Equinodermos


Os equinodermos (do filo ‘echinodermata’) nada mais são do que os primeiros animais que apresentaram a formação anal anterior à formação da boca. Basicamente, eles são animais do universo marinho com capacidade de regeneração de braços perdidos.
equinodermos

Entre suas principais características estão o sistema hidrovascular, endoesqueleto espinhoso, pápulas dermais e simetria do tipo pentarradial.

A seguir neste artigo, conheça tudo sobre os equinodermos, suas principais características, modo de locomoção, reprodução e assim por diante.

Principais características dos equinodermos

São chamados de equinodermos animais de mais de sete mil espécies. Eles possuem tamanhos médios (ou seja, nunca são pequenos ou grandes demais) e são exclusivamente animais do mundo marinho. Os equinodermos têm como principais representantes o pepino do mar, ouriço do mar e estrela do mar, mas, basicamente, são divididos em cinco diferentes classes:

1. Classe “holothuroidea”

Essa classe é representada pelos animais sem carapaça e de corpo alongado e mole. Geralmente são parasitas e vivem enterrados na areia do mar. Exemplo: pepinos do mar.

2. Classe “crinoidea”

Já os animais desta classe possuem braços brilhantes e ramificados. Eles vivem nos espaços mais profundos do mar e alimentam-se de detritos e plânctons microscópicos. São representantes dessa classe os lírios do mar.

3. Classe “asteroidea”

Essa classe, basicamente, compreende os animais com cinco braços. Sua principal representante é a estrela do mar, necrófaga e carnívora.

4. Classe “echinoidea”

Os equinodermos desta classe são animais sem braços, com corpo redondo e espinhos delgados/móveis. Ela tem como principais representantes as bolachas de praia, que se alimentam de partículas orgânicas, e os ouriços do mar, que se alimentam também de plantas aquáticas.

5. Classe “ophiuroidea”

Por fim, essa classe é representada por animais com braços mais longos – como é o caso da serpente do mar. Além disso, esses animais também são necrófagos e raspadores.

• Demais características dos equinodermos

Os equinodermos são animais de sistema hidrovascular, ou seja, possuem em seu interior vasos por onde ocorre a circulação da água.
Na superfície de seus corpos estão músculos (alguns constituídos ainda por mandíbulas).

Já o esqueleto interno destes animais é calcário, ou seja, formado por inúmeras placas mesodérmicas. Em algumas classes, tais placas são capazes de emitir espinhos para se protegerem.

Todos esses animais são de vida livre, sendo pouquíssimas as espécies comensais. Muitos deles são adaptados para se fixarem com facilidade às rochas, enquanto outros vivem em espaços arenosos, lodosos, em epibiose ou em madeira submersa.

Como já destacado anteriormente, tais espécies são marinhas – mas alguns animais específicos toleram a vida em água salobra. Eles podem ser encontrados em qualquer profundidade, região ou latitude dos oceanos, apesar de serem mais comuns em águas tropicais do que quando em comparação às polares.

Quando adultos, os equinodermos possuem simetria radial – com exceção às plumas do mar, que se locomovem exclusivamente pelos cínus.

O sistema nervoso central dos equinodermos é extremamente simples. Eles possuem uma rede nervosa limitada, com neurônios não conectados diretamente aos órgãos centrais. Apesar de não possuírem cérebro, eles possuem gânglios.

Outra característica importante dos equinodermos é que eles possuem um sistema altamente complexo de canais, lâminas e válvulas – sendo ele denominado ‘ambulacrário’ ou ‘aquífero’. Esse sistema está relacionado com a respiração, locomoção, excreção, percepção e circulação destes animais.

Detalhes sobre a digestão, regeneração e reprodução dos equinodermos

A seguir, confira características específicas sobre os equinodermos.

• Digestão

O sistema digestório dos equinodermos conta com boca, ânus e intestinos. O estômago, por sua vez, é presente apenas nas espécies carnívoras.

Não à toa, tais animais costumam se alimentar de pequenos animais (como moluscos, por exemplo) e de algas em geral. No caso da estrela do mar, a alimentação ocorre por meio de seus pés. Já aqueles que se alimentam de algas fazem isso por meio do aparelho bucal, raspando as algas presas por meio da dentição.

• Regeneração

Quando uma estrela do mar perde algum de seus braços o membro se regenera – assim como acontece com a cauda de uma lagartixa, por exemplo.

O fenômeno permite que quando são atacados – ou quando entregam parte do corpo como modo de defesa, para em seguida se
esconderem – eles tenham o mesmo membro regenerado.

Se o disco central não for atacado, a estrela do mar consegue se alimentar e se locomover com apenas um dos braços – enquanto a divisão celular trabalha de modo a regenerar os outros quatro.

Já o pepino do mar, quando se sente ameaço, deixa partes de seus órgãos internos (especialmente vísceras) para trás. Tal atitude é capaz de distrair os predadores, fazendo com que sobre tempo para escapar.

• Reprodução

A reprodução dos equinodermos é sexuada. Sendo assim, ela conta com participação de gametas femininos e masculinos.

A fecundação, por sua vez, ocorre na água e de modo externo. Quando há o desenvolvimento indireto, as larvas se transformam em animais de formato próprio e jovens.