Carotenóides


Todos os vegetais possuem carotenóides, pigmento de cor vermelha, amarela ou alaranjada. O pigmento atua no processo de fotossíntese e está em células dos fungos e protistas. Na fotossíntese, o caroteno é o segundo pigmento mais importante, pois protege a clorofila do excesso de luz. A substância química é tetraterpênica ligada ao caroteno e tem pigmentos existentes em toda a natureza. Os carotenóides são insolúveis em água, mas são solúveis em orgânicos e óleos.

Carotenóides

São pigmentos lipossolúveis, moléculas oxidáveis e ajudam a proteger contra possíveis danos causados pela luz. As moléculas dos carotenóides têm 40 átomos de carbono com variadas duplas de ligações conjugadas. São da família dos terpenóides e quanto maior o número de duplas ligações maior o comprimento de onda.

São mais de 900 tipos de carotenóides que são divididos em dois grandes grupos: os carotenos e xantofilas. Mas o primeiro identificado foi a cenoura, em 1831. Até mesmo o nome deriva do nome científico: Daucus carote. Os carotenos são os pigmentos alaranjados, trata-se de hidrocarbonetos sem oxigênio. As xantofilas variam do amarelo ao marrom-avermelhado e possuem o oxigênio.

A importância para a alimentação humana também é clara em relação ao carotenóides. Existem quatro tipos deles: betacaroteno, alfa-caroteno, gama-caroteno e beta-criptoxantina. Eles ajudam na respiração celular e sintetizar pigmentos da retina. A astaxantina encontrada nas algas é antioxidante.

Como o corpo humano não produz tais substâncias, por isso depende da alimentação para adquiri-las. Alguns deles se convertem em vitamina A em nosso organismo e atuam como antioxidantes para proteger as células dos danos oxidativos. Isso reduz a possibilidade de doenças crônicas. Além disso, eles ajudam a retardar o envelhecimento, facilitar a comunicação celular, a conversão em vitamina A e a combater a molécula de oxigênio simples.

Os carotenóides fazem bem para a visão, previne câncer, problemas no coração, catarata, degeneração dos músculos, entre outros. Em excesso o consumo pode causar carotenodermia, que deixa pele em tom amarelo. Porém essa condição não causa mal à saúde e é revertida com redução do consumo de alimento com carotenóides.

Classificação dos carotenóides

Existem dois grandes grupos de carotenóides: os pró-vitamínicos e os inativos:

• Pró-vitamínicos: são os carotenoides com pró-vitamina A, portanto se tornam essa vitamina no fígado. Ao menos 50 carotenóides têm essa atividade como o alfa-caroteno e betacaroteno já citados.
• Inativos: eles têm somente atividades antioxidantes e corantes. O licopeno é um exemplo e está no tomate e melancia.

Alimentos com carotenoides

Conheça alguns alimentos com carotenóide:

  • Brócolis;
  • Cenoura crua;
  • Alface;
  • Couve de Bruxelas;
  • Tomate;
  • Melancia;
  • Ameixa;
  • Pimentão vermelho.

Radicais livres

Os radicais livres nada mais são do que moléculas de oxigênio que foram danificadas pela luz, poluição, estresse, fumo e por outras ações. Eles não têm um dos oito elétrons e cria-se os radicais livres. Os danos podem afetar a capacidade das células em se recuperarem tornando a pessoa mais propensa a doenças. Os antioxidantes neutralizam a ação desses radicais e tornam as moléculas de oxigênio “normais” novamente. Para que isso aconteça é preciso ingerir 2 a 4 mg de betacaroteno. O ideal é comer substâncias lipossolúveis, pois a absorção depende dos óleos ou gorduras.

Mais benefícios

Luteína e zeaxantina: tem benefícios associados aos olhos. Eles ficam acumulados na retina na área chamada mácula, área da visão central que protege a retina da luz ultravioleta. A luteína também reduz a possibilidade de catarata e sensibilidade à luz. Ela também previne a formação de aterosclerose que se trata do acúmulo de placas que inviabilizam o fluxo de sangue do músculo cardíaco, levando ao ataque cardíaco.

A luteína evita a oxidação do colesterol que ocasiona acúmulo nas artérias e obstruções. Os alimentos que possuem luteína e zeaxantina são espinafre, nabo, abobrinha, couve, frutos de polpa amarela, ovos enriquecidos, abóbora, etc.

A beta-criptoxantina previne o câncer de pulmão e artrite. Normalmente encontrada no mamão, laranja, milho, gema do ovo, manteiga, milho, etc, o componente reduz em 24% o risco de câncer no pulmão. Além disso, também reduzem a artrite reumatoide por conta da ação antioxidante. Um copo de suco de laranja por dia auxilia nesse processo.

Já o betacaroteno reduz o risco de síndrome metabólica e protege contra queimaduras dos raios solares. Estão presente na manga, mamão, cenoura, melão, espinafre, couve abóbora e batata doce. Quanto à síndrome metabólica, ela se caracteriza pela hipertensão arterial, açúcar elevado no sangue, excesso de gordura e altos níveis de colesterol.

O alfacaroteno traz inúmeros benefícios relacionados à longevidade, redução de risco de diabetes, doenças respiratórias e afins. O licopeno, existente no tomate, é um antioxidante e melhor absorvido em frutos cozidos. Ele reduz em 21% a incidência de câncer de próstata além do risco de acidente vascular cerebral.

Dessa forma a ingestão de todos esses alimentos ricos em carotenoides irá auxilia na longevidade, manutenção da saúde e prevenção de doenças degenerativas.