Kw, pH e pOH


Kw, pH, pOH. Você já se deparou com essas siglas? Sabe o que elas significam? Se não, esse artigo é para você. Primeiramente:

    • Kw – é a constante que representa o equilíbrio iônico da água.
    • pH – é o potencial hidrogeniônico, ou seja, a escala que mede o grau de acidez, neutralidade e alcalinidade de uma solução.
    • pOH – é o potencial Hidroxiliônico, ou seja, refere-se aos íons OH-.

Kw, pH e pOH
Agora vamos conhecer com mais clareza cada um desses elementos:

Kw

Foi o cientista Friedrich Kohlrausch quem propôs pela primeira vez que a água pura é condutora de eletricidade, mesmo que em pequenas escalas. A água tem comportamento anfótero, ou seja, ela age como ácido doando prótons H- em determinados caso e em outros ela age como base ao receber prótons. A água faz sua própria ionização. Isso acontece em baixa escala, logo a água tem valores baixos de grau de ionização e de constante de ionização no equilíbrio (Kc).

Dessa maneira, tal constante de ionização é chamada de constante de dissociação da água, representada pelo Kw. O cálculo da constante de equilíbrio é feita da mesma maneira que as outras constantes, em que constam apenas soluções aquosas e gasosas como no exemplo:

Kw = [H3O+] . [OH-]

O Kw só modifica a temperatura. Conforme a temperatura da água aumenta a ionização também. A auto ionização é um processo endotérmico, afinal absorve calor.

pH e pOH

Conforme o que o dinamarquês Sorensen propôs em 1909, o p significa o operador de potência, originando o potencial hidrogeniônico e o potencial hidroxiliônico. Quando um elemento é neutro, como é o caso da água o pOH e pH são iguais a 7. A variação dos elementos é de 0 a 14 e pode ser medido por um aparelho chamado pHmetro.

As soluções podem ser ácidas, básicas ou neutras:

• Soluções ácidas: nelas a concentração de íons H+ é maior que de OH- e os valores do pH são inferiores a 7, a 25° C. Quanto mais ácida a solução, menor o pH.

Por exemplo, o suco gástrico, o suco de limão, refrigerantes, maçã, vinho, laranja, tomate, banana, cerveja, pão, batata, soro fisiológico, urina, água da chuva. Todos esses são compostos ácidos em maior ou menor medida.

• Soluções básicas: nesse caso a concentração de OH – é maior que a de H+. Por isso os valores do pH são maiores do que sete e chegam até 14.

Por exemplo: água do mar, ovos, saliva, sangue, esperma, tintura de cabelo, água de cal, solução e sabão e água, produto para limpeza de forno, leite de magnésia, amoníaco. Todas essas substâncias são básicas em maior ou menor medida.

No caso do sangue, por exemplo, se o pH dele estiver diminuindo quer dizer que a pessoa está com alguma doença. A manutenção do equilíbrio do pH evita problemas posteriores, por isso é interessante evitar alimentos com pH muito baixo e consumir alimentos mais alcalinos como frutas e vegetais.

O pH e o pOH coexistem e, por mais ácida que seja a solução, sempre haverá íons OH-. Em soluções básicas também existem íons H+. Elas jamais irão anular uma a outra.

Em relação à diferença entre pH e pOH ocorre da seguinte forma. Quanto menor o número de pH, mais ácida se torna a solução. Já quando o pOH, quanto mais alto o valor, mais ácida a solução se torna.

O inverso também é verdadeiro. Quanto maior o pH ou menor o pOH, mais alcalina é a solução.

Indicadores ácido-base

Há formas naturais para se descobrir se uma solução é ácida ou básica. Isso surgiu de uma necessidade muito antiga das pessoas saberem se os compostos presentes na natureza eram ácidos ou básicos assim como o nível de alcalinidade e acidez.

É usada, portanto, uma escala para identificar o grau e pH dos elementos. Por exemplo, o ácido da bateria tem acidez menor que 1. Já o suco gástrico, suco de limão e cola (refrigerante) tem grau de acidez entre 2 e 3. Cerveja, café e chá ficam entre 4 e 5. Leite tem acidez de 6,5. A água é neutra, portanto em pH 7.

Indo para os elementos básicos a saliva humana e o sangue ficam entre 6 e 7,5. A água do mar tem alcalinidade 8, Sabonete possui entre 90 e 10. Amônia 11,5, Cloro 12,5 e hidróxido de sódio 13,5.

Por meio do peagômetro é possível descobrir o Ph, em seguida o uso de corantes se tornou comum para identificar mais facilmente a acidez ou alcalinidade. Em laboratórios são usados papeis tornassol que ficam azul com bases, vermelho com ácidos.

Outros exemplos são:

Fenolftaleína – ácido (incolor), base (vermelho).

Alaranjado de metila – ácido (vermelho), base (alaranjado).

Azul de bromotimol – ácido (amarelo), base (azul).

Dessa maneira é bastante fácil e rápido descobrir o pH das soluções.