Origem dos Nomes e dos Símbolos dos Elementos


Estudar Química é sempre muito interessante para quem gosta de nomes incomuns. São diversas combinações, reações, elementos, fórmulas com os mais variados títulos que sempre instigam os estudiosos para descobrir suas origens. Apesar de nem todos os mistérios já serem descobertos, é sempre importante conhecer mais sobre os conteúdos relacionados à Química.

A tabela periódica, por exemplo, está presente em quase todas as disciplinas desta área de estudo. Isso porque ela reúne todos os elementos químicos que são conhecidos e organiza-os de acordo com as famílias, características e outras questões relacionadas. Os elementos da tabela possuem nomes e símbolos, que, normalmente, têm origem de quem os descobriu.

Símbolos dos Elementos

Histórico da tabela periódica

A história da tabela periódica teve início em 1829, quando Johann Wolfgang Döbereiner reuniu alguns elementos que eram semelhantes em grupos de três. Cada uma destas divisões era chamada, pelo químico, de tríade. A relação entre os elementos de uma mesma tríade funcionava da seguinte forma: a média aritmética das massas atômicas de dois elementos representava, aproximadamente, a massa atômica de um terceiro elemento.

Um exemplo claro está na formação tríade entre Lítio (Li), Sódio (Na) e Potássio (K), sendo u a massa atômica:
Li: 7u
Na: 23u
K: 39u

A primeira alteração nesta organização ocorreu em 1863, quando Chancourtois colocou os elementos, ordenados de forma crescente pelas suas massas atômicas, em uma espiral desenhada nas paredes de um cilindro. Esta classificação ficou conhecida como parafuso telúrico.

A tabela periódica passou por diversas reformulações até se tornar o que é hoje, sendo que diversos químicos contribuíram com sua história.

Algumas origens

Ouro (Au): aurun, que significa “amarelo” em latim
Prata (Ag): argentum, que significa “brilhante” em latim
Carbono (C): carbon, que significa “carvão” em latim
Estanho (Sn): stanun, que significa “fácil de fundir” em latim
Mercúrio (Hg): deus grego conhecido por sua rapidez, astúcia e exercícios ginásticos
Hidrogênio (H): hydros-gen, que significa “gerador de água” em grego
Oxigênio (O): oksys-gen, que significa “gerador de ácidos” em grego
Nitrogênio (N): nitron-gen, que significa “gerador de salitre” em grego
Bromo (Br): bromos, que significa “mau cheiro” em grego
Argônio (Ar): a-ergon, que significa “não reage” em grego
Cloro (Cl): khloros, que significa “amarelo-esverdeado” em grego
Iodo (I): iodes, que significa “violeta” em grego
Irídio (Ir): Íris, deusa mensagem grega que chegava a Terra através do arco-íris, com representação de várias cores
Ródio (Rh): rhodon, que significa “rosa” em grego
Cromo (Cr): khroma, que significa “cor” em grego, fazendo uma alusão às diversas cores dos compostos do metal
Hélio (He): “sol”, de origem celeste
Telúrio (Te): “terra”, de origem celeste
Selênio (Se): “lua”, de origem celeste
Urânio (U): deriva do planeta Urano, que foi descoberto alguns antes do elemento químico
Netúnio (Np): em alusão ao planeta Netuno
Plutônio (Pu): em alusão ao planeta Plutão
Cério (Ce): deriva de Ceres, primeiro asteroide descoberto, alguns anos antes do elemento, e também era a deusa romana da colheita e do milho
Promécio (Pm): deriva de Prometeu, figura da mitologia grega
Vanádio (V): deriva de Variadis, deusa da beleza de origem escandinava
Titânio (Ti): deriva dos Titãs, os primeiros a serem reconhecidos filhos da Terra
Nióbio (Nb): deriva de Níobe, personagem da mitologia grega
Tântalo (Ta): deriva de Tântalo, personagem da mitologia grega
Tório (Th): deriva de Thor, deus da guerra de origem escandinava
Cobalto (Co): deriva de Kobold, espírito germânico demoníaco que afirmavam estar presente quando a mineração do cobre não gerava muitos lucros
Níquel (Ni): vem de Nickel, que significa “diabo” em alemão
Amerício (Am): uma homenagem à América
Califórnio (Cf): uma homenagem à Califórnia
Germânio (Ge): uma homenagem à Alemanha
Einstênio (Es): uma homenagem a Albert Einstein
Mendelévio (Md): uma homenagem a Dmitri Mendeleev
Ítrio (Y): encontrado em uma mina na vila sueca de Ytterby e, por isso, é uma variação desta palavra
Térbio (Tb): encontrado em uma mina na vila sueca de Ytterby e, por isso, é uma variação desta palavra
Érbio (Er): encontrado em uma mina na vila sueca de Ytterby e, por isso, é uma variação desta palavra
Itérbio (Yb): encontrado em uma mina na vila sueca de Ytterby e, por isso, é uma variação desta palavra
Manganês (Mn): por ser semelhante à magnetita, gerou confusão e levou este nome por engano, que deriva do pastor grego Magnes, que descobriu a magnetita.
Índio (In): quando colocado em chamas, parece a luz índigo, cor que fica no meio termo entre azul e violeta.
Antimônio (Sb): significa “não está sozinho” em grego
Túlio (Tm): uma homenagem à ilha europeia Thule, que aparece em diferentes localizações dependendo da época do ano.
Ununhéxio (Uuh): deriva do número 116, já que cada algarismo de seu número atômico representa uma sílaba de seu nome: 1 é igual a “un” e 6 equivale a “héxio”.