Coesão textual


O que é isso?

A maior preocupação de alguém que escreve um texto, artigo, ou mesmo uma redação escolar é fazer com que este seja coeso, ou seja, que todos os elementos ali dispostos (palavras, pontuação e é claro ideias) estejam organizados de maneira a tornar o texto lógico e de fácil compreensão.

Mas, para que isso ocorra são necessários alguns aspectos, entre os quais a coesão, responsável por dar ao texto clareza, objetividade e precisão.

Coesão textual

A coesão textual pode ser definida como um conjunto de recursos linguísticos utilizados de forma a estabelecer o que é chamado na língua portuguesa de “ligações” necessárias entre os elementos que formam uma frase, as orações que compõem um período e é claro os parágrafos constituintes de um texto.

Caso tudo isso seja aplicado de maneira correta o leitor terá a oportunidade de desfrutar de um texto agradável, nada repetitivo ou enfadonho.

Acredita-se que a coesão pode ser sequencial, referencial ou lexical, abaixo listaremos cada uma separadamente:

Coesão Sequencial

Tem como objetivo estabelecer relações lógicas entre as ideias de um mesmo texto e para que isso ocorra utiliza o que denominamos de “conectivos”, aqui representados – principalmente – pelas preposições e conjunções. Os principais são:

Conectivos de consequência ou conclusão: logo, portanto, por isso, pois, de modo que, assim, por conseguinte, em vista disso. Ex: Ela é muito estudiosa, por isso passou na prova.

Causa: porque, visto que, já que, como, porquanto, por causa, em virtude de, por razões de. Ex: Ela passou na prova porque é muito estudiosa.

Oposição: mas, porém, entretanto, contudo, todavia. Ex: João tinha tudo para vencer a competição, contudo, no dia da prova final sofreu um acidente.

Condição: Se, caso, contanto que, desde que. Ex: Você pode saborear a sobremesa, desde que coma todos os vegetais.

Finalidade: Com o objetivo de, a fim de que, para que, com o intuito de. Ex: Com o objetivo de realizar a viagem Mariana economizou por dois meses.

Coesão referencial

Neste caso as expressões têm o objetivo de retomar ou antecipar as ideias e evitam que o texto se torne repetitivo. Vamos aos exemplos:

Onde: dá a noção de “lugar” e pode até mesmo substituir outras palavras. Ex: O Brasil é um país onde a desigualdade social atinge níveis altos – Aqui a palavra “onde” remete a ideia de país.

Cujo: em geral estabelece relação de posse entre dois substantivos. EX: Machado de Assis é um escritor cujas obras lemos com prazer.

Que: em alguns casos substitui expressões ou palavras que seriam repetidas. Ex: Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil, o que permitiu aos portugueses ampliarem seu império.

Esse (a) ou isso: muitas vezes conectam duas frases e apontam para um ideia que, possivelmente, já foi mencionada no texto. EX: O presidente de uma empresa tem muitas funções a cumprir, essas responsabilidades, no entanto, podem ser divididas com todos os membros da diretoria.

Este (a) ou isto: unem duas frases e apontam para uma ideia que deverá ser mencionada no texto. EX: O que me fascina naquela mulher é isto: sua inteligência.

Coesão lexical

Une partes de um texto, além evitar repetições desnecessárias. É facilmente identificada por meio do uso de:

Sinônimos: palavras que expressam o mesmo sentido, utilizadas em diferentes contextos sem alterar o que o autor pretende transmitir. Ex: João Paulo II esteve no Brasil. Aqui, Sua Santidade disse que a Igreja precisa cada vez de mais apoio (João Paulo = Sua Santidade).

Hiperônimos: expressão com sentido genérico em relação à outra. Ex: Mesa = Móvel; Faca = Talher; Computador = Equipamento.

Perífrases: Construção complexa que tem por objetivo caracterizar uma expressão mais simples. Ex: Vigilância Policial nos estádios = elementos treinados para garantir a ordem, proteger e dar segurança aos cidadãos.

Por que devo estudar isso?

Seja para se referir a uma expressão já utilizada no texto, ou mesmo para evitar a repetição desnecessária, a coesão textual tem grande importância na escrita e até mesmo na fala. Afinal, nada mais chato e cansativo do que ouvir várias e várias vezes a mesma expressão, ou ainda lê-la repetidas vezes em uma oração, parágrafo ou texto.

Para muitos especialistas em língua portuguesa o segredo de uma boa escrita reside em utilizar tais elementos de maneira correta. Além disso, fazer o uso correto da coesão textual só demonstra que o autor do texto, ou discurso, tem um vocabulário rico e variado e sabe utilizá-lo da melhor maneira possível.

Portanto, se você caro leitor, quiser arrasar em suas próximas redações e textos nada de repetições enfadonhas, uso de expressões “pobres”, ou mesmo ausência de conectivos. Lembre-se, quanto melhor for sua escrita mais claro você irá se fazer e, portanto, mais chances de ter uma boa nota.

Espero que as informações e exemplos aqui organizados tenham lhe ajudado, e lembre-se, colocar tudo isso em prática só vai fazer você escrever ainda melhor.