Substantivos referentes a partes do corpo: flexão e não flexão


Na Língua Portuguesa há três tipos de flexões: de gênero, de número e de grau. A flexão nada mais é que uma modificação na composição da palavra. Ao ser flexionada, ela aparece de diferentes formas. As palavras podem estar no masculino ou feminino (flexão de gênero), no singular ou plural (flexão de número) ou no aumentativo e diminuitivo (flexão de grau).

Substantivos referentes a partes do corpo: flexão e não flexão

Vejamos alguns exemplos para ficar mais claro. A palavra “gato” pertence à classe dos substantivos, que abarcam as três formas de flexão. Elas modificam a palavra dessa forma:

Gênero:
Gato (masculino) – Gata (feminino)

Número:
Gato (singular) – Gatos (plural)

Grau:
Gatinho (diminutivo) – Gatão (aumentativo)

Esses conceitos são simples à primeira vista, mas costumam confundir muitos estudantes. As dúvidas são em sua maioria sobre a classe dos substantivos, que possuem algumas peculiaridades que exigem um aprofundamento. Um grande exemplo é a dúvida de muitas pessoas sobre substantivos referentes a partes do corpo. A questão sempre é a mesma: eles flexionam ou não? O objetivo desse artigo é esclarecer essa dúvida. Mas antes é necessário compreender melhor como funciona a flexão nas classes gramaticais.

A primeira coisa a saber é que nem todas as palavras da língua flexionam. É preciso descobrir, antes de tudo, quando há flexão e quando não há flexão em relação às classes gramaticais. Depois de entender como as regras funcionam para as classes, você poderá compreender todas as peculiaridades que algumas palavras trazem. Leia abaixo o esclarecimento dessa questão.

Flexão nas classes gramaticais

As palavras, na língua portuguesa, são agrupadas em grandes conjuntos, chamados de “classes gramaticais”. Embora grande parte delas exija flexão para as palavras, existem classes que não flexionam nenhuma palavra. Essas classes são chamadas de invariáveis. São elas:

Por exemplo, a preposição “com” não possui flexão. Você não lerá, ao menos que tenha havido um erro gramatical, “cons”. Outro exemplo é o advérbio “aqui”. Não existe “aquis” ou “aquisinho” e “aquisão”. Ou seja, essas palavras possuem uma forma fixa.

Não é o mesmo que acontece com as classes restantes. Suas palavras podem mudar de gênero, número e grau de acordo com a frase. Uma maneira de acertar na flexão é olhar para o contexto da frase e entender o que ela está pedindo. As classes que sofrem flexão são:

Em relação aos substantivos, é importante mencionar que o gênero se limita às regras gramaticais. Por exemplo, a palavra “cadeira” é um substantivo feminino, mas nesse sentido nada tem a ver com o significado biológico de “gênero”. Ou seja, “gênero” aqui é uma categoria gramatical, enquanto “sexo” é uma categoria biológica.

Partes do corpo: flexão ou não flexão

Essa questão gera dúvidas entre os estudantes porque não existe apenas uma resposta. De maneira geral, quando nos referimos a uma parte do corpo de várias pessoas, estamos evocando apenas “um” membro, e não vários deles. A resposta ficará mais clara com os exemplos abaixo:

  • Todos na sala de aula estavam com os narizes vermelhos por causa de resfriado.

Observe que a frase se refere a um acontecimento único para várias pessoas: o nariz vermelho. Mas não há motivo para flexionar o substantivo aplicando um plural, pois cada indivíduo possui apenas um nariz. A frase deveria ser formulada dessa maneira:

  • Todos na sala de aula estavam com o nariz vermelho por causa de resfriado.

Vamos a outro exemplo para ficar claro:

  • O susto foi tão grande que todas as pessoas que o presenciaram quase tiveram seus corações saindo pelas bocas.

Repare como a frase fica um pouco estranha, e com uma sonoridade incoerente. Como cada pessoa que presenciou o susto tem um só coração e uma só boca, a frase poderia ser reformulada dessa maneira:

  • O susto foi tão grande que todas as pessoas que o presenciaram quase tiveram seu coração saindo pela boca.

No entanto, a regra muda quando estamos mencionando partes do corpo que podem ser agrupadas em pares, como mãos, pés, braços, pernas, olhos, orelhas etc. Por exemplo:

  • Não foi possível assistir o show, pois muitas pessoas na minha frente levantaram os braços.

A frase está correta na medida em que entendemos que ela se refere a ambos os braços. Mas se as pessoas no show tivessem levantado apenas um braço, ela deveria estar no singular para gerar compreensão do interlocutor:

  • Não foi possível assistir o show, pois muitas pessoas na minha frente levantaram o braço.

Mais um exemplo:

  • Meu professor de Língua Portuguesa explica tão bem que todos na sala o acompanham com os olhos.

Provavelmente se, ao invés de olhos, estivesse escrito “olho”, no singular, a imagem seria de um professor se movimentando e os alunos o acompanhando apenas com um dos olhos.

A dica essencial nessa matéria é a leitura, pois ela ajudará na assimilação das regras. Outra dica é anotar frases cuja flexão lhe é estranha, para depois pesquisar a sua forma correta.