Principais Tipos de Polímeros


Os polímeros, que estão presentes no cotidiano do homem há muito tempo, são macromoléculas formadas pela união de várias moléculas menores, iguais ou dife­rentes, denominadas monômeros. Os polímeros podem ser classificados como polímeros de adição, copolímeros e polímeros de condensação. Essa classificação de­pende do tipo de molécula que os compõem e da reação necessária para a ocorrência da polimerização.

Polímeros

Tipos de polímeros

Polímeros de adição

Os polímeros de adição são formados por monôme­ros que apresentam ligação TC em sua estrutura. Quando os monômeros são aquecidos ou expostos à luz na pre­sença do catalisador certo, ocorre a quebra dessas liga­ções e os monômeros se adicionam, produzindo molécu­las maiores (macromoléculas) chamadas de polímeros.

No polímero o símbolo n pode chegar a 100 000 ou mais unidades monoméricas. Polímero de adição de monômeros de etileno (eteno), utilizado na produção de plásticos para sacos, cane­tas, recipientes de alimentos e outros.
nCH2 = CH2
etileno (monômero)
catalisador
-> -4 CH, – CH,-H
polietileno (polímero)
pressão e temperatura elevadas

Cloreto de polivinila (PVC)

Polímero de adição de monômeros de cloreto de vinila usado na fabricação de materiais como toalhas de mesa, cortinas para box, tubos e conexões de encana­mentos etc.
catalisador
nCH2 = CH2
pressão e temperatura elevadas
Cf – cloreto de polivinila
ce – cloreto de vinila

Politetrafluoretileno (teflon)

Material antiaderente formado pela polimerização de adição de moléculas de tetrafluoretileno, utilizado para recobrir ou revestir panelas; também é utilizado como fita para vedar roscas de encanamento.

Borracha natural (poliisopreno)

Derivada da reação de adição de moléculas do 2-metil-l,3-butadieno (isopreno), tem a desvantagem de ser pegajo­sa a temperaturas altas e quebradiça em temperaturas baixas. Para ser mais bem aplicada, a borracha natural passa pelo processo de vulcanização, que consiste em aquecê-la com enxofre a 7%. Esse processo confere à borracha natural maior resistência à abrasão e à variação de temperatura.

Poliestireno

Polímero derivado do vinil benzeno, utilizado na confecção de roupas e, quando expandido, resulta no isopor.

Poliacrilonitrila (orlon)

Polímero derivado do cianeto de vinila, utilizado na produção de jaquetas, mantas e cobertores.

Copolímeros

Os copolímeros também sofrem reações de adição entre seus monômeros, porém os monômeros são compostos orgânicos diferentes. A + A + A+… + A+B + B + B + … + B->-A-B-A-B-A-B-… -A-B-

Borracha sintética (buna-N)

A buna-N ou perbunan é formada pela polimerização sequencial dos monômeros cianeto de vinila (acrilonitrila) e 1,3-butadieno (eritreno).

xCH2 = CH + yCH2 = CH — CH = CH2—————————–>    -(f CH2 — CH — CH2)^( CH = CH – CH2 U
1,3-butadieno

Polímeros de condensação C

São formados pela polimerização sequencial de monômeros iguais ou diferentes, cujo subproduto da reação é a formação de água ou de um ácido. Esses polímeros têm normalmente boa resistência à tração, à abrasão e por vezes ao calor.

nA + nB ———- *• -f A — B -)~n + água ou ácido

Poliéster (dracon ou terilene)

Formado pela condensação de ácido tereftálico com etilenoglicol – é utilizado na produção de tecidos, varas de pesca, garrafas de refrigerantes etc.

Baquelite (polifenol)

Obtido pela condensação entre aldeído fórmico e fenol é utilizado na produção de peças isolantes de eletricidade, tomadas, plugues e outros objetos domésticos.

Náilon (poliamida)

Produzido pela condensação de ácido adípico e hexametilenodiamina e resistente ao calor e à tração, é usado na fabricação de tecidos, linhas de pesca, engrenagens etc.

Kevlar (poliaramida)

Obtido pela condensação do ácido p-benzenodióico (ácido tereftálico) e p-benzenodiamina – é resistente ao impac­to, ao ataque químico e ao fogo. Coletes à prova de bala, peças de avião, roupas de bombeiro e de piloto de corrida são feitos de kevlar.