Experimentação em Fermentação Alcoólica


Neste artigo, você vai aprender mais sobre como acontece o processo de fermentação na natureza e, também, irá conhecer um exemplo de experimentação em fermentação alcoólica.

Fermentação

Antes de falarmos diretamente sobre a experimentação em fermentação alcoólica, vamos aprender um panorama geral sobre a fermentação em geral e a fermentação alcoólica. Já que a experimentação deve ser feita sempre de forma supervisionada e não é tão fácil de ser reproduzida em qualquer ambiente. Vamos, então, à teoria.

Na natureza, tudo se transforma. E a fermentação é um processo que acontece naturalmente a partir de vários processos. A fermentação é um processo anaeróbio, ou seja, o metabolismo ocorre sem o uso do oxigênio. É a forma que alguns organismos vivos utilizam para produzir energia, como a respiração celular, porém sem oxigênio.

Fermentação Alcoólica

As bactérias fazem este tipo de respiração e o oxigênio pode ser letal para elas. Durante o processo de fermentação a glicose é metabolizada por diferentes compostos, de acordo com o tipo de fermentação em questão. No nosso caso, estamos falando de fermentação alcoólica, então, acontece da seguinte forma: os açúcares presentes, que podem ser glicose, sacarose ou frutose, são convertidos em energia pelas células resultando na produção do dióxido de carbono e do etanol. Tudo isso sem utilizar o oxigênio em nenhum momento do processo.

O que vai determinar o tipo de substância produzida, depende do micro-organismo e, também, do meio onde se encontram. As leveduras utilizadas na fabricação de pães e, também, de cervejas atuam produzindo álcool no processo de fermentação.

Este processo de fermentação alcoólica é utilizado pelos seres humanos há milhares de anos na produção de bebidas como o vinho e a cerveja, mesmo sem saber cientificamente como isso acontecia. Somente em 1815 é que o cientista químico francês chamado Joseph Louis Gay – Lussac foi o primeiro a analisar a fundo a fermentação alcoólica e degradar a glicose em etanol. Depois vieram uma infinidade de estudos que compreenderam todas as enzimas que estão presentes no processo de fermentação e como diferentes micro-organismos se comportam.

Descobriu-se, então, que as reações químicas que ocorrem durante a fermentação alcoólica são equivalentes às que ocorrem na glicólise. A desmontagem da molécula de glicose acontece de forma parcial e, no final, são produzidos resíduos que possuem o tamanho molecular maior do que o dos resíduos que se originam na respiração. Além disso, o rendimento em ATP é pequeno.
Conforme já falamos as leveduras e alguns tipos de bactérias são os micro-organismos que fermentam e produzem álcool etílico, também chamado de etanol. O que acontece é que duas moléculas de ácido pirúvico que foram produzidas pelo micro-organismos serão convertidas em etanal (também conhecido como álcool etílico) com a liberação de duas moléculas de CO2 e também duas moléculas de ATP.

O fungo mais conhecido que faz fermentação alcoólica é o chamado fungo da cerveja, que pertence à espécie Saccharomyces cerevisae. Estes fungos são utilizados na produção de:

* Álcool etílico combustível – etanol;
* Vinhos;
* Cervejas;
* Panificação;
* Cachaças;
* Outras bebidas alcoólicas.

Experimentação em Fermentação Alcoólica

Agora finalmente vamos falar sobre a experimentação em fermentação alcoólica. O álcool etílico ou etanol é uma molécula formada por 1 oxigênio, 6 hidrogênios e dois carbonos. A fórmula molecular do etanol é representada da seguinte forma, descrita abaixo:
C2H6O

Trata-se de um elemento muito conhecido, portanto, as pessoas costumam chamar somente de álcool e não como o nome científico, que é, na verdade, etanol. Porém, como nos últimos anos no Brasil o etanol passou a ser muito utilizado como combustível cada vez mais em larga escala, o nome também passou a ser mais utilizado.

Ao observar a fermentação alcoólica, percebe-se que ela pode ser representada por meio da transformação em frutose ou glicose da sacarose. Esta reação é representada como veremos a seguir:

C12H22O11 → C6H12O6 + C6H12O6

Através da análise da reação acima, percebe-se que pela ação dos catalisadores, a molécula de sacarose sofre hidrólise e libera a molécula de água, produzindo, assim, moléculas de glicose ou frutose.

Abaixo, segue um exemplo de experimentação em fermentação alcoólica que não pode ser reproduzidos em qualquer lugar, mas que necessita instrumentação característica e, também, precisa ser realizadas em laboratório. Trata-se do exemplo de fermentação alcoólica que acontece com cascas de frutas e açúcar.

Em um recipiente do tipo béquer com capacidade de 500 ml, coloque algumas colheres de açúcar, cascas de frutas quaisquer e também milho. Depois, adicione água às cascas quase até a boca. Feito isso, o próximo passo é fechar o copo com a utilização de um tecido limpo e amarrando as laterais no béquer a fim de não deixar que ele se mova.

Para que o resultado possa ser observado, é preciso deixar o sistema em repouso, em local de baixa luminosidade por sete dias seguidos. Após este período, é preciso destilar e filtrar o líquido a fim de obter o álcool.