Classificação e propriedades dos ácidos


Graças à química podemos definir e saber melhor sobre as propriedades e a classificação dessa substância denominada de ácido. Primeiramente vamos conhecer a definição da palavra ácido, vinda do latim acidu, que significa ‘azedo’. O azedo é uma das qualidades que mais se destacam nas substâncias que são conhecidas como ácido. Além disso, podemos definir ácido como toda a substância que se ioniza quando entra em contato com água e origina o cátion H+.

Existem três teorias que podemos destacar sobre a definição de compostos ácidos. Primeiramente, em 1887, o químico Svante Arrhenius sugeriu o conceito de dissociação. Para ele, a substância ácida era dissociada em água e liberava íons de hidrogênio.

propriedades dos ácidos

Em 1923, o químico dinamarquês Bronsted e o químico Inglês Lowry sugeriram outra definição para ácido, na qual o composto era uma espécie capaz de dar um próton, enquanto uma base seria uma espécie capaz de receber o próton. Nesse mesmo ano outro químico, dessa vez norte americano, G.N Lewis, apresentou seu conceito de ácido. Para ele o ácido é uma espécie com um orbital vazio capaz de receber dois elétrons enquanto uma base é capaz de doar dois elétrons para formar uma ligação covalente coordenada.

Propriedades

As experiências realizadas pelo químico Svante Arrehenius acabaram gerando algumas observações importantes sobre determinadas substâncias que podem ser diluídas em água.

Primeiramente ele observou que em uma solução aquosa, os ácidos acabam por conduzir a eletricidade, já que os ácidos se desdobram em íons. Também ainda em uma solução aquosa os ácidos se ionizam, originando íons que acabam por produzir cátion H+. Ácidos têm o gosto azedo, por isso o limão, o vinagre e o tamarindo, que contêm ácidos, têm o sabor azedo. Além disso, os ácidos podem alterar a cor de determinadas substâncias que são denominadas indicadores.

Os indicadores possuem a capacidade de mudar de cor dependendo do caráter ácido ou básico das soluções. Componentes como tornassol e a fenolftaleína indicam ácidos e bases. Por exemplo, a solução de fenolftaleína vermelha fica sem cor quando exposta a um ácido. Enquanto o papel de tornassol azul pode ficar com a cor avermelhada.

Quando os ácidos sofrem uma reação com bases e formam sais e água, eles geram uma reação de neutralização. A seguir veremos alguns exemplos de onde ácidos orgânicos podem ser encontrados:

• Ácido acético = vinagre.
• Ácido tartárico = uva.
• Ácido málico = maçã.
• Ácido cítrico = laranja, acerola, limão.
• Ácido fosfórico = usado na fabricação de refrigerantes à base de cola.
• Ácido carbônico = sob a forma de gás carbônico, é um dos constituintes das águas minerais gaseificadas e dos refrigerantes.

Há também outra classe de ácidos, conhecidos como ácidos inorgânicos, que não podem ser ingeridos. Segue os nomes:

• Ácido Clorídrico (HCl): Utilizado em produtos de limpeza de pisos e superfícies metálicas. Também faz parte do suco gástrico.
• Ácido Fluorídrico (HF): É usado para fazer gravações em vidros e cristais.
• Ácido Sulfúrico (H2SO4): Utilizado na fabricação de tintas e corantes, assim como explosivos e papéis. Também pode ser encontrado em baterias de automóvel e em fertilizantes agrícolas.
• Ácido Nítrico (HNO3): Faz parte da fabricação de explosivos como a nitroglicerina e o trinitrotolueno. Também está em fertilizantes agrícolas, assim como ajuda a identificar amostras de ouro.
• Ácido Cianídrico (HCN): É um ácido bastante usado em vários materiais como plásticos, acrílicos entre outros. Também usado em câmara de gás das prisões americanas.

Classificação dos ácidos

Para classificar os ácidos existem alguns critérios. São eles:

a) Volatilidade: É uma palavra usada para indicar que certo material líquido tem a facilidade de passar do estado gasoso para o estado de ebulição. Os ácidos são classificados em duas categorias:
Voláteis: São ácidos onde o ponto de ebulição passa facilmente para o estado gasoso. Exemplos de ácidos: HCl, HBr e HClO4.
Fixos: Esses ácidos possuem um alto ponto de ebulição não indo facilmente para o estado gasoso. Exemplos: H3PO4, H2SO4 e H3BO3.

b) Estabilidade: Tem ligação com a capacidade da substância não se decompor. Os ácidos são classificados como estáveis (não sofrem decomposição) e instáveis (sofrem decomposição em condições ambientes).

c) Grau de oxigenação: Depende da frequência ou não de oxigênio nos ácidos. Os ácidos podem ser classificados como Hidrácidos (não possuem oxigênio em sua composição) ou Oxiácidos (ácido que tem oxigênio em sua composição).

d) Grau de hidratação: Aponta quando moléculas de água são retiradas da fórmula para que o ácido gere um oxiácido. Os ácidos podem ser classificados como Ácido meta (tem o menor grau de hidratação possível para um ácido), Ácido piro (tem um grau de hidratação maior que um meta, porém menor quem um ácido orto), Ácido orto (tem o maior grau de hidratação possível para um ácido).

e) Número de hidrogênios ionizáveis: Indica a quantidade de hidrogênios e como isso pode fazer o ácido sofrer ionização quando entra em contato com a água. Os ácidos podem ser classificados em Monoácido (um hidrogênio ionizável), Diácido (dois hidrogênios ionizáveis), Triácido (três hidrogênios ionizáveis) e Tetrácido (quatro hidrogênios ionizáveis).

f) Força: Essa classificação tem relação com a capacidade do ácido de se ionizar. Pode ser dividida entre ácidos fortes (ionizam muito), moderados (ionizam de forma moderada) e fracos (ionizam pouco).