Socialismo, Valores e Sistema Social


As concepções de socialismo, como sistema social (isto é, como uma forma de governo e um sistema econômico), e sua dimensão especificamente cultural (a questão dos valores humanos) variaram bastante em cada um dos clássicos trabalhados neste material.

É preciso ficar claro enfim que, em relação a esse tema, não estavam em jogo apenas definições teóricas ou questões puramente conceituais, mas sobretudo o futuro – político e econômico – de todos os países que integra­vam consolidando o sistema capitalista e mesmo daqueles periféricos que lentamente seriam envolvidos por ele.

Tanto Marx e Engels, como Weber e Durkheim, se impuseram a tarefa de pensar essa ideologia política – o socialismo – e a perspectiva histórica que se abria com sua possível vitória sobre o capitalismo, em especial na Europa, na passagem do século XIX para o século XX. Quais são, basicamente, as diferenças entre esses sistemas de pensamento diante do “socialismo”?

Socialismo

O SOCIALISMO SEGUNDO Marx E ENGELS

Segundo Marx e Engels, o socialismo seria a primeira fase após o desmoronamen­to do capitalismo. Isso era inevitável, uma questão de tempo. As contradições do capitalismo (tendência geral à queda na taxa de lucro, mecanização da produção13, pobreza dos trabalhadores e consequente luta de classes) já estavam em curso e levariam àquela primeira fase (acima citada) em que seriam socializados os meios de produção (a terra e as máquinas antes concentradas nas mãos das classes dominantes) e em que o poder do Estado seria enfraquecido. Chamaram essa fase de “socialismo”.

Na fase “socialista”, persistiriam ainda as classes sociais, trabalhadores e em­presários. Cada um continuaria a receber um salário de acordo com sua produção. O importante é que, pela primeira vez na história, os meios de produção estariam a serviço daqueles que produziam: os trabalhadores. Por isso, Marx e Engels afir­mavam que, com o socialismo, seria inaugurada a Ditadura do proletariado (ver Conceito sociológico no final desta unidade).

Para alcançar o socialismo, para socializar os meios de produção, os trabalhadores não teriam tarefa fácil. Só uma solução seria possível: a revolução. Esse foi o motivo pelo qual tanto Marx quanto Engels se envolveram diretamente com os trabalhadores, participando ativamente da organização de suas associações, como foi o caso da reunião da Primeira Associação Internacional Socialista.
Deve-se compreender assim que, para os dois, o socia­lismo não era apenas um sistema social como os outros, mas a única possibilidade que os trabalhadores tinham para se libertar da exploração e da alienação (ver Conceito socioló­gico no final desta unidade) a que estavam submetidos no capitalismo. Era a possibilidade de sua emancipação (ver Conceito sociológico no final desta unidade). E essa emanci­pação libertaria também os empresários da busca desenfreada pelo lucro (hoje em dia, chamamos isso de concorrência) a que estavam submetidos para prosperar nos negócios.

O socialismo era, enfim, uma etapa de um processo que havia começado, em termos gerais, com a Revolução Industrial, e cujo final seria o comunismo14, concebido como um modo de produção em que estariam abolidos a propriedade privada dos meios de produção, as classes sociais e o Estado. Um sis­tema que libertaria tanto empresários quanto trabalhadores, implantando a igualdade entre os indivíduos e permitindo a humanização das relações sociais.

CONCEITO SOCIOLÓGICO

Alienação: segundo a visão de Marx, é o processo que, no capitalismo, separa o trabalhador do conjunto do processo produtivo (compartimentando sua atividade e isolando-o dos outros trabalhadores) e do fruto de seu trabalho, impedindo que ele tenha acesso ao que pro­duz. O conceito foi desenvolvido no texto Manuscritos econômico-filosóficos (1844).

Ditadura do proletariado: é a fase em que ocorre a do­minação do proletariado sobre a burguesia. Nessa fase, o proletariado garante a hegemonia sobre toda sociedade, levando-a em direção ao comunismo.

Emancipação: segundo Marx, trata-se do processo inverso ao da alienação, quando os indivíduos se reencontram consigo mesmos, rompendo a dominação do sistema capitalista e conquistando a igualdade. O conceito foi desenvolvido no texto Manuscritos econômico-filosóficos (1844). Fala-se em “emancipação feminina”, significando a conquista da igualdade entre homens e mulheres.

Fato social: definido por Durkheim como toda maneira de agir, fixa ou não, mas geral numa sociedade deter­minada, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior.

Método sociológico: conjunto de procedimentos criados por Durkheim para o estudo dos fatos sociais. São eles: tratar os fatos como coisas (tomadas em seu conjunto) de forma objetiva e histórica e se afastar das pré-noções.