Pesquisas Estatísticas


As pesquisas estatísticas fazem parte de uma das várias categorias dos estudos científicos. Este tipo de pesquisa é fundamental para analisar e compreender as características de uma população, obter dados sobre determinado assunto ou comprovar ou descartar hipóteses, por exemplo.

As inúmeras utilidades das pesquisas estatísticas fazem parte do mundo científico e também do dia a dia das pessoas. Um exemplo é a utilização dos dados do censo demográfico pelo poder público para determinar as políticas que serão adotadas em todas suas áreas de atuação, como saúde, educação e infraestrutura.

Pesquisas

Definição e importância do método estatístico

A pesquisa estatística pode ser definida como um estudo que identifica, reúne, trata, analisa e apresenta dados para suprir determinada necessidade de informação. O avanço da tecnologia, especialmente na área de informática, contribui muito para o progresso das pesquisas estatísticas, que se tornaram mais abrangentes, diversificadas e com resultados mais confiáveis. Sem o uso da metodologia estatística é impossível atestar a validade científica a um estudo.

Qualquer área do conhecimento pode ser beneficiada com o uso da estatística, desde a medicina, engenharias, economia, biologia, biomedicina, ciência política até as ciências sociais. O uso deste tipo de estudo é essencial para determinar, com mais segurança e previsões mais assertivas, qual a melhor direção a ser tomada em um assunto específico, estabelecer novos padrões, promover mudanças, compreender uma realidade e planejar ações futuras.

As pesquisas estatísticas podem ser de levantamento ou experimental.

– Levantamento: a pesquisa estatística de levantamento visa coletar dados de uma determinada população por meio da observação ou mensuração, sem haver manipulação.

– Experimental: A pesquisa estatística experimental tem como objetivo analisar os resultados obtidos a partir de experimentos feitos com um grupo de interesse, seja de indivíduos, animais ou objetos.

No estudo estatístico de levantamento há a possibilidade de fazer a coleta por amostragem. A amostragem é uma parte do objeto a ser estudado. Todos os cidadãos de um país formam a sua população e a amostragem é uma parte destes cidadãos.

A coleta por amostragem é utilizada quando há a necessidade de reduzir custos da pesquisa, agilizar o processo do estudo, verificar a confiabilidade de uma hipótese ou realizar testes. A amostragem não é indicada quando a população é considerada pequena, a pesquisa possui variáveis fáceis de mensurar, existe a necessidade de obter resultados precisos e também quando os objetivos do estudo visam suprir necessidades políticas.

Estruturação de uma pesquisa estatística

O primeiro passo para realizar uma pesquisa estatística é definir o objetivo geral. Com a meta principal definida, a próxima etapa é determinar os objetivos específicos, as variáveis que permitirão atingir estes objetivos e formular as hipóteses com base nas características das variáveis e as relações existentes entre si.

As variáveis podem ser mensuradas por dois métodos:

– Qualitativo: o método qualitativo apresenta as características dos elementos estudados. Estes atributos podem ser nominais, servem apenas como identificação, ou ordinais, úteis para organizar categorias.

– Quantitativo: a metodologia quantitativa apresenta resultados números oriundos de mensurações ou contagem. Os resultados podem ser discretos, assumem determinados valores, ou contínuos, assumem um número infinito de valores.

Os dados coletados são a matéria-prima das pesquisas estatísticas. Existem diferentes métodos de coleta, que pode ser feita a partir de dados primários ou secundários.

– Primários: os dados primários são aqueles coletados por meio de experimentos, entrevistas com a população estudada e pesquisas de opinião, por exemplo. São informações novas.

– Secundários: os dados secundários são obtidos a partir de informações já existentes. A coleta pode ser feita em estudos ou dados já existentes, como em pesquisas bibliográficas, por exemplo.

É essencial que a coleta de dados seja feita por meio da aplicação rigorosa dos instrumentos de estudo. Isto ajuda a evitar erros ou resultados tendenciosos. Após a coleta dos dados, o pesquisador deve selecionar as informações, fazer a codificação, tabulação, análise e interpretação dos resultados.

– Seleção: a seleção dos dados é importante para detectar erros ou falhas e facilitar a codificação.

– Codificação: a codificação é o método de organizar os dados em categorias e verificar as relações entre si. A partir da codificação é possível transformar as informações qualitativas em quantitativas para permitir a análise e compreensão dos resultados. A codificação exige critérios definidos pelo pesquisador ou baseados em normas teóricas.

– Tabulação: a tabulação é a fase na qual os dados são sintetizados. Aqui, as informações podem ser representadas graficamente para facilitar a visualização e interpretação dos dados ou serem dispostos em tabelas. Os gráficos incluem variados tipos de ilustração, como mapas, gráficos, diagramas e desenhos, e são indicados para destacar as relações encontradas. Já as tabelas são úteis para categorizar dos dados e apresentar suas diferenças ou semelhanças.

– Análise e conclusão: a análise dos dados é a fase na qual o pesquisador interpretará as informações obtidas pela coleta e buscar respostas às questões da pesquisa. Com a análise é possível verificar a veracidade das hipóteses, comparar os resultados com a parte teórica e finalizar o processo de investigação. As conclusões do pesquisador devem apresentar os resultados finais e relacionar a pesquisa com a comprovação ou descarte da hipótese.