Exposição ao sol


O sol é fonte de energia, vitamina D é essencial para vida. Mas, em excesso, pode causar graves doenças nos seres humanos. Engana-se quem pensa que perigo existe apenas em locais com maior incidência de raios solares, ou somente durante o verão. Devemos nos proteger dos raios solares em todas as épocas do ano e onde estivermos. A vitamina D pode ser muito importante, mas os raios ultravioletas podem agredir o corpo intensamente.

Exposição ao sol

Doenças relacionadas à exposição solar

Por exemplo, a desidratação é uma grave doença na qual a pessoa apresenta sintomas como sede, muito tempo sem urinar, boca e mucosas secas, olhos fundos e ressecados. Ela pode ocorrer após grande período de exposição ao sol sem ingestão de líquidos. Para evitar essas doenças é preferível ficar em ambientes frescos e arejados, usar roupas leves, ingerir alimentos leves e ingerir muito líquido.

Outro risco à exposição é a de queimaduras na pele. Pode parecer um simples “pelão” adquirido na praia, mas a queimadura pode ocasionar doenças mais graves. Por isso o ideal é usar protetor solar com fatores de proteção alto e preferir o sol antes das 10h e depois das 16h. Para quem não se atenta muito a essas recomendações, vale destacar que a exposição contínua sem proteção causa câncer de pele, ou seja, um tumor em decorrência de tomar muito sol sem protetor solar. Segundo o Instituto Nacional do Câncer ocorrem quase 200 mil casos de câncer de pele por ano e cerca de 2 mil resultam em morte.

Falando em queimadura, ela pode se intensificar após o contato com algumas frutas cítricas. O ácido dela pode ficar na mão, braços, etc, e em contato com o sol causa manchas e bolhas na pele. Elas demoram tempos para desaparecer, logo é importante lavar as mãos com água em sabão após manusear frutas como limão e laranja.

E não para por aí. A acne solar também é outra doença relacionada ao sol atinge áreas como tronco e nariz. Apenas o uso de filtro solar livre de óleo já previne o problema.

Outra doença é o bicho geográfico, que fica na areia das praias e nas casas com cães e gatos. Trata-se de um parasita que fica no intestino dos animais e quando eles evacuam os ovos eliminados permanecem no local. Quando o parasita se instala na pele humana causa vermelhidão e coceira.

As pessoas que trabalham expostas ao sol sofrem ainda mais com suas ações. Ao trabalhar na construção civil, por exemplo, fica-se muito exposto às doenças citadas acima. Para reduzir os efeitos é preciso tomar muita água, descansar e ficar à sombra quando possível. Por isso os funcionários precisam ser orientados a se hidratar tomando de 2 a 3 litros de água por dia, além de antes e depois dos seus turnos. Devem evitar bebidas como café, refrigerante, bebidas alcoólicas ou com muita cafeína, afinal elas desidratam o corpo mais facilmente. Por último o uso de equipamentos de proteção individuais são indispensáveis. O ideal é usar chapéus de abas largas, uniformes que absorvam e sejam de cor clara, além de óculos de proteção.

Outro local que é preciso tomar muito cuidado em relação à exposição solar é dentro de carros. O ideal é usar óculos solares, instalar películas de proteção nos vidros do carro e optar por fazer viagens mais longas quando a incidência solar for menor. Em relação à proteção nos vidros é preciso seguir o código de trânsito brasileiro, em relação ao percentual de redução de transparência permitido.

Sintomas da exposição intensa

Permanecer no sol por muito tempo pode causar alguns sintomas como:

  • Desmaios;
  • Tonturas;
  • Náuseas;
  • Vômito;
  • Irritabilidade;
  • Confusão mental;
  • Fraqueza.

O que fazer nesses casos:

1 – Levar a pessoa imediatamente para um local arejado e na sombra;
2 – Não deixá-la sozinha;
3 – Oferecer água aos poucos;
4 – Afrouxar a roupa;
5 – Abanar a pessoa, colocar compressas de água em no pescoço, dobras dos braços, virilha e axilas.

Dicas para aproveitar o sol sem medo

  • Exponha-se ao sol em horários recomendados, ou seja, antes das 10h e depois das 16h;
  • Reduza o tempo de exposição solar;
  • Use chapéus, bonés e roupas que cubram faces e ombros;
  • Use filtro solar diariamente, principalmente no rosto, e reaplique após banhos de mar, piscina ou cachoeira;
  • Use protetor solar com fator superior a 30, com reaplicação a cada duas horas.
  • Use óculos de sol com proteção UV;
  • Use protetor labial, principalmente se tiver herpes labial;
  • Beba muita água, principalmente quando se expor ao sol;
  • Use roupas com poliamida e tecidos que amenizem os efeitos do sol;
  • Observe pintas que tenham alteração em coloração, tamanho ou textura (podem indicar melanoma).

Com esses cuidados você pode aproveitar o sol sem maiores problemas. Repasse essas dicas para os amigos e familiares, a fim de que todos fiquem protegidos e obtenham apenas o melhor do sol.