Classificação e Características da Biosfera e dos Biociclos


A biosfera é dividida em biociclos para facilitar os estudos. Cada biociclo caracteriza um grande bioma no qual as relações entre fatores bióticos e abióticos são extre­mamente estáveis e apresentam características muito par­ticulares. São três os biociclos:
•         talassociclo (biociclo marinho) – agrupa todos os ecossistemas de água salgada;
•         epinociclo (biociclo terrestre) – agrupa todos os ecossistemas das terras emersas;
•         limnociclo (biociclo dulcícola) – agrupa todos os ecossistemas de água doce.

Características da Biosfera e dos Biociclos

Talassociclo

Aproximadamente 70% do planeta Terra são cober­tos por mares e oceanos e, dessa forma, o talassociclo é o maior dos biociclos existentes. No biociclo das águas salgadas, os fatores abióticos – luz, temperatura e salini­dade – são determinantes para a adaptação dos organis­mos vivos. Nesse caso, são mais estáveis, favorecendo à sobrevivência dos organismos. Quando se observa um globo terrestre, nota-se que os oceanos constituem uma grande massa de água, que se conecta sem muitas barreiras e, por isso, facilita de certo modo a dispersão dos organismos.
Fatores abióticos do talassociclo
•         Penetração da luz
•         Temperatura
•         Correntes marinhas
•         Salinidade e nutrientes minerais

Penetração da luz

A variação da luminosidade é creditada à profundi­dade que, em média, é de 4 km. A quantidade de luz que consegue penetrar nos horizontes marinhos é fator de­terminante nas construções das teias alimentares ali cons­tituídas. Como toda comunidade depende da atividade dos produtores – que aqui estão representados pelas algas -, conforme a quantidade de luz vai diminuindo, mais difí­cil é a adaptação. É possível dividir o talassociclo con­forme a presença da luz.

Zona afótica

A zona afótica perde, aos poucos, sua luminosidade. Conforme a luz penetra no corpo de água, seus compri­mentos de ondas fornecem respostas diferentes. É por isso que a cor azulada é típica desse biociclo. Na região afótica, não é possível a realização de pro­cessos fotossintéticos, o que provoca a ausência de pro­dutores, portanto a nutrição dos consumidores fica na dependência da “chuva de nutrientes” proveniente da zona eufótica.

Classificação dos organismos marinhos em relação à capacidade de locomoção

Os organismos do talassociclo estão incluídos em três grupos distintos, classificação que também pode ser uti­lizada para o limnociclo.
•         Plâncton – seres que vivem de forma passiva, sendo carregados pelos movimentos das corren­tes marítimas e das ondas, alguns dos quais apre­
sentam até capacidade de locomoção, mas não são capazes de vencer os movimentos da água.
•         Nécton – grupo constituído por organismos que nadam ativamente, isto é, que conseguem ven­cer os movimentos das ondas e das correntes
marinhas.
•         Bênton – organismos que vivem em contato direto com o substrato ou fundo do mar. Eles po­dem ser fixos (sésseis) ou capazes de se deslo­
car, como faz a estrela-do-mar.

Divisão do talassociclo conforme a profundidade

O talassociclo é dividido em cinco regiões: zona lito­rânea, zona nerítica, zona batial, zona abissal e zona ha-dal. As três últimas compõem a zona pelágica.

•         Zona litorânea –   região que fica à mercê das marés. Em alguns momentos, fica encoberta pela água e, em outras situações, está exposta a todos os agentes possíveis, pois fica em contato com o ar. As diferentes praias existentes no nosso pla­neta formam a zona litorânea.
•         Zona nerítica – localizada sobre a plataforma continental, possui comunidades bem constituí­das, em que é possível encontrar organismos bentônicos, nectônicos e planctônicos. A profundi­dade do sistema nerítico aumenta lentamente até chegar a 200 metros.
•         Zona batial – encontra-se logo após a platafor­ma continental e sua profundidade aumenta ra­pidamente a partir de 200 m e alcança 2 000 m.
A presença de organismos passa a ser muito re­duzida.
•         Zona abissal – compreende distâncias superio­res a 2 000 m, chegando a 5 000 m. A tempera­tura nessa região é muito baixa e mantém a média
de 2,5° C. Nessa região, não ocorre movimenta­ção das massas de água.
•         Zona hadal – extremamente profunda, podendo alcançar 11 000 metros.

Os organismos presentes nas zonas abissal e hadal apresentam adaptações muito curiosas, pois eles depen­dem de nutrientes ou restos de animais mortos das ou­tras zonas. Muitos deles possuem bioluminescência e al­guns são cegos, mas a característica mais interessante desses organismos é a presença de uma boca ampla e circular, que captura grande quantidade de resíduos, e um estômago extremamente dilatado para armazenar ali­mentos.

Limnociclo

É o menor dos biociclos e compreende os biomas de água doce. O limnociclo pode ser dividido em dois tipos de ecossistemas:
Província léntica: Ecossistema contituído pelos lagos e lagoas em que não há movimento da água.
Província  lôtica: A província lôtica é formada pelos rios e riachos, que apresentam água em movimento.

Epinociclo – biomas

Os biomas terrestres sofrem a ação da temperatura e da pluviosidade, que compõem o clima e têm papel principal na determinação da flora presente em determi­nado local. Observe o gráfico a seguir.