Galileu: Da Ciência à Santa Inquisição


Galileu Galilei é considerado o pai da física moderna e das ciências naturais modernas. Ele nasceu em 15 de fevereiro de 1564, em Pisa, e seus estudos o levaram da ciência à Santa Inquisição.

Galileu Da Ciência à Santa Inquisição

Seu pai foi um nobre culto de Florença, empobrecido com o tempo e autor de obras históricas e musicais. Como queria que seu filho fosse um médico, o enviou a Universidade de Pisa. No entanto, Galileu não se sentia atraído pela medicina. Ele encontrava mais prazer estudando os tratados de Euclides e a geometria e mecânica de Arquimedes.

Ao preferir as ciências exatas, ele criou obras que foram muito apreciadas pelos profissionais que o acompanhavam. Tornou-se famoso como grande cientista, um interlocutor e debatedor habilidoso. Também dominava a escrita, a música, o desenho e a pintura.

Mesmo com tantos talentos, ele passou maior parte da sua vida na pobreza e endividado. Ele precisava sustentar irmãs exigentes, um irmão sem talento, uma mãe indolente e seus próprios filhos. Sua esposa casou-se com outro homem, deixando duas meninas e um menino para serem criados por ele. Galileu não queria e conseguia acomodar-se à sociedade, geralmente quebrando as regras do bem comum e da visão prática. Frequentemente entrava em brigas universitárias.

Da Ciência à Santa Inquisição I: Estudos

O cartão-postal da cidade nativa de Galileu, a Torre de Pisa, é famosa não só por sua posição inclinada, mas também porque foi ali que o cientista realizou várias de suas experiências. Ele atirava bolas de pesos diferentes do topo da torre. Segundo Aristóteles, corpos pesados caem mais rápido que os leves. Mas as experiências de Galileu mostravam que eles alcançam a base da torre quase simultaneamente.

Em 1609, tendo ouvido da invenção do tubo de visão, ou telescópio, Galileu o aperfeiçoou o instrumento e o tornou semelhante ao atual, que aumenta o objeto em 30 vezes. Ele foi o primeiro homem a dirigir o telescópio para o céu, tornando mais amplo o conhecimento astronômico. Nos primeiros meses de observação, descobriu montanhas na lua, 4 satélites de Júpiter e a Via Lacta, que consiste em múltiplas estrelas separadas.

Ele tentou provar que a terra não era o centro do universo, mas um corpo celestial como outros planetas. Sua referência era Copérnico, que afirmava que o sol era o centro do universo. Galileu dedicou várias décadas de vida para fundamentar a teoria heliocêntrica de Copérnico. Isso o pôs em conflito com suas próprias crenças religiosas.

Da Ciência à Santa Inquisição II: O Tribunal

Infelizmente, tem sido difícil para historiadores sérios esclarecerem o caso de Galileu. O fato é que a Igreja sempre endossou ou rejeitou estudos, como forma de orientar os fiéis. Como no século XVII a religião católica também tinha responsabilidade pela ordem pública, a condenação de Galileu se deu num âmbito comum e bem aceito por todos – até mesmo por ele.

Em 05 de março de 1616 Galileu foi alertado pela Congregação do Índice. No ano anterior ele escrevera uma carta contradizendo o Magistério da Igreja a respeito da sua teoria. É importante notar que Galileu dizia que era um filho da Igreja e que, portanto, deveria se submeter ao juízo dela. O cardeal Robert Bellarmino, outro cientista de renome da época, analisou os trabalhos dele e o informou que poderia propor debates, mas não deveria tomar as teses como lei científica, dada as inconsistências. Vale lembrar que a visão copérnica afirmava que o sol não era simplesmente o centro da galáxia, e sim do universo. Galileu concordou com Bellarmino.

Seguiu-se desses acontecimentos a condenação em 1633. Quando Maffeo Barbarini, um amigo próximo do cientista, se tornou Papa em 1623, como Urbano VIII, ele voltou a seus estudos. O próprio Papa o encorajou, afirmando que era contra a contestação da Igreja, embora não pudesse mudá-la, e que Galileu deveria escrever um livro, limitando-se a colocar os argumentos pró e contra a teoria, mas sem tomar lado. O livro saiu em 1632, e logo dividiu opiniões. Alguns clérigos entenderam que ele defendia o sistema heliocêntrico coperniano e assim o condenaram.

Galileu aceitou sua condenação de passar o resto da vida vivendo na sua casa no campo, em Florença. Nesse período ele ainda escreveu sua obra mais importante, em 1638, O Discurso sobre as Duas Novas Ciências. Morreu em 1642, aos 78 anos.

Ao contrário do que dizem algumas versões, Galileu não foi morto pela Igreja, não foi agredido fisicamente e nem mesmo chegou a entrar num cárcere. Sua condenação se deu de modo doutrinário, visto que ele mesmo se colocava sob a decisão da Igreja, pois era um católico do século XVII. Outro fato importante para o contexto histórico, é que Galileu não tinha como provar os movimentos (na época cria-se que a terra era estática), e ele mesmo reconhecia isso. Por isso, a Igreja reconheceu mais tarde o erro, entendendo que a ideia de que a terra é estática era um erro de interpretação da Bíblia.