Ununócio


Você já ouviu falar em ununócio? Para quem não é estudante da área de química, esse nome pode causar um certo estranhamento, mas trata-se do último elemento da tabela periódica atual, descoberto há poucos anos. Continue lendo abaixo e você verá como estudar química pode ser uma delícia quando a gente entende e se interessa pelo assunto.

Antes de começar a decorar a tabela periódica, vamos falar um pouco sobre o que é essa tabela e por que ela é tão importante para os estudos de química: criada em 1789 por Antoine Lavoisier, a princípio era uma simples lista composta inicialmente por 33 elementos químicos, classificados em 4 famílias: substâncias simples, substâncias metálicas, substâncias não metálicas e substâncias salificáveis ou terrosas. Nas décadas que se seguiram, químicos e estudiosos do assunto foram descobrindo novos elementos e as estruturas de classificação se modificaram, conforme as necessidades daquela época. O último elemento químico encontrado na natureza, o frâncio, foi descoberto em 1939.

Ununócio

A partir de então, elementos são obtidos pelos cientistas através de experimentos em laboratório: são os chamados elementos sintéticos, normalmente resultantes da inserção de nêutrons ou outras partículas de movimentos rápidos em átomos de urânio e plutônio.

Atualmente, a tabela conta com muito mais elementos, que ocupam posições até a 118: este último, denominado ununócio, só foi descoberto em 2006 por cientistas russos e norte-americanos.

E é exatamente esse 118º elemento da tabela periódica, ununócio, que será o tema de hoje.

Ununócio é um nome provisório, que deriva do latim (um, um, oito, em referência à posição que ocupa na tabela periódica). Aguarda, junto com outros elementos que também foram descobertos mais recentemente, que a IUPAC (em português: União Internacional de Química Pura e Aplicada) lhe atribua um nome definitivo, que provavelmente derivará dos nomes dos cientistas ou das cidades onde foram sintetizados.

Origem e reações do ununócio

Tudo começou em 1999, quando pesquisadores publicaram a descoberta de um novo elemento, o ununócio, mas voltaram atrás logo em seguida: alarme falso! Em 2002, novos rumores voltaram a surgir, mas foi só em 10 de outubro de 2006 que a descoberta foi confirmada e anunciada oficialmente na Physical Review C. Estava aí a mais recente atualização da tabela periódica.

A origem do ununócio não é difícil de explicar: o elemento foi conseguido através do bombardeio de átomos de califórnio por íons de cálcio. A partir dessa reação, três átomos decaíram (transformaram-se em átomos mais leves) em apenas 0,9 milésimos de segundo de meia-vida (tempo que um átomo demora para decair). Esse tempo é suficiente somente para que os cientistas registrem o aparecimento da nova forma. O ununócio, por meio de decaimento alfa (processo no qual um núcleo atômico transforma-se em outro com número atômico duas unidades menor e número de massa 4 unidades menor) até o elemento 116 (Livermório). O decaimento alfa prossegue e em 2,4 minutos atinge o elemento seabórgio (106 prótons e 106 elétrons). Após, o decaimento ainda prossegue até tornar-se o elemento Rutherfórdio (104 prótons e 104 elétrons). Esse processo dura 1,3h.

Reações deste tipo são comuns não somente ao ununócio, mas também a outros átomos que sofrem alterações ao serem sintetizados em laboratório.

A essa hora, você deve estar se perguntando o porquê de tantas pesquisas buscando a descoberta de novos elementos químicos. Com essas experiências, coisas que existiam até então somente na teoria podem ser fundamentadas, e ao mesmo tempo abrir possibilidades de novas descobertas.

Características gerais do ununócio

Conhecido também pelo nome de ununóctio ou eka-radônio, o ununócio apresenta características bem parecidas com a do gás radônio, apresentando radioação (propagação de energia) e semicondutividade. Representa um dos sete gases nobres da tabela periódica, e portanto condiz com as características deste grupo. Esses gases, como o próprio nome já deve sugerir, são raros, incomuns, não são facilmente combinados com outros átomos, têm baixa reatividade, fraca atração interatômica e baixos pontos de fusão e ebulição.

Trata-se de um elemento gasoso, porém há controvérsias, pois de acordo com alguns cálculos quantitativos, representa um sólido à temperatura ambiente e com elevada massa, que apresenta pontos de fusão e ebulição muito próximos. Além disso, apresenta maior reatividade do que os demais elementos do conjunto. Essa reatividade do ununócio se deve ao fato de que na camada de valência (representa a última camada de um átomo a receber elétrons, e por ser a mais externa, normalmente recebe aqueles que sofreram ligações químicas) cheia do período 7, há uma desestabilização relativística dos orbitais (locais onde um elétron pode estar presente perto de um núcleo) 7s e 7p.

*Nome: ununócio
*Posição na tabela periódica: 118
*Aparência: metálico
*Coloração: Branco, levemente prateado
*Símbolo: Uuo
*Classificação: gás nobre
*Densidade: 13,65 kg/m3
*Raio atômico: 152pc
*Massa atômica: 293u
*Ponto de fusão: em torno de 47ºC
*Ponto de ebulição: em torno de 49ºC
*Estado: presumivelmente gasoso