Etapas do Transporte da Seiva nas Plantas e Estrutura dos Órgãos de Transpiração


Etapas do Transporte da Seiva nas Plantas

Transporte de seiva bruta
As raízes absorvem sais minerais do solo, pelo transporte ativo, configurando gasto de energia para a célula. Ao absorver esses sais minerais, as células das raízes se tornam hipertônicas. A água passa a entrar na raiz naturalmente, por osmose.
Essa entrada de água e sais minerais nas raízes gera uma pressão, a pressão da raiz, que empurra a seiva bruta para cima, em direção às folhas, através dos vasos lenhosos.
Em árvores grandes, a pressão da raiz não é suficiente para empurrar a seiva bruta até o topo do vegetal. Então, esse transporte é feito com auxílio da transpiração que ocorre nas folhas.
Para que a planta realize fotossíntese, ela precisa que os estômatos, presentes nas folhas, se abram para trocar gases. Assim, eles perdem água com a evapotranspiração.
Dessa forma, as células dos parênquimas presentes nas ficam com maior concentração de sais e, mediante processos osmóticos, passam a absorver a seiva bruta que está passando nos vasos do xilema próximos a elas.
Essa contínua absorção de líquidos das folhas gera uma tensão constante na coluna de líquidos dentro do xilema, isso faz com que a água seja puxada para cima.

Transporte de seiva elaborada
A matéria orgânica produzida nas folhas é distribuída para as partes da planta que não fazem fotossíntese raiz, caule, flores e frutos. Esse transporte é realizado pelo floema.
Nas células das folhas é formada a sacarose, que se difunde pelas células do parênquima clorofiliano até o floema. Ela é absorvida por transporte ativo pelas células-companheiras dos vasos liberianos e passa para o interior da célula do vaso. Com essa sacarose entrando, a pressão osmótica da célula do vaso aumenta e ela absorve água do xilema vizinho.
Isso aumenta o volume de seiva dentro do vaso e a pressão da água. Na outra extremidade do floema, onde está outro órgão da planta, o fluxo se faz no sentido contrário: as células-companheiras bombeiam a sacarose do vaso liberiano para as células de outro órgão. Com a saída da sacarose, a pressão osmótica da célula do vaso diminui e ela perde água para o órgão consumidor.
Com isso, a seiva se move da região onde a pressão hidrostática é mais alta para onde é menor.
Transpiração nas plantas
A transpiração é um processo em que a planta libera água no estado gasoso. A maior dela acontece nas folhas, perdendo mais água na região dos estômatos, pela cutícula e pelas lenticelas.