Lei de Lavoisier


Biografia

Antoine Laurent de Lavoisier foi um importantíssimo químico nascido na capital da França, Paris, em 26 de agosto de 1743, em pleno século das luzes, século esse marcado por um enorme avanço científico e fatos históricos como a revolução francesa e a revolução industrial. Lavoisier, como muitos dos químicos, físicos, matemáticos, filósofos e astrônomos da era iluminista, teve um grande destaque devido às suas pesquisas científicas altamente relevantes e complexas para a época, muitas inclusive estudadas até os dias de hoje.

Lei de Lavoisier

Lavoisier veio de uma família francesa rica e influente, perdeu sua mãe muito cedo, aos cinco anos de idade, herdando assim uma enorme fortuna e tendo sido criado por seu pai, que era um abonado advogado, e sua tia. Estudou no Collège Mazarin (ou Collège des Quatre-Nations) por vontade de seus tutores, que o enviaram a essa instituição para que seguisse os caminhos de seu progenitor e estudasse Direito, porém sempre se destacou mais nas áreas referentes à ciência.

Foi aluno do liceu por 7 anos de sua vida, de 1754 a 1761, época em que se dedicou ao estudo de disciplinas como astronomia, botânica, matemática e química, sendo essa última a que daria glória a seu nome até os dias de hoje. Mesmo dedicando-se às investigações científicas, Lavoisier acabou por seguir os passos do pai e começou a exercer a profissão de advogado no ano de 1764. Aos 22 anos de idade, Antoine já se mostrava uma mente brilhante no campo das pesquisas, desenvolvendo um projeto de iluminação destinado às ruas da capital francesa, ganhando uma medalha de ouro da Academia de Ciências de França por esse projeto e sendo eleito um membro oficial da academia real francesa com apenas ¼ de século de vida.

Com sua jovialidade de 25 anos, recém-inserido na academia parisiense e esbanjando vitalidade e novas ideias, Antoine Laurent de Lavoisier nesse período da vida optou por investir na compra de ações da Femme Générale, associando-se dessa forma à essa instituição que tinha por objetivo arrancar impostos da população usando o nome da coroa francesa como álibi. O jovem químico acabou por filiar-se com o intuito de conseguir financiamento para suas pesquisas.

Um ano depois, ao completar 26 anos de idade, Lavoisier conheceu Marie Anne Pierrette Paulze, nascida no ano de 1758 e falecida em 1836. Marie Anne era filha de um dos principais sócios da instituição que Antoine havia comprado ações um ano antes, a Femme Générale. Lavoisier e Anne possuíam uma grande diferença de idade e se casaram em 16 de dezembro de 1771, quando ela tinha apenas 13 anos, enquanto ele tinha 29, mais que o dobro de sua trajetória de vida. Anne, que procurava desempenhar o papel de esposa dedicada que era imposto pela sociedade patriarcal da época, ajudava Lavoisier em suas pesquisas, montava as aparelhagens usadas em seus experimentos, traduzia seus trabalhos filosóficos e científicos, assim como outras obras de importante caráter para suas especulações que ainda não haviam sido transpassadas para o francês, além de ilustrar muitos dos experimentos de seu marido.

Antoine Laurent de Lavoisier morreu em 8 de maio de 1794, pouco antes de completar 51 anos. Sua morte se deu devido a uma lei instituída em 17 de setembro de 1793, chamada de Lei dos Suspeitos, que tinha por objetivo investigar e consequentemente punir com pena de morte possíveis traidores da coroa francesa. Lavoisier foi condenado à guilhotina devido à sua antiga ligação com a Femme Générale.

Lavoisier e sua contribuição para a ciência

Antoine Laurent de Lavoisier é popularmente conhecido por ser considerado o “fundador da química moderna”, tendo criado diversas teorias em uma época que o estudo da química encontrava-se numa mutação constante e rápido avanço e, devido a essas grandes e frenéticas mudanças, a nomenclatura das descobertas acabava sendo deixada de lado. Foi Lavoisier quem chamou a atenção para esse detalhe com o intuito de facilitar as pesquisas e potencializar a memória dos cientistas, sendo uma grande influência na reforma da nomenclatura química.

Lavoisier é lembrado por sua famosa frase de impacto que define muito de seu trabalho: “na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”.

Foi Lavoisier o responsável por batizar e identificar o gás oxigênio (que em grego significa “produtor de ácidos”), tão conhecido por nós. É importante ressaltar que o químico não foi o responsável por descobrir esse gás e sim refazer experiências, compreendendo melhor suas características e confirmando dados como o fato de que a calcinação e a combustão são referentes à combinação de outros metais e materiais orgânicos somados ao oxigênio.

A Lei de Lavoisier ou Lei de Conservação das Massas refere-se à constância da matéria durante um determinado experimento de transformação, seja física ou química. Essa lei geralmente é aplicada a sistemas fechados, ou seja, quando não existe interposição do meio externo, concluindo que quando uma reação química é finalizada, a massa total inicial dos reagentes é idêntica à massa total final dos produtos, sendo esse o motivo da inferência citada no início do tópico, que “na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”. Entretanto, ao se tratar de sistemas abertos essa lei pode apresentar uma possível falha, visto que uma barra de ferro exposta à umidade durante um período considerável de tempo pode apresentar corrosão de sua massa criando depósitos de ferrugem.