Dúvidas linguísticas da norma culta


A norma culta da língua nada mais é do que um conjunto de padrões, essencialmente exigentes, que definem quando um idioma está sendo empregado corretamente pelos seus falantes.

Dúvidas linguísticas da norma culta

O padrão da norma culta é o que define o nível de domínio de um indivíduo acerca de uma determinada linguagem, de uma forma que ele seja qualificado para a fala e escrita da mesma respeitando todas as suas normas gramaticais.

A norma culta da língua não pode ser confundida com as variedades linguísticas, que por sua vez, podem ser usadas de diferentes formas com base em diferentes contextos e/ou situações.

O que caracteriza as dúvidas linguísticas da norma culta

A norma culta da língua, especialmente do português, é constantemente marcada por uma gramática rigorosa, crítica e erudita, sendo ela comumente usada por indivíduos de altas classes sociais ou níveis de escolaridade.

Atualmente, a norma culta pode ser classificada em duas diferentes modalidades:

1. Coloquial;
2. Formal.

Enquanto a modalidade coloquial está diretamente atrelada ao uso oral da língua, que exige menos do falante, a modalidade formal é utilizada na escrita, sendo ela baseada nas rigorosas normas gramaticais da língua portuguesa.

Por isso, é comum que o emprego da língua seja realizado com maior liberdade no momento de se expressar verbalmente do que na escrita, onde as normas gramaticais precisam ser levadas em consideração com muito mais cuidado.

A norma culta da língua é marcada por alguns preceitos fundamentais de análise, sendo eles:

    • Uso correto de escolhas lexicais;
    • Capacidade de possibilitar a compreensão do texto por meio da boa organização gramatical e coerência na exposição das ideias;
    • Correto uso da pontuação.

Saber escrever e falar com base nas normas cultas da língua não são habilidades comuns a todos os falantes da língua portuguesa, motivo pelo qual são qualidades extremamente valorizadas – especialmente no meio acadêmico e corporativo. O indivíduo que conhece as normas gramaticais de nosso idioma com precisão tem, ainda, melhor capacidade para se comunicar respeitosamente, com eficiência, facilidade e precisão – principalmente para apresentações em público, por exemplo.

As mais populares dúvidas linguísticas da norma culta

No que se refere ao uso da norma culta formal da língua, ou seja, escrita, algumas dúvidas são mais populares, sendo elas frequentes e constantes para grande parte da população.

Vamos conferir então neste artigo quais são as mais comuns dúvidas linguísticas da norma culta formal.

        • Obrigada ou Obrigado?

Muito simples para alguns e confusa para outros, essa norma linguística conta com exigências essencialmente básicas, sendo elas:

1. O indivíduo do sexo masculino, ao agradecer por algo, deve dizer obrigado;
2. O indivíduo do sexo feminino, ao agradecer por algo, deve dizer obrigada.

        • Encima ou em cima?

A palavra em questão pode ser utilizada em ambos os formatos, porém, “encima”, escrita de modo junto, é um formato de verbo unicamente utilizado na linguagem formal, na 3ª pessoa do singular do indicativo ou na segunda pessoa do imperativo, com o significado de coroar ou colocar alguma coisa no alto.

Um exemplo seria:

“Uma coroa amarela encima ao cabelo daquele homem”.

Já a palavra ‘em cima’, em seu formato separado, é muito mais comum – tanto na linguagem coloquial como formal. O objetivo dela é dizer que algo está em uma posição mais alta e/ou elevada do que outra. Um exemplo:

“Coloquei suas chaves de casa em cima da escrivaninha”.

        • Mau ou mal?

Outra dúvida pertinente aos falantes da língua portuguesa é na diferenciação das palavras ‘mal’ e ‘mau’.

De modo geral, “mau” é um adjetivo que significa algo contrário ao que é bom. Sendo assim, ele é comumente utilizado em frases que indicam uma pessoa com atitudes ruins ou como um sinônimo de palavras como: difícil, indelicado, indecente, incapaz.

Alguns exemplos são:

“Eu acho ele um mau aluno”.
“Tire esses maus conceitos de seus pensamentos sobre ela”.

Já a palavra ‘mal’ é caracterizada como um advérbio utilizado como um antônimo do que é de bem. Sendo assim, ele indica algo sendo feito errônea ou incorretamente.

Neste sentido, um exemplo seria:

“Ele mal sabe como lidar com essa situação”.

Além disso, a palavra ‘mal’ também pode ser utilizada – neste caso, como substantivo – para significar uma angústia, doença ou desgosto, retratando algo que aparentemente é nocivo ou perigoso. Neste sentido, um exemplo seria:

“Você precisa colocar o seu sono em dia, pois está dormindo muito mal”.

        • Mas ou mais

Certamente, essa é uma das mais comuns dúvidas presentes na gramática da língua portuguesa. Mas, diferenciar o uso dessas duas palavras pode ser bem simples.

‘Mas’ é uma palavra que pode ser utilizada como sinônimo de todavia ou porém, transmitindo a ideia de oposto.

Alguns exemplos:

“Queria ir ao shopping, mas não tenho tempo”.
“Queria comprar roupas, mas não tenho dinheiro”.

Já a palavra ‘mais’ é um advérbio que tem como principal objetivo o de transmitir noções de acréscimo ou intensidade, sendo também um oposto a palavra ‘menos’.

Exemplos neste sentido são:

      • Ele é o mais bonito do bairro.
      • Ela é a mais chata do curso.
      • Oito mais oito são dezesseis.