Pilhas e baterias primárias e secundárias


As pilhas e baterias fazem parte das nossas vidas há anos. Por causa da existência delas podemos continuar conectados, entretidos e informados em qualquer lugar e cada vez mais, por mais tempo. Aqui você vai aprender um pouco sobre as pilhas e baterias primárias e secundárias. O que são, quais as principais diferenças delas e do que são feitas.

Pilhas e Baterias Primárias e Secundárias

As pilhas foram inventadas de maneira acidental, você acredita? No ano de 1786, um anatomista chamado Luigi Galvani estava dissecando uma rã em sua mesa próximo a um aparelho eletrostático. Por um acaso, um de seus assistentes tocou acidentalmente nas pernas da rã com o bisturi e na máquina ao mesmo tempo. Luigi, então, observou que, nesse momento, houve contrações nos músculos do animal morto. Galvani chegou a acreditar, que a eletricidade vinha do animal e que os metais estariam somente conduzindo essa energia. Ele estava errado e foi o físico Alessandro Volta que comprovou em outros experimentos. No ano de 1800, Volta criou sua primeira pilha, chamada de pilha de Volta. Essa criação causou uma verdadeira revolução e o mundo passou a ser diferente por causa dele.

Pilhas e baterias

A gente nem para para pensar, mas as pilhas e baterias estão em todos os lugares. Elas são as responsáveis por ajudar na nossa comunicação diária de forma móvel. Nos mantém conectados em celulares, notebooks. Isso sem falar do radinho de pilha colado ao ouvido nos dias de jogo, ou no relógio que está no seu pulso. Elas estão na balança que você sobe no banheiro para saber se está em forma, no controle remoto da sua TV. Sem elas, nossa vida seria bem mais chata e também bem mais difícil. Mas elas não são todas iguais. E a diferença não está somente na duração de energia.

Primeiro a gente precisa saber as diferenças que existem entre pilhas e baterias, depois entre pilhas primárias e secundárias. Tudo, na verdade, diz respeito à como elas são montadas e qual o componente utilizado para que a energia seja gerada. As pilhas são feitas por um eletrólito e dois eletrodos (pólo negativo e pólo positivo), enquanto as baterias são feitas de diversas pilhas conectadas em série ou em paralelo. Ambas têm potencial para transformar em energia elétrica a energia química gerada em seu interior.

Pilhas e Baterias Primárias e Secundárias

Agora que já sabemos um pouco sobre pilhas e baterias, podemos finalmente chegar ao ponto principal deste artigo, que é tratar sobre as características das pilhas e baterias do tipo primárias e secundárias.

As pilhas e baterias do tipo primárias são as pilhas mais comuns que a gente vê por aí todo o tempo. Elas são as pilhas chamadas de secas de Leclanché, ou somente de pilhas comuns ou pilhas ácidas, as pilhas alcalinas e também as de lítio ou dióxido de manganês.

A principal característica das pilhas e baterias primárias é que elas não podem ser recarregadas. Ou seja, uma vez que a reação química de oxirredução ocorre dentro delas, precisam ser descartadas em local apropriado. Cada tipo de pilha primária também se difere entre si, de acordo com o elemento químico utilizado.

As pilhas comuns são formadas por um invólucro feito de zinco, separado por um papel bastante poroso e uma barra central de grafite envolta em carvão em pó, dióxido de manganês e uma pasta mais úmida que contém cloreto de zinco, de amônio e água. As pilhas do tipo alcalinas são muito parecidas, a única diferença entre elas é que ao invés do cloreto de amônio, usa-se hidróxido de sódio ou hidróxido de potássio. As pilhas do tipo alcalinas possuem uma durabilidade maior se comparadas com as pilhas comuns e ainda oferecem riscos bem menores de vazamentos. Temos, ainda, as pilhas de lítio, que são encontradas no formato de uma moeda. Por serem bastante compactas são muito usadas em calculadoras e relógios de pulso. Elas são compostas por lítio e dióxido de manganês.

Já as pilhas e baterias secundárias, são todas aquelas que podem ser recarregadas novamente, como, por exemplo, as baterias dos automóveis, que são feitas de chumbo e/ou ácido e as baterias de íon de lítio, usadas largamente nos nossos aparelhos celulares. As baterias de chumbo são feitas com diversas placas de chumbo intercaladas com ácido sulfúrico. Já as baterias de íon de lítio usadas nos celulares são atualmente as mais modernas e são compostas por lítio e grafite.

Este tipo de bateria pode ser recarregado porque a ação química que ocorre dentro delas é reversível e pode ser feita novamente quando ligada. Elas representam um avanço tecnológico e poluem menos, por serem reutilizáveis.

De qualquer forma, tanto pilhas e baterias primárias e secundárias devem ser descartadas de forma correta, somente em locais preparados para recebê-las. Se descartadas de forma inconsciente, podem poluir o meio ambiente e causar danos irreversíveis para o solo e para a água.