e educação, motivo que levou à escrita de uma carta para o Sr. Lemos, dando a ele a missão de arranjar um casamento com Fernando Seixas, que por sua vez já era noivo de Adelaide Amaral.

Fernando era de uma família não tão favorável, motivo pelo qual gostaria de se casar com uma moça que pudesse lhe oferecer melhor suporte financeiro, para ajudar principalmente a sua mãe e irmãs.

Assim que Lemos propôs o casamento para Fernando ele logo aceitou, junto com uma quantia em um envelope, que seria uma espécie de dote para selar o compromisso.

Fernando sente uma terrível vergonha de Aurélia, já que havia recusado um casamento com ela no passado para noivar com Adelaide, uma moça ainda mais rica.

2. Quitação

Durante a segunda parte, a história de Aurélia é exposta. D. Emília é sua mãe e seu pai é Pedro Camargo, filho bastardo de um fazendeiro rico. Quando os pais da protagonista da história se casam, o velho rico não fica sabendo do casamento e por isso morre sem conhecer Aurélia, sua neta.

Ao mesmo tempo na história, Fernando se declara apaixonado por Aurélia propondo um casamento. Porém, depois de conhecer sua história, se arrepende por amar uma garota órfã e assume um compromisso com Adelaide.

Quando sua mãe falece, Aurélia só pode confiar em sua acompanhante, D. Firmina e em seu tutor, Sr. Lemos.

3. Posse

Já a parte da posse descreve como está a rotina de casamento entre Fernando e Aurélia. O relacionamento é um verdadeiro disfarce, ou melhor, algo que só vive de aparências. Nas ruas estão de mãos dadas, são gentis e trocam carinhos. Sozinhos são rudes, trocam acusações e muitos palavrões. Fernando é praticamente um escravo de Aurélia, afinal, ela é a dona de toda a fortuna. Dessa forma, ele realiza todas as suas vontades.

4. Resgate

Na última parte do livro Senhora que a trama se desenvolve por completo. O erotismo entra em jogo, quando Alencar mostra todas as vontades não realizadas entre o casamento de Fernando e Aurélia que orgulhosos, não se envolvem.

Fernando começa a trabalhar de forma esforçada e abre mão de todo o luxo proporcionado pela esposa, chegando ao ponto de devolver à Aurélia o valor do dote, pedindo o divórcio.

Aurélia por sua vez, mostra a Fernando um testamento que foi realizado no mesmo dia do casamento, em que é deixado para ele todo o seu dinheiro e amor. O casamento novamente está de pé e Fernando e Aurélia se tornam um verdadeiro casal de amantes.

Curiosidades finais

Nascido no Ceará em 1829, apenas um ano depois José de Alencar se mudou para o Rio de Janeiro, porém, foi em São Paulo que deu início a sua faculdade de Direito. Mas a sua verdadeira paixão era a escrita e por isso o romancista foi um destaque da nossa literatura não só pela obra Senhora, como também por outros clássicos como o romance indianista de nome “Iracema” e o regionalista, de título “O Gaúcho”. O escritor foi também político e crítico de teatro durante a sua carreira.

O romance “Senhora” foi uma criação já da segunda parte do século 19, uma época em que a sociedade vivia cheia de crenças vazias, era alimentada por contradições, estereótipos e aparências errôneas. Sendo assim, essa é a oportunidade que José de Alencar encontra para criticar esse modelo imposto nas sociedades modernas.

Mas, certamente o mais atraente é que o escritor faz isso não com a esperança de trazer um olhar diferenciado e com isso proporcionar uma mudança na sociedade. Mas por outro viés, suas perspectivas não contam com qualquer possibilidade de solução. Uma das grandes críticas que declaram com clareza a opinião do escritor é no que diz respeito ao casamento por interesse, coisa que ele sempre foi contra (o que fica implícito também na obra).