Modelo Atômico: Leucipo e Demócrito


Nos dias de hoje, o estudo sobre os átomos parece ser algo bastante corriqueiro e, ao mesmo tempo, com ares de modernidade! O que nem todos sabem é que esse tipo de estudo não tem absolutamente nada de recente, visto que começou há mais de 2000 anos, na Grécia antiga, com Leucipo e Demócrito.

A Grécia é reconhecida por ter sido o berço de grandes pensadores e filósofos, que se dedicaram a fazer questionamentos e descobertas em prol da humanidade, com os recursos escassos que tinham em tempos tão remotos. Assim, contribuíram para a matemática, filosofia, física e, é claro, para a química também.

Leucipo e Demócrito

Modelo atômico de Leucipo e Demócrito

O primeiro modelo atômico de que se tem notícias é o de Leucipo e Demócrito. Ou seja, eles foram os primeiros que se propuseram a pensar na estrutura da matéria e a tirar conclusões a respeito disso.

É importante ter em mente que, na época em que Leucipo e Demócrito viveram e desenvolveram seu modelo atômico, não podiam contar com os auxílios que os pesquisadores têm hoje. Não havia tecnologia e nem dados, já que o assunto nunca tinha sido abordado antes, de modo que os dois puderam recorrer praticamente apenas à observação.

Antes de falar sobre a descoberta do átomo, vamos saber mais sobre quem foram esses dois filósofos.

• Leucipo

Viveu durante o século V a.C. e ficou conhecido como o filósofo atomista da Grécia Antiga, justamente por uma de suas descobertas mais importantes. Também é considerado misterioso, já que ninguém tem informações exatas sobre o ano em que nasceu, quando morreu e onde viveu. Não se sabe nem ao certo onde foi que ele nasceu, mas o mais provável é que tenha sido em Mileto.

Leucipo se dedicou essencialmente à chamada filosofia natural, para compreender melhor como ocorria a composição dos elementos. Foi assim que desenvolveu a sua teoria a respeito do átomo.

Embora não se saiba muito sobre ele, escritos deixados por outras pessoas, especialmente Diógenes Laércio, dão conta de que ele havia viajado muito, conhecido povos e culturas, o que contribuiu para que tivesse um amplo conhecimento sobre vários assuntos.

Foi ele quem realmente construiu o modelo atômico.

• Demócrito

Viveu de 460 até 360 a.C. e não são conhecidos mais do que 200 manuscritos com as suas ideias. Apesar de não ser muito numeroso, seu trabalho é muito rico, abrangendo meteorologia, história, linguística e outros ramos. Viajava muito para aprofundar seus conhecimentos e os destinos favoritos eram o Egito, a Pérsia, Índia e Etiópia.

Muitas vezes, Demócrito recebe o crédito pela criação do primeiro modelo atômico praticamente sozinho, mas não foi isso que aconteceu. Ele era um dos mais fiéis discípulos de Leucipo, desenvolvendo e detalhando a teoria criada por seu tutor.

Demócrito acreditava que tudo aquilo que existia no universo era composto por dois elementos: “o átomo e o vazio”, complementando ainda dizendo que o vazio era o espaço no qual os átomos podiam se movimentar.

A teoria atômica, para Demócrito, servia também para explicar a origem de tudo: os átomos, antes dispersos, haviam se unido, para compor toda a matéria.

Modelo atômico de Leucipo e Demócrito

Para entender o modelo, vamos analisar o significado da palavra “átomo”, que foi escolhida justamente pelos filósofos gregos e permanece sendo utilizada até hoje:

Átomo significa algo que não pode ser dividido e era justamente nisso que consistia o modelo atômico de Leucipo e Demócrito: o átomo era colocado como a menor partícula da matéria e, por conta disso, não podia ser dividido. Era como se você pegasse qualquer objeto e começasse a reparti-lo em pedaços cada vez menores, até que chegasse um momento em que não pudesse mais ser dividido. Isso era o átomo dos gregos.

De acordo com Leucipo e Demócrito, os átomos eram as partículas elementares de qualquer matéria, mas que poderiam ter formatos e tamanhos distintos. Isso explicaria a imensa diversidade de substâncias que existem.

Eles pensavam ainda que cada substância teria um tipo específico de átomo, que daria a ela a forma que possuía. Por exemplo: a água deveria ser formada por um conjunto de átomos redondos, para que pudesse escoar, permanecer no estado líquido.

Uma analogia que facilita o entendimento sobre esse modelo atômico é pensar na matéria como um quebra-cabeça, em que cada uma das peças corresponderia a um átomo.

Por fim, Leucipo e Demócrito ainda que acreditavam que o átomo era eterno, não havendo nada que o pudesse destruir.

Toda essa teoria já está ultrapassada, no entanto, foi de fundamental importância. O modelo atômico de Leucipo e Demócrito lançou as bases para que outros cientistas pudessem repensar sobre o assunto e renovar aquele modelo, de acordo com as ideias e recursos da sua época.

Dalton, no século XIX, foi o primeiro a retomar o átomo da Grécia Antiga.