Quisesse ou queresse?


A língua portuguesa é uma das mais difíceis de todo o mundo – e nós, seus falantes, sabemos muito bem os motivos que levam a essa conclusão, não é mesmo?

Isso porque a gramática da língua portuguesa é muito complexa e cheia de detalhes: é gerúndio de um lado, conjugação de verbo de outro, grande extensão do vocabulário e muitos outros motivos que conseguem nos levar à loucura.

Muitos erros e tropeços ficam por conta de alguns verbos do idioma, que despertam dúvidas com a regrinha da conjugação.

quisesse ou queresse

E dúvidas nesse sentido são totalmente compreensíveis, uma vez que, por ser uma língua de caráter analítica, o português conta com uma grande variedade de particularidades sutis e bem complexas (e isso sem contar com as nossas belas ‘exceções’ para as regras).

Quisesse ou queresse?

Um verbo que tem a regrinha de conjugação bem confusa, e por isso, realizada muitas vezes de modo errôneo entre os falantes, é o verbo querer.

E é aí que você pode estar pensando: mas o verbo querer é tão simples, e tão utilizado no dia a dia! Pois é: e mesmo que seja extremamente usual tanto na fala como também na escrita, é muito comum confundi-lo, realizando bons tropeços (e bem vergonhosos, hein?).

E a dúvida envolvendo o verbo ‘querer’ que não quer calar é – qual seria o modo correto de conjugação: quisesse ou queresse?
Bem, para responder essa pergunta é bem simples: a palavra queresse não faz parte do nosso dicionário linguístico, nem mesmo como variável padrão. Sendo assim, formalmente essa expressão nem sequer existe.

Sendo assim, o correto é utilizar a palavra ‘quisesse’, que nada mais é do que o formato conjugado do verbo querer (no pretérito imperfeito do subjuntivo), que pode ser empregado tanto em primeira como em terceira pessoa do singular.

O verbo querer refere-se diretamente à própria intenção do sujeito, ou seja, tem a ver com sua vontade de fazer algo ou tomar alguma atitude.

Alguns exemplos para compreender o significado do verbo querer:

• Eu queria ter ido ao show com vocês ontem;

• Eles queriam ter visitado a vovó no hospital, mas ela saiu a tempo;

• Minha família queria viajar no ano novo, mas eu não consegui folga no trabalho.

Sendo assim, o verbo ‘querer’ é um dos mais utilizados entre os falantes da língua portuguesa, graças à sua grande variedade de significados – muito similar a alguns verbos, tais como: desejar, exigir, ansiar, tencionar, preferir, pretender, amar, ordenar, necessitar, consentir e assim por diante.

O verbo querer é de origem latina, sendo ele um verbo irregular da língua portuguesa. Por isso, ele não se enquadra aos modelos já fixos de conjugação verbal, causando boas dúvidas nos falantes. Suas alterações ocorrem tanto nas terminações como nos radicais quando eles são conjugados. No caso do pretérito imperfeito do indicativo, por exemplo, o verbo mantém o radical inicial ‘quer’. Por outro lado, no pretérito imperfeito do subjuntivo, ao qual nos referimos aqui, o radical passa por uma alteração, que vai de ‘quer’ para ‘quis’.

Conjugação do verbo querer

E para tirar de vez as suas dúvidas de conjugação com o verbo irregular querer, vamos conferir como ele fica tanto na conjugação do pretérito imperfeito do indicativo como também no pretérito imperfeito do subjuntivo:

1. Pretérito imperfeito do indicativo

• Eu – quer + ia. Resultado: queria;

• Tu – quer + ias. Resultado: querias;

• Ele – quer + ia. Resultado: queria;

• Nós – quer + íamos. Resultado: queríamos;

• Vós – quer + íeis. Resultado: queríeis;

• Eles – quer + iam. Resultado: queriam.

2. Pretérito imperfeito do subjuntivo

• Se eu = quis + esse. Resultado: quisesse;

• Se tu = quis + esses. Resultado: quisesses;

• Se ele = quis + esse. Resultado: quisesse;

• Se nós = quis + éssemos. Resultado: quiséssemos;

• Se vós = quis + ésseis. Resultado: quisésseis;

• Se eles = quis + essem. Resultado: quisessem.

Complexo, não é mesmo? Porém, vale destacar que a grande diferença entre um e outro tipo de conjugação fica por conta do radical, que no pretérito imperfeito do indicativo mantém o ‘quer’, e no segundo, muda para ‘quis’ – o que neste caso, é um dos grandes motivos para a dúvida entre o que é correto entre quisesse e queresse.

Vamos conferir alguns exemplos?

• Se eu quisesse a sua presença, teria te chamado para ir comigo;

• Se ela quisesse mesmo sair com ele, teria sido muito mais receptiva;

• Seu namorado disse que viria só se você quisesse.

Por fim, lembre-se de outro detalhe: o verbo querer, por não ter ‘z’ no infinitivo, deve ser sempre conjugado com a letra s. Isso porque, na língua portuguesa, só os verbos que contam com ‘z’ em sua estrutura infinitiva podem ser conjugados com essa letra, como é o caso do verbo dizer (conjugado como dizia) ou trazer (conjugado como traz), por exemplo.

Além disso, vale destacar que essa mesma dúvida com as palavras ‘quisesse’ ou ‘queresse’ também é comum com outros verbos irregulares no momento de conjugação no pretérito imperfeito, como ‘mantesse’ no lugar de mantivesse, por exemplo.