Avisou que ou avisou de que?


O verbo avisar possui dupla transitividade, o que pode causar dúvidas no momento de utilizar as expressões “avisou que” e “avisou de que”. Em ambos os casos estão circunstâncias que se relacionam com a regência verbal e nas duas expressões estão particularidades linguísticas que direcionam o atual sistema de gramática que utilizamos. Dessa forma, quando não conhecemos as regras desse sistema, podemos nos encontrar em situações de conflito, nas quais não se sabe qual das expressões utilizar.

Avisou que ou avisou de que?

Fato é que estamos inseridos nesse sistema de linguística e é preciso ter domínio sobre as regras da variante padrão, o que vale principalmente para os profissionais os quais a Língua Portuguesa é a sua ferramenta de trabalho (professores, acadêmicos, comunicadores, jornalistas, publicitários, assessores etc.) e os estudantes que serão submetidos às provas, exames e testes. E, com certeza, o aspecto mais recorrente está relacionado à regência verbal.

Isto é, para que possamos utilizar as formas verbais de maneira correta, em primeiro lugar é preciso compreender a relação que essas formas verbais têm com os elementos que as acompanham, ou seja, com os seus respectivos complementos. Assim sendo, é preciso ter conhecimento sobre algumas especificidades em relação às expressões (avisou que ou avisou de que) e, por isso mesmo, vamos precisar citar exemplos em enunciados.

  • O comprador avisou aos fornecedores de que não adquiriria produtos no mês seguinte.

Você acha que essa frase está correta escrita dessa forma? Então, vamos lá!

Por se tratar do verbo avisar, que pode ser tanto transitivo direto, quanto transitivo indireto, há algumas particularidades… Se você vai avisar, você vai avisar alguma coisa a alguém. Correto?

Dessa forma, “O comprador avisou aos fornecedores que não adquiriria produtos no mês seguinte” é uma frase correta. Mas, você pode estar se perguntando agora se escrever da outra forma, portanto, é errado. A resposta é não!

Pois:
“Aos fornecedores” é um objeto indireto e “que não adquiriria produtos no mês seguinte” é objeto direto.

Se você vai avisar alguém, você avisar de alguma coisa. Certo?

Dessa forma, “O comprador avisou aos fornecedores de que não adquiriria produtos no mês seguinte” também é uma frase correta, porém com sentido diferente.

Conclusão:
Ou seja, utilizamos “avisar que” para os casos em que queremos dizer que foi avisado algo a alguém; e utilizamos “avisar de que” para os casos em que queremos dizer que vamos avisar alguém de alguma coisa.

Vejamos as demais aplicações em orações para compreender melhor como funciona a Língua Portuguesa Padrão:

 

  • Ela foi avisar o marido que não poderia ir à missa.

 

Nesse caso, será que poderíamos escrever também que “Ela foi avisar o marido de que não poderia ir à missa”?

Vejamos:
Nesse contexto, “ela” foi avisar que não poderia ir à missa, mas “ela”, também, foi avisar o marido (alguém) de alguma coisa (que ela não poderia ir à missa). Portanto, mais uma vez, depende do sentido que você quer dar à oração.

Se o objetivo é escrever que “ela” foi avisar algo a alguém, o correto é escrever da forma como está no enunciado. Por outro lado, se o objetivo é escrever, em oração, que “ela” foi avisar o marido (alguém) de que não poderia ir à missa (alguma coisa), o correto é reescrever adequadamente, utilizando a frase “Ela foi avisar o marido de que não poderia ir à missa”.

Percebe-se, portanto, que há desvio quanto ao significado da oração. Por isso, sobretudo, é essencial que você esteja atento à mensagem que quer passar para quem vai ler. “Avisar que” é utilizado para avisar algo a alguém, enquanto “avisar de que” refere-se a avisar alguém de alguma coisa.

 

  • João avisou a todos que não vai mais competir nas Olimpíadas

 

Nesse exemplo, João avisa a todos que não irá competir nas Olimpíadas. Portanto, João avisa algo (que não vai competir mais nas Olimpíadas) a alguém (todos). Assim sendo, a frase como está escrita no enunciado, está correta do ponto de vista da gramática.
Porém, mais uma vez, será que poderíamos dizer que “João avisou a todos de que não vai mais competir nas Olimpíadas”?

Vamos analisar…

Se João fosse contar a alguém (todos) sobre alguma coisa (que não vai mais competir nas Olimpíadas), note que o correto seria, então, utilizar a expressão “João avisou a todos de que não vai mais competir nas Olimpíadas”, pois, a meta aqui é avisar a alguém de alguma coisa.

Mas, qual é a diferença entre os dois modos de escrever a oração em questão?

Veja bem, quando dizemos que “João avisou a todos que não vai mais competir nas Olimpíadas”, estamos dizendo que o sujeito (João) avisou que não vai mais competir a todos. Isto é, João avisou algo (que não irá competir na disputa) a alguém (todos).

Se dissermos que “João avisou a todos de que não vai mais competir nas Olimpíadas”, estamos dizendo que o sujeito (João) avisou a alguém (todos) de alguma coisa (de que não irá competir).

Percebe a diferença?

No primeiro caso, João avisa QUE. No segundo, avisa DE QUE. São diferenças sutis que alteram o significado do que foi dito/escrito. Por isso, é essencial estar atento ao significado que você quer dar à frase para saber qual dos dois modos utilizar.