Borrachas sintéticas


A borracha natural, que também é popularmente conhecida como látex, nada mais é do que o resultado entre várias reações complexas que acontecem em um local, no mínimo, curioso: dentro de algumas espécies de árvores. A principal delas é bem conhecida do cotidiano brasileiro: as árvores seringueira. Sua composição é dada por meio de uma repetição bem acentuada de unidades isoprênicas.

Mas com os avanços da ciência, alguns cientistas tornaram possível a sintetização de uma espécie de polímero – sendo ele o de adição. Toda a estrutura da borracha sintética é a mesma do que a da natural. O poli-isopreno, utilizado na composição, nada mais é do que um polímetro diênico, uma vez que seus monômeros são compostos pela mesma estrutura do que a de um dieno conjugado.

Borrachas

E além do poli-isopreno, é também possível sintetizar outros tipos de polímeros diênicos, mesmo que eles sejam utilizados com uma frequência mais baixa. Nesse caso, suas sintetizações são possíveis por meio de reações do tipo análogas e os resultados são: o policloropreno (também conhecido como neopreno) e o polibutadieno, que são os dois tipos mais utilizados para produzir as borrachas sintéticas.

Quais são as suas características?

Todos os polímeros que citamos anteriormente são compostos por propriedades quimicamente iguais às da borracha natural, como é o caso da elasticidade, por exemplo.

Porém, se pegarmos as borrachas naturais e as borrachas sintéticas e colocarmos uma ao lado da outra para análise é possível notar que as sintéticas acabam sendo ainda mais resistentes em algumas situações: como na exposição a produtos químicos ou às alterações muito drásticas de temperatura.

E é exatamente por conta disso que, por exemplo, as próprias mangueiras que fazem parte das bombas de gasolina são compostas por neopreno. O mesmo polímero também é frequentemente utilizado para a composição de itens que se expõem à água salgada, especialmente do mar. Alguns exemplos são: correias transportadoras, cabos de submarinos, luvas, roupas (como as roupas dos surfistas, por exemplo), revestimentos de fábricas e indústrias, adesivos e outros.

A borracha sintética se torna muito mais resistente após passar por um processo chamado de ‘vulcanização’, que é quando ocorre a adição de uma porcentagem que varia entre 2 a até 30% de enxofre. Assim que esse componente é adicionado à borracha por meio de aquecimento e junto a catalisadores, um ‘polímero tridimensional’ é formado e o enxofre acaba se tornando uma ponte de acesso para as cadeias carbônicas que compõem a borracha sintética.

E além dos polímeros de adição, que falamos até o momento, existem também alguns modelos de borrachas sintéticas que são formadas por copolímeros, ou seja, pela união de diferentes tipos de monômeros. E dentro desse grupo, a borracha de maior importância – e também a mais conhecida – é a utilizada para a confecção de pneus.

Tipos de borrachas sintéticas

Ao total, podemos considerar sete diferentes tipos de borrachas sintéticas. Vamos conhecer um pouquinho sobre cada uma delas?

• SBR – o SBR – elastômero de estireno-butadieno é bem similar com a borracha natural, porém tem como principais características o fato de ser mais homogêneo, e consequentemente, menos elástico. Essa é a borracha de maior consumo em todo o mundo, utilizada para a fabricação tanto de pneus como também de bandas de rodagem. Além disso, ele também é utilizado na confecção de solados, adesivos e demais artefatos mais ‘técnicos’.

• BR – As principais características da borracha sintética composta pelo polibutadieno são: ótima flexibilidade, resistência à abrasão e às baixas temperaturas. Além disso, se desenvolve melhor no calor, são dotados de altíssima resiliência e também resistem com maior facilidade aos fendilhamentos por meio de flexão. Ele pode ser utilizado na fabricação de mangueiras, buchas, batentes e outros.

• EPDM – este é formado pelo etileno-propileno-dieno e sua característica de maior peso é a resistência que tem às degradações provocadas de forma natural, como por meio do oxigênio, do ozônio, ar e até mesmo pelo calor. A composição é utilizada principalmente em peças de carros, como em frisos, palhetas para para-brisa, molduras de vedação para vidros e outros.

• NBR – já a borracha sintética ‘nitrílica’ é extremamente resistente ao petróleo e seus demais derivados. Dessa forma, a borracha se torna a mais recomendada para a produção de juntas, vasos, retentores, mangueiras e outros que tenham contato direto com solventes ou óleos.

• SBCs – a composição é formada por copolímeros em bloco de estireno. São ideais para pavimentação e asfalto, criação de solados de calçados, adesivos e até mesmo para uso em processos de impermeabilização.

• TPE – a borracha sintética do tipo termoplástica reúne algumas características tanto da borracha como também do plástico. Dessa forma, são utilizados para cabos de escovas de cabelo ou de dentes, para manoplas de motobikes e outros.

• Borrachas especiais – por fim, as borrachas especiais são as compostas por silicone. Elas são utilizadas para isolar cabos ou fios elétricos, já que são capazes de se submeter a temperaturas muito extremas. Além disso, também podem ser fundamentais no revestimento de equipamentos ou fabricação de itens para uso médico.