Propriedades, Fórmula, Classificação e Nomenclatura dos Sais


Neste artigo sobre a tabela periódica, também conhecida como classificação periódica dos elementos, você vai aprender mais sobre este assunto e também algumas curiosidades a respeito deste instrumento tão importante para a ciência.

História da Tabela Periódica

A tabela periódica nasceu do desejo de químicos do mundo todo, para que fosse possível visualizar de forma mais fácil e organizada todos os elementos conhecidos de acordo com suas características.

No ano de 1789, o cientista francês Antoine Lavosier deu o primeiro passo e publicou uma lista com 33 diferentes elementos e os agrupou de acordo em substâncias simples, terrosas, salificáveis, metais ou não metais. O tempo passou, mas os cientistas ainda não estavam satisfeitos e desejam algo ainda mais elaborado. Foi então que, no ano de 1829, outro cientista chamado Johann Wolfgang Döbereiner verificou que os elementos poderiam ser separados em tríades de acordo com as propriedades químicas de cada elemento. Ele percebeu ainda que, quando ele os organizava de acordo com seu peso atômico, havia muitas semelhanças entre as tríades. Esta análise é estudada até hoje na química e é chamada de Lei das Tríades.

Nomenclatura dos Sais

Depois disso, outros cientistas de diversas partes do mundo continuavam tentando encontrar uma forma ainda melhor de estudar os elementos e diversos nomes poderiam ser citados, cada um com uma técnica e descoberta diferente. Em 1869 e 1870 dois cientistas publicaram de forma totalmente independente um do outro, trabalhos que falavam sobre a classificação dos elementos de forma muito parecida, os separando em linhas e colunas. Estes cientistas eram Julius Lothar Meyer e Dmitri Ivanovich Mendeleiev.
Mas finalmente, no ano de 1913, um físico inglês chamado Henry G. J. Moseley publicou um trabalho no qual falava sobre os elementos e experimentos realizados com a tabela publicada por Mendeleiev. Chegou-se muito perto da tabela periódica e da classificação dos elementos como a conhecemos atualmente.

A atualização mais recente da última versão da tabela periódica de Mendeleiev, esta como estudamos hoje em escolas do mundo todo, foi feita no ano de 1939. Ou seja, ela é considerada como bastante sólida e correta desde então. Alguns termos mudaram com o passar dos tempos como, por exemplo, os que hoje são chamados de grupos já foram chamados de famílias, mas os elementos permanecem iguais.

Como é feita a classificação periódica dos elementos

Mas, afinal, o que é a tabela periódica? A tabela periódica é a disposição de forma sistemática dos elementos em forma de tabela de acordo com as propriedades de cada um. A disposição dos elementos nesta forma possibilita um entendimento muito rápido e uma comparação entre eles de forma muito mais clara. É possível, por exemplo, prever o comportamento de moléculas ou átomos e entender, também, porque alguns tipos de átomos são muito reativos enquanto outros apresentam comportamentos quase que inertes.
A estrutura da tabela periódica é composta de 18 grupos, como são chamadas as colunas e 7 períodos, que é como são chamadas as linhas, de acordo com a ordem crescente dos números atômicos.

Os períodos funcionam da seguinte forma:

Todos os elementos de um mesmo período apresentam o mesmo número de camadas eletrônicas. Estas camadas correspondem ao número do período, ou linha, onde se encontram. Os elementos conhecidos que existem na tabela até o cobre têm, respectivamente, 7 períodos que recebem a nomenclatura de acordo com a sequência de letras K-Q ou ainda de acordo com o número quântico principal – n.
Os grupos, que também podem ser chamados de famílias, possuem exatamente o mesmo número de elétrons na camada de valência, que é como a camada mais externa é chamada. Ou seja, todos os elementos que estão no mesmo grupo possuem comportamento parecido.
Na tabela periódica, os elementos químicos também podem ser separados em conjuntos ou séries químicas sempre de acordo com a configuração eletrônica. As séries químicas são:

* Elementos representativos – que pertencem aos grupos 1, 2 e 13 a 17.
* Elementos de transição ou metais de transição – que pertencem aos grupos 3 a 12.
* Elementos de transição interna – que pertencem às séries dos lantanídeos e actinídeos.
* Gases nobres – que pertencem ao grupo 18.

Além desta classificação que explicamos anteriormente, os elementos da tabela periódica podem ser classificados de acordo com as propriedades físicas de cada um deles, como veremos a seguir:

* Metais;
* Metaloides ou semimetais;
* Não metais ou ametais;
* Gases nobres;
* Hidrogênio.

Portanto, como vimos na classificação periódica dos elementos, o local exato onde cada elemento se encontra na tabela periódica não foi escolhido ao acaso. Cada item está colocado de forma exata de acordo com suas propriedades que podem ser o volume atômico, densidade atômica, potencial de ionização, eletronegatividade, afinidade eletrônica, raio eletrônico, entre outras características. Estudar a tabela periódica é conhecer todos os elementos que encontramos na natureza ou que podem ser produzidos em laboratório pelo homem.