Carbonilas e Aminas: Classificação, Nomenclatura e Aplicação


Compostos carbonílicos

Os compostos carbonílicos dividem-se em cetonas e aldeídos. Esses compostos diferem entre si pela posição do grupo carbonila (C = O). Quando o grupo carbonila está na extremidade da cadeia, tem-se a função aldeído; quando está entre átomos de carbono, tem-se a função cetona.

Cetonas
São caracterizadas por grupo carbonila entre átomos de carbono,

Carbonilas e Aminas

Nomenclatura
•     Oficial: nº de carbonos + tipo de ligação + -ona

Aldeídos
Caracterizam-se por grupo carbonila na extremidade da cadeia.

Nomenclatura
•     Oficial: nº de carbonos + tipo de ligação + -ai
•     Usual: aldeído + nome do ácido carboxílico que originam

Aminas

Pode-se considerar as aminas como produtos resul­tantes da substituição de um ou mais hidrogênios do NH3 por radical alquila ou arila. As aminas são classificadas em três tipos:
•         primária – apenas um dos hidrogênios do NH3 é substituído por radical;
•         secundária – dois dos hidrogênios do NH3 são substituídos por radicais;
•         terciária – os três hidrogênios do NH3 são subs­tituídos por radicais.

Nomenclatura
•    Oficial – acrescentar ao nome dos radicais liga­dos ao N + o sufixo -amina.

Observação
O metanal é um gás de odor picante, altamente tó­xico, cuja solução aquosa a 40% é vendida com o nome de formol. Usado na conservação anatómica, na fabricação de fertilizantes, plásticos, corantes e desinfetantes, é também usado na preparação de urotropina (diurético).

Aplicações

As aminas são utilizadas no preparo de vários pro­dutos sintéticos e são usadas como aceleradores no pro­cesso de vulcanização da borracha. A etanolamina (HO — CH2 — CH2 — NH2) é usada como tensoativo, isto é, para mudar a tensão superficial de soluções aquosas. Há ainda as aminas aromáticas, que são usadas na produção de corantes orgânicos, como a anilina. Ela é um líquido incolor, oleoso e tóxico usado na síntese de corantes e medicamentos, dentre os quais se destaca a classe das sulfas (eficazes contra infecção).

SEROTONINA – aminas x paixão

A serotonina é uma substância chamada de neurotransmissor, existe naturalmente em nos­so cérebro e, como tal, serve para conduzir a transmissão de uma célula nervosa (neurônio)

Alcadienos
São hidrocarbonetos de cadeia aberta que apresen­tam duas duplas ligações. São também chamados de dienos ou diolefinas.

Classificação
Esse é o menor dos dienos alênicos. Não há necessi­dade de se numerar e indicar as duplas ligações no nome, pois essa é a única maneira de se colocar duas duplas entre três carbonos.

Dienos acumulados ou alênicos

São os alcadienos que apresentam as duas duplas li­gações seguidas. Observe que o carbono destacado apresenta hibridação sp. Esse é o menor dos dienos eritrênicos; usado na fa­bricação das bunas (borracha sintética). Quando houver uma cadeia principal, deve-se retirá-la e numerá-la a partir da extremidade mais próxima de uma das duplas.

Ciclanos

Dienos conjugados ou eritrênicos

São os alcadienos que apresentam as duas duplas li­gações intercaladas por uma simples ligação. Sua repre­sentação geral é R — CH = CH — CH – CH — R.
Essa estrutura carbónica é muito importante em vir­tude de algumas reações. Exemplo: CH3 — CH = CH — CH = CH — CH3.

Nomenclatura
Semelhante a dos demais hidrocarbonetos, porém precedida do prefixo ciclo. Exemplo:
ciclopropano

Dienos isolados
São os alcadienos que apresentam as duas duplas li­gações intercaladas por duas ou mais simples ligações. Sua representação geral é R — CH = CH — CH2 — … — CH = CH — R. Exemplo: CH3 — CH = CH — CH2 — CH2 — CH = CH2.

Nomenclatura
A nomenclatura sistemática (IUPAC) desses compos­tos é igual a dos alcenos e alcinos, levando-se em conta que a numeração da cadeia carbónica deve começar pela extremidade mais próxima de uma das duplas.

Observação
O ciclopropano já foi utilizado como anestésico. Quando houver um radical ligado ao ciclo, não há necessidade de se numerar ou citar sua posição no nome do composto. Quando a cadeia apresentar mais de um radical ligado ao ciclano, deve-se numerá-la de tal maneira que se obtenha sempre os menores números possíveis. A numeração pode ser no sentido horário ou anti-horário e é indicada sempre pelo radical mais simples (ordem de complexidade).

Aromáticos
São hidrocarbonetos constituídos por um ou mais anéis benzênicos e seus derivados. São também chama­dos de arenos.
l -metil-3-etil-1 -cicloexano

Observação
Conforme a IUPAC devemos numerar por or­dem alfabética.

Existe também compostos aromáticos com anéis con­densados. Três deles são os apresentados a seguir.

Naftaleno (naftalina)

CH2— CH3
l -etil-3-metil-ciclohexano E o mesmo vale para os aromáticos.

Ciclenos

São hidrocarbonetos cíclicos que apresentam uma du­pla ligação no anel. São também conhecidos como cicloalcenos ou ciclo-olefinas.

Nomenclatura

Semelhante a dos ciclanos, mas com a presença da partícula intermediária -en- indicando a dupla ligação no nome.
Exemplo:
antraceno
fenantreno

Observação
Sabe-se que os hidrocarbonetos aromáticos são muito prejudiciais à saúde, como é o caso da benzina. Quando se tem somente um radical substituindo um hidrogênio da molécula de um benzeno, não há necessi­dade de se numerar ou citar a posição deste.
metilbenzeno tolueno

ciclobuteno
Caso existam um ou mais radicais ligados ao alceno, cita-se a posição deles numerando o ciclo de tal fornia que os dois carbonos da dupla ligação recebam as posi­ções l e 2. O sentido pode ser horário ou anti-horario, sempre com os menores números possíveis no nome.
Exemplos:
HC  = CH
ou
H2C — CH — CH3
CH,
3 -metil-ciclobuteno

A seguir, são apresentados alguns compostos, solven­tes da cola de sapateiro, utilizados na indústria dos co­rantes e explosivos. Nas estruturas derivadas do benzeno, substituindo-se alguns hidrogênios de sua molécula por radicais, deve-se citar a posição desses radicais da seguinte maneira: