Bicho-da-seda


Neste artigo você vai aprender tudo sobre o bicho-da-seda. Quais são os estágios da sua vida, como os produtores retiram a seda fabricada pelo animal e um pouco sobre a importância e tradição envolvidos nesta atividade.

Vida do Bicho-da-seda

O bicho-da-seda tem origem na China e acredita-se que é usado na produção de seda há mais de 5 mil anos. O bicho-da-seda é a larva, também chamada de lagarta, de uma espécie de mariposa que pertence à família Bombycidae. Existem cerca de 400 tipos de bicho-da-seda que vieram sendo modificados geneticamente de forma natural ou em laboratório.
Depois que copulam, as mariposas adultas depositam em média 500 ovos, que eclodem entre 7 a 21 dias, dependendo das condições do ambiente. O bicho-da-seda possui os seguintes estágios de vida:

seda

* ovo;
* larva ou lagarta;
* Pupa e crisálida (dentro do casulo);
* animal adulto ou mariposa.

Um ovo de bicho-da-seda mede cerca de 1 milímetro e é oval e achatado. Os produtores sabem dizer se o ovo está fecundado ou não devido sua cor.

Quando eclode do ovo, o bicho-da-seda passa os primeiros dias de sua vida comendo sem parar e aumenta seu peso até 70 vezes. Por isso mesmo, ele muda de pele 4 vezes durante este estágio de crescimento acelerado.

O bicho-da-seda se consome basicamente de folhas diversas. Mas a seda com melhor qualidade é produzida quando ele se alimenta exclusivamente de folhas de Amoreira, uma árvore que como o bicho, também tem origem na China.
O fio de seda é produzido pelo bicho-da-seda somente depois da 4ª troca de pele. Este período da vida da larva também é chamado de 5ª idade. O fio então é produzido pelo animal para a construção do seu casulo, que será onde ficará até se tornar mariposa. O fio de seda pode ter até mil metros de comprimento e é secretado por meio de uma glândula nomeada de sericígena e é expelido pelo bicho pela sua boca.

O bicho-da-seda então começa a produzir o fio de seda ao em torno corpo, realizando movimentos geométricos em formato de oito ou infinito até que o líquido que está armazenado dentro da glândula termine. Este período pode durar cerca de três dias, e somente um bicho é capaz de tecer um fio com até mil metros. Aí então o bicho fecha totalmente seu casulo e fica dentro dele por aproximadamente três semanas até se transformar em uma mariposa pronta para alçar voos.

Produção do fio de seda

O bicho-da-seda é cultivado especialmente para a produção de seda e tudo começa pela coleta dos ovos já fecundados. Os ovos então são levados à incubadoras que propiciam as condições perfeitas para que o animal nasça saudável.
Depois que viram larvas elas são levadas a outro lugar onde ficarão se alimentando até que comecem a construir o casulo. Depois de prontos, os casulos são levados a estufas onde as larvas que vivem dentro deles morrem e secam completamente. Algumas são salvas para que o processo de metamorfose continue e nasçam novas mariposas. Todo o processo precisa ser sustentável para que os fios de seda continuem sendo produzidos normalmente e não ocorra um desequilíbrio na natureza do local.

O fio de seda então pode começar a ser retirado do casulo. Cada casulo gera somente um único fio de seda, por isso o valor da seda pura é tão alto. Para se conseguir 1 kg de seda é preciso ter cerca de 6 mil casulos.
Para a retirada dos fios, os produtores precisam mergulhar todos os casulos em água quente a fim de torná-los mais maleáveis. Depois, com cuidado, procura-se pela ponta final dos fios, e aos poucos vai se desenrolando. As meadas de fio ainda naturais são novamente lavadas em água limpa e quente e depois passam por um processo onde são purificadas através de ácidos e outros procedimentos.

Uma mesma meada pode passar por lavagem e receber ácidos diversas vezes seguidas, até que chegue no ponto ideal para que sejam escovadas e secadas. Assim os fios ficam macios e quase prontos para serem enviados para a tecelagem.
O bicho-da-seda é uma produção sustentável e muito positiva, pois não é poluente e se feita de forma responsável, não interfere no ecossistema da região onde se encontra. O cultivo do bicho-da-seda recebe o nome de sericultura. É uma atividade que apresenta alto valor agregado e é muito procurada no mundo todo. Traz benefícios econômicos nas regiões onde existe e gera empregos no campo e em toda a cadeia de produção da seda.

O cultivo pode ser ameaçado por pragas que afetam e matam os animais antes que eles cheguem ao estado de casulo. No Brasil a atividade teve início em meados do século XIX e atualmente é o terceiro país do mundo na produção de seda e quase toda a produção é exportada para outros países.