Óxido Nítrico


O óxido Nítrico consiste em um radical de caráter inorgânico, livre, incolor e gasoso. Além disso, ele é também um dos responsáveis por constituir os mediadores dos processos tanto intracelulares quanto extracelulares de maior importância para o nosso organismo.

O óxido nítrico conta também com altas quantidades de lipofílico, sendo ele sintetizado tanto pelos macrófagos, endoteliais e também por alguns de nossos neurônios. Esse tipo de radical pode também ser produzido por alguns seres celulares e inclui células nervosas, epiteliais, infamatórias e endoteliais.

Nítrico

Por mais importante que ele sempre tenha isso, os estudos se voltaram para o óxido nítrico só a partir de 1980, quando dois cientistas ingleses, Richard Palmer e Salvador Moncada decidiram pesquisar mais especificadamente sobre o relaxamento dos nossos grupos musculares. O interesse era voltado principalmente para os músculos localizados nas paredes de nossas artérias que, por sua vez, são um tanto quanto responsáveis por controlar a pressão em nosso sangue.

E foi uma surpresa para ambos a descoberta de que a substância que o nosso corpo produz para garantir o relaxamento muscular – por meio das células endoteliais – é o óxido nítrico. O gás, tão simples e representado pela fórmula NO, antes disso era mais conhecido pela poluição causada à atmosfera, juntamente com outros gases como o NO2 e o N20.

Na própria natureza, há a possibilidade de formação do óxido nítrico nas temperaturas mais altas, quando oxigênio e nitrogênio se juntam na atmosfera. Nos laboratórios, a forma mais fácil de obtê-lo é por meio da reação provocada entre a junção do próprio com as raspas de algum cobre metálico.

Esse tipo de gás é totalmente incolor e a sua reação é instantânea quando ele entra em contato com o oxigênio no ar, formando o NO2. Este, por sua vez, é um dos maiores responsáveis pela formação das chuvas ácidas. Dessa forma, a sua produção também pode ser feita de maneira natural por meio dos relâmpagos, capazes de liberar tal óxido na atmosfera. Depois, ele entra em contato com o ar normal e se transforma em óxido nítrico, causando, então, o que chamamos de tempestades ácidas.

O óxido nítrico no corpo humano

Mas, no corpo humano, o óxido nítrico possui uma atuação bem positiva, sendo ele utilizado principalmente como uma molécula mensageira. Como essa substância é extremamente pequena, ela consegue facilmente se movimentar do endotélio, chegando até as células presentes em nossos músculos. A molécula, então, se estabiliza em nosso organismo, reagindo só em alguns tipos de situações.

Em nosso corpo, ele consegue permitir o relaxamento de nossos músculos lisos na parede das artérias por meio da dilatação.
Primeiro, ele aumenta o nosso fluxo de sangue e, depois, diminui os níveis da pressão das artérias. As células do nosso sistema de imunidade, chamadas de macrófagos, são também atuantes na produção do óxido nítrico no organismo, que tem como principal intuito o combate às bactérias.

Além disso, o óxido nítrico também conta com funções neurotransmissoras, a medida de que trabalham em nossas células nervosas para auxiliar no trabalho de células adjacentes.

Óxido nítrico e atividades físicas: quão estreita é essa relação?

Muitas são também as pesquisas na área que confirmam o já esperado: a possibilidade do óxido nítrico de aumentar o nosso fluxo sanguíneo, trazendo benefícios para os indivíduos que praticam tanto atividades físicas regulares e aeróbicas, como também os exercícios de resistência, caso da musculação.

O aumento do fluxo de sangue é fundamental para fornecer aos nossos músculos um número maior de nutrientes e isso possibilita um crescimento saudável e mais rápido para aqueles que se dedicam na realização de tais atividades.

Por isso, muitos são os suplementos alimentares desenvolvidos nos dias de hoje com base no óxido nítrico, ou seja, com grandes quantidades desse gás presentes. Sendo assim, as academias foram verdadeiramente revolucionadas após a descoberta da atuação desse radical no organismo dos principais grupos musculares do ser humano.

Antes de tal descoberta, a liberação gradativa do óxido nítrico em nosso organismo, capaz tanto de gerar como também de manter os seus níveis adequados no organismo, era algo praticamente impossível.

Para explicar isso, é simples: o pH de nosso organismo é praticamente automatizado para dissolver qualquer tipo de agente que possa auxiliar na geração de óxido nítrico em nosso corpo. Porém, dada a possibilidade de controlar o pH por meio dos mais modernos processos de gestão, que são facilmente encontrados nos suplementos alimentares hoje em dia, o organismo é capaz não só de aceitar esses agentes, como também de liberar o óxido nítrico a medida do necessário.

E melhor: tudo isso considerando os números adequados desse gás para manter a nossa saúde. No que se refere à aceitação do óxido em nosso corpo, é necessário destacar que ele se concentra em um alto nível, suficiente para manter nossos músculos saudáveis e bem desenvolvidos. E esse é o motivo pelo qual os suplementos com óxido nítrico são vendidos em grande escala, principalmente no Brasil.