Resumo do que é Literatura


Você provavelmente já leu muitos livros ao longo da sua vida, mas já parou para se perguntar o que é Literatura? Por essência, ela é uma manifestação artística, assim como a pintura, a música, o teatro e todas as outras, com a diferença de que tem na palavra o seu principal instrumento. Ao invés de tintas, tela ou notas musicais, os artistas da Literatura se utilizam da linguagem para compor suas obas.

Vamos ver mais detalhes sobre essa arte no resumo do que é literatura, contando um pouco da sua história e sabendo como ela se desenvolveu especificamente aqui no Brasil. Confira!

o que é Literatura

Resumo do que é Literatura – conceito e histórico

Os autores, ou seja, aqueles que produzem obras literárias, representam uma realidade a partir do seu ponto de vista, dos seus sentimentos e dos recursos linguísticos que desejam usar. Quando falamos em realidade, não estamos nos referindo a ela de uma forma objetiva, ou seja, o texto literário não tem nenhum compromisso com a veracidade das informações que apresenta, ele é livre para criar a sua própria realidade e dar sentido a ela.

Ainda é muito complicado separar um texto literário de um que não o seja. Nem tudo aquilo que é escrito pode ser considerado uma manifestação da Literatura, no entanto, não existem, formalmente, critérios que façam uma classificação rígida entre o que nós podemos considerar como literário ou não.

No geral, a Literatura usa e abusa da função poética da linguagem, que é aquela que evidencia a forma de uma mensagem, se preocupando tanto com “como dizer” quanto “o que dizer”, e às vezes até mais. Normalmente, o texto literário tem algumas características, dentre as quais podemos destacar:

• Subjetividade: as experiências, a emoção e os pensamentos pessoais do autor são colocados nos textos;

• Plurissignificação: em literatura, a múltipla possibilidade de interpretação não é um problema, muito pelo contrário, é algo que até enriquece a obra. Já em um texto que não seja literário, como uma notícia, por exemplo, isso é impensável;

• Ficcionalidade: os textos não precisam, necessariamente, se comprometer com a verdade e com essa realidade objetiva, que é realmente vivida. Eles podem ter boas doses de ficção, partindo ou não de temas reais;

• Função estética: o artista representa uma determinada situação a partir da sua perspectiva sobre ela.

A Literatura tem suas origens no Trovadorismo, que aliás, é reconhecido oficialmente como o primeiro período literário da Língua Portuguesa. Ele surgiu durante a Idade Média, no século XII, com a “Cantiga da Garvaia”. Os trovadores compunham as chamadas cantigas, que eram poesias cantadas e acompanhadas por um instrumento musical.

Esses artistas faziam parte da nobreza e suas cantigas costumavam ser reunidas em livros, que eram chamados de Cancioneiros.

Após o Trovadorismo, tivemos os seguintes períodos literários (mais conhecidos como escolas): Classicismo, Barroco, Arcadismo, Romantismo, Realismo/Naturalismo, Simbolismo e Modernismo.

Os textos literários são divididos em gêneros, que nada mais são do que categorias diferentes que reúnem obras com determinadas características estruturais. São três grandes gêneros, cada um deles subdividido em subgêneros:

• Lírico: poesia, sátira, ode, hino, soneto, haicai, acróstico.

• Narrativo: romance, fábula, novela, conto, crônica, ensaio, epopeia.

• Dramático: farsa, tragédia e elegia.

Resumo do que é Literatura – e no Brasil?

No Brasil, a Literatura é um pouco tardia e durante muito tempo era extremamente dependente do que vinha de Portugal e de outros países europeus.

A Literatura Brasileira teve início de uma forma um pouco diferente se comparada com outros países, tanto é que a nossa primeira escola literária foi o Quinhentismo, que começou com os relatos dos viajantes que vinham até o nosso território durante o século XVI, na fase do descobrimento e do início da colonização.

O texto que inaugurou o Quinhentismo foi a “Carta de Descobrimento”, escrita por Pero Vaz de Caminha, que tinha como objetivo informar a Coroa Portuguesa das principais características da terra que tinha acabado de ser descoberta. O Padre José de Anchieta, escrevendo sermões, poemas e hinos, se destacou nesse período.

Depois, no século XVII, tivemos o Barroco, que representava claramente a sensação de dualidade entre bem e mal, matéria e espírito, céu e inferno, dos seres humanos, pois foi um momento em que a Igreja Católica começava a perder poder.

Já o Arcadismo, no século XVIII, vai valorizar a objetividade, o equilíbrio e os cenários bucólicos. O Romantismo deu origem à Literatura realmente brasileira, porque foi inaugurado após a independência, em 1822. Foi nesse momento em que essa arte começou a valorizar e ser produzida para o país, portanto, essa escola é um divisor de águas.

Depois do Romantismo, o Brasil viveu o Realismo/Naturalismo, o Simbolismo e o Pré-modernismo, que não é uma escola literária, mas sim um período de transição entre tudo o que havia sido produzido até então e o Modernismo, iniciado em 1922.

A Literatura Moderna rompeu com todo o passado, buscando trazer novidades e valorizar ainda mais a cultura nacional.