Tipos de Propriedades Periódicas


Uma propriedade é dita periódica quando ocorre uma repetição de comportamento de tempos em tempos. Um exemplo clássico disso é a variação da temperatura du­rante o ano. No verão, sempre temos as maiores tempe­raturas. No inverno, sempre temos as menores tempera­turas. Na primavera e outono temos temperaturas inter­mediárias. Expressando isso em um gráfico de tempera­tura versus estações do ano, pode-se verificar uma repe­tição desse comportamento de ano em ano. Em Química, uma propriedade é dita periódica quando ocorre uma repetição de comportamento em função do número atômico.

Propriedades Periódicas

Raio atômico ou tamanho do átomo

O raio atômico é definido como a metade da distân­cia entre dois núcleos de átomos vizinhos. Ele depende do número de camadas internas, pois elas exercem uma blindagem na atração entre o núcleo (positivo) e o últi­mo elétron (negativo). Quanto maior o número de cama­das, maior é o raio atômico. Por causa disso, em uma mesma família, ele aumenta de cima para baixo. Para átomos que têm o mesmo número de camadas, o fator que altera o tamanho do átomo é a carga nuclear, ou seja, o número atômico. Quanto maior o número de prótons (carga nuclear), maior a atração entre o núcleo do átomo e o último elétron, o que faz com que o raio atômico fique menor. Por isso, em um mesmo período, o raio atômico aumenta da direita para a esquerda. O áto­mo de menor raio atômico é o hélio e o de maior raio atômico é o frâncio.

É a energia que o átomo, no estado gasoso, absorve para perder elétrons.

Essa energia é proporcional à força de atração entre o núcleo e o elétron. Como a força e o raio atômico são inversamente proporcionais entre si, quanto menor o raio maior a atração. Logo, em uma mesma família, a ener­gia de ionização aumenta de baixo para cima e, em um mesmo período, aumenta da esquerda para a direita. A maior energia para tirar o l? elétron é a do hélio, que tem o menor raio atômico (muita atração pelo último elé­tron). O frâncio é o átomo que tem o maior raio atômico (o último elétron é fracamente atraído pelo núcleo); por isso, ele apresenta a menor energia de ionização.

É interessante notar que a energia necessária para retirar o 2? elétron do átomo é maior que a energia ne­cessária para retirar o l? O motivo é que o 2? elétron está mais atraído pelo núcleo que o l? De modo genéri­co tem-se:
A+ + A+2 + A+3
A° + E, A+ + E2 A+2 + E

Eletronegatividade

É a força de atração sobre pares de elétrons compar­tilhados em uma ligação química. Como os gases nobres, que são naturalmente estáveis, não compartilham pares de elétrons, não apresentam valores de eletronegatividade. O átomo de flúor apresenta o maior valor e o átomo de frâncio o menor valor.

Atenção
O último potencial é o maior.

Eletroafinidade ou afinidade eletrônica

É a energia que o átomo, no estado gasoso, libera ao receber elétrons. Essa energia é proporcional à força de atração entre o núcleo e o elétron. Quanto maior a força de atração entre eles, maior a energia liberada, e vice-versa. Então, para uma mesma família, a eletroafinidade aumenta de cima para baixo e, num mesmo período, aumenta da es­querda para a direita. É importante notar que os gases no­bres não apresentam valores de eletroafinidade, pois apre­sentam a última camada completa. O maior valor de ele­troafinidade é o do cloro e o menor valor é o do frâncio. É importante conhecer a ordem de eletronegatividade para os principais não-metais: F>O>N>Cf>Br>I>S>C>P>H

Reatividade química

É a capacidade que o elemento tem de ocupar o lu­gar de outro em uma ligação química com um terceiro elemento. A reatividade química, nos períodos, aumenta do centro para os extremos, e nas famílias, de cima para baixo. Os gases nobres, por serem estáveis, ou seja, não efetuam, em âmbito natural, ligações químicas, não apre­sentam reatividade química.

Densidade ou massa específica

A densidade é a razão entre a massa e o volume de um determinado material. Em um mesmo período, a densidade aumenta dos extremos para o centro e, em uma mesma fa­mília, de cima para baixo. Os maiores valores apresenta­dos são do ósmio (Os), do irídio (Ir) e da platina (Pt).

Volume atômico

É o lugar ocupado no espaço por l mol de partículas do material. Em uma família, aumenta de cima para bai­xo. Em um período, aumenta do centro para os extremos.

Ponto de fusão e ebulição

Fusão é a passagem do estado sólido para o estado líquido. Ebulição é a passagem do estado líquido para o estado gasoso, à temperatura constante e com a forma­ção de bolhas do material no estado gasoso. Ponto é a temperatura medida à pressão de uma atmosfera (l atm). Em um mesmo período, os pontos de fusão e ebulição au­mentam dos extremos para o centro e, em uma mesma famí­lia, de cima para baixo. Para os metais alcalinos (família IA) e metais alcali-noterrosos (família 2A), esses pontos aumentam de bai­xo para cima.

Propriedades aperiódicas

São propriedades que não são relacionadas ao com­portamento do número atômico. Podem ser citadas a massa atômica e o calor específico.

Eletropositividade

A eletropositividade mede a capacidade que um áto­mo tem de perder elétrons e se transformar em um cátion. Em um mesmo período, ela aumenta da direita para a esquerda e aumenta de cima para baixo em uma mes­ma família.