Utilização do Hífen


O hífen é representado apenas por um traço, mas causa muitas dúvidas nos brasileiros na hora da escrita de um texto. Usa-se o hífen com diversos prefixos e elementos de composição. A utilização do hífen possui muitas regras e muitas delas são novas, visto que houve recentemente o Novo Acordo Ortográfico na Língua Portuguesa, que ocasionou mudanças também nas regras do hífen.

O Novo Acordo Ortográfico chegou com a finalidade de melhorar o intercâmbio entre os países que tem a língua portuguesa como nativa, além de reduzir os custos com a produção e tradução de livros, revistas e artigos, bem como facilitar a troca bibliográfica e tecnológica entre os países.

Neste artigo, vamos trazer as regras de quando usar e quando não usar o hífen. Você pode salvar este artigo como um documento de consulta básica e rápida quando tiver dúvidas na utilização do hífen. Com o tempo, você irá decorar as regras e nem precisará mais consultar na hora de escrever algum conteúdo.

Hífen

Quando usar o hífen

• Quando o segundo termo iniciar por H, quando o “H” é uma letra sem personalidade, sem som. Exemplo: pré-história, super-homem, anti-higiênico
• Quando o prefixo da palavra terminar com a mesma consoante que se inicia a segunda palavra. Exemplo: hiper-romântico, super-racionais, sub-bibliotecário.
• Quando se tem o prefixo sub e o segundo termo inicia-se com a letra “R”. Exemplo: Sub-regional, sub-região, sub-racial.
• Quando o prefixo termina com uma vogal e o segundo termo da palavra inicia-se com a mesma vogal. Exemplo: micro-ondas, contra-ataque, anti-inflamatório.
• Quando os prefixos são: além, aquém, ex, pré, pró, pós, recém, sem, soto e vice. Exemplos: pré-história, recém-casado, pós-operatório, vice-governador, ex-mulher.
• Quando há a união de palavras que se combinam por ocasião. Exemplo: Ponte Rio-Niterói, Negociações China-EUA, Acordo Brasil-Argentina.
• Quando os sufixos tiverem origem tupi. Exemplo: Capim-açu.
• Quando o segundo termo da palavra se inicia em M, N e vogal e possuem os prefixos “circum” ou “pan”. Exemplo: Pan-americano, circum-navegação.
• Quando as palavras são relacionadas a espécies botânicas e zoológicas. Exemplo: Beija-flor, couve-flor, erva-doce.
• Quando há elementos ligados por artigo. Exemplo: Baía de Todos-os-Santos.
• Quando há elementos compostos homogêneos – contendo dois adjetivos, dois verbos ou elementos repetidos. Exemplo: técnico-científico, luso-brasileiro; quebra-quebra, corre-corre, blá-blá-blá.
• Quando houver topônimos compostos iniciados pelos adjetivos grã, grão. Exemplo: Grã-Bretanha, Grão-Pará.

Quando não usar o hífen

• Quando o primeiro termo da palavra iniciar com DES- ou IN- e o segundo termo perder o H do início da palavra. Exemplo: Inumano, desumano.
• Quando o prefixo terminar em vogal e o segundo termo da palavra iniciar com consoante diferente de R ou S. Exemplo: microcomputador, autopeça, extraforte.
• Quando o prefixo terminar em vogal e o segundo termo iniciar com R ou S, dobra-se as consoantes citadas. Exemplo: cosseno, antissocial, contrarreforma.
• Quando o prefixo da palavra terminar em vogal diferente da vogal que o segundo termo se inicia. Exemplo: Autoescola, infraestrutura, autoajuda.
• Quando o prefixo terminar com consoante e o segundo termo da palavra iniciar com vogal ou consoante diferente do primeiro termo. Exemplo: Hipermercado, hiperativo, superinteressante.
• Quando há locuções substantivas, adjetivas, adverbiais, pronominais, conjuncionais Exemplo: dia a dia, fim de semana, café com leite.
• Quando há palavras começadas com o prefixo ‘co-’. O prefixo deve se unir ao segundo elemento, mesmo que este comece com ‘o’ ou ‘h’. Quando termina com o “H”, corta-se a letra. Se a palavra posterior começar com ‘r’ ou ‘s’, dobram-se tais letras. Exemplo: coautor, coexistência, coerdeiro, coadministrar, cooptar, corresponsável, cosseno.
• Quando a palavra inicia-se com palavra não, ao possuir função prefixal. Exemplo: não violência, não agressão.
• Quando há prefixos “pre-“ “e” “re-“ mesmo diante de palavras começadas por ‘e’. Exemplo: reescrever, preexistência, reedição.
• Quando as palavras que possuem os elementos “bi”, “tri”, “tetra”, “penta”, “hexa”. Exemplos: bicampeão, bimensal, bimestral, tridimensional, trimestral, tetracampeão, tetraplégico, pentacampeão.

As regras são muitas e tentar decorar todas pode ser uma tarefa bastante difícil. Basicamente se você decorar as principais, dificilmente terá dificuldades na hora de escrever. Veja o nosso resumo com as principais regras. Sabendo essas regras, você já irá sanar muitas dúvidas. Caso alguma questão persista, sempre consulte as regras acima e não erre na hora de escrever.

• Palavras com letras iguais separam-se com hífen.
• Palavras com letras diferentes, junta e não utiliza o hífen.
• Se a letra “H” não tem personalidade (som). Separa com hífen.
• Quando as letras “R” e o “S”, estão perto das vogais, são dobrados e não se utiliza o hífen. Mas não se juntam com consoantes, utilizando hífen nestes casos.

Não importa qual é a sua profissão, escrever corretamente é essencial. Você perde muita credibilidade, como pessoa e como profissional quando escreve com erros de pontuação, de digitação ou palavras de forma errada. Lembre sempre de reler o conteúdo escrito e, sempre que houver dúvidas em relação à língua portuguesa, pesquise para não cometer o erro.