Biomoléculas: Glicídios e Lipídios


Glicídios

Os glicídios, glucídios ou glúcides são compostos de função mista poliálcool-aldeído ou poliálcool-cetona. En­tre eles estão desde os açúcares usados no cotidiano até estruturas mais complexas, como o amido e a celulose, que são polímeros da glicose. Muitos desses compostos possuem fórmula geral Cx(H2O) , daí serem chamados antigamente de carboidratos ou hidratos de carbono. Como muitos glicídios não possuem essa fórmula geral, essa representação deixou de ser usada.

Biomoléculas

Classificação

o termo cetose indica grupamento cetona no glicídio. Por­tanto, a glicose apresentada anteriormente é uma aldose e a frutose uma cetose. A seguir, as estruturas desses com­postos.

Pode-se dizer que a glicose é uma aldo-hexose, ou seja, possui o grupo aldeído e seis carbonos na estrutura. Frutose

Já a frutose é uma ceto-hexose, ou seja, possui o grupo cetona e seis carbonos na estrutura.

Por analogia, pode-se perceber que existem também trioses, tetroses etc.

Osídios

São os glicídios mais complexos que se hidrolisam, ou seja, que “quebram” em estruturas menores na pre­sença de água. Na classificação, os holosídios, ao sofre­rem hidrólise, só produzem oses, e os heterosídios, além das oses, produzem também.outros grupos (orgânicos ou inorgânicos).
Exemplos:
sacarose + H2O —> glicose + frutose (dissacarídeo)
amido + nH2O -> n glicoses (polissacarídeo)

Oses ou monossacarideos

São os glicídios mais simples encontrados na natu­reza. Esses glicídios não se hidrolisam, ou seja, não “que­bram” em estruturas menores na presença água. O termo aldose indica a existência de grupo aldoxila (aldeído).

Fenômenos que ocorrem nas oses

Já foi observado que há carbonos quirais (assimétri­cos) nos glicídios, o que indica a ocorrência de isômeros ópticos. Além do fenômeno da isomeria óptica, ocorre outro muito importante, a ciclização. O grupo carbonila (aldeído ou cetona) reage com uma hidroxila da própria estrutura, originando um composto cíclico. Quando a ci­clização ocorre no carbono 4, origina-se um anel com 5 átomos (4 carbonos e l oxigênio). Como essa estrutura é semelhante à do furano, a forma cíclica é chamada de furanóica ou furanose.

A ciclização pode ocorrer também com reação entre a carbonila e o carbono número 5, que origina um ciclo com seis átomos (cinco carbonos e um oxigênio). Essa é a ciclização mais comum entre as oses. A semelhança da estru­tura com o pirano faz com que essa forma estrutural seja denominada piranose ou piranóica.

Na estrutura do pirano, a hidroxila do carbono l pode originar dois compostos (cis ou trans) com desvios diferentes da luz polarizada. No caso, obtém-se a oc-glicose e a (3-glicose. Quando a a-glicose (ou a (3-glicose) pura é dissolvida em água, uma, espontaneamente, transforma-se na outra, passando pela glicose de cadeia aberta, o que faz com que as três estruturas existam, simultaneamente, com seus três ângulos de desvio diferentes. O ângulo de desvio dessa solução é a média ponderada dos três ângulos de desvio dos compostos que a formam. Esse fenômeno é chamado de mutarotação.

Lipídios

Lipídios (lipídeos ou lípidos) são substâncias de aspecto gorduroso: gorduras, óleos e ceras que fazem parte do cotidiano. Quimicamente, são ésteres de ácidos graxos, ou seja, de ácidos carboxílicos de cadeias com mais do que 10 carbonos. São insolúveis em água e solúveis em solventes orgânicos como o benzeno, éter etílico ou clorofórmio.

A classificação dos lipídios é feita conforme a natureza do ácido e do álcool que originam o éster. Nunca é demais lembrar que: É importante observar, entretanto, que os óleos po­dem ser transformados em gorduras por hidrogenação. Ao reagir com H2, as duplas e triplas ligações “abrem”, transformando-se em simples ligações. É o processo uti­lizado para transformar óleos vegetais em gorduras ve­getais como a margarina, obtida pela hidrogenação de óleos vegetais poliinsaturados.

Os lipídios simples são derivados unicamente de áci­dos graxos e álcoois. Os lipídios complexos, além des­ses ácidos, possuem também outros compostos como ácido fosfórico, aminoácidos etc.