Fenda Palatina


Com nomes populares como lábio leporino e goela de lobo, a chamada fenda palatina é uma má formação congênita, que acontece durante o desenvolvimento da vítima enquanto ela ainda é um embrião.

Na prática, trata-se literalmente de uma fenda que tem início na lateral da parte superior da boa, fazendo com o que deveria ser unido, fique dividido em duas partes quando a pessoa é portadora desse mal. A extensão dessa fenda é variável, sendo que em alguns casos ficará restrita aos lábios, como é possível visualizar facilmente ou até mesmo podendo atingir dentes, gengiva, maxilar e em alguns casos chegar até o nariz.

É possível também que essa divisão siga por todo céu da boca e parte do nariz, deixando uma ligação direta entre esses pontos, podendo também em alguns casos causar o que se chama de úvula bífida. Vale lembrar que a úvula é aquela parte da garganta que lembra um sino ou até mesmo uma campainha.

Palatina

Quando ela é bífida, conforme citamos anteriormente, significa que ela também é dividida de forma muitas vezes pequena e pouco visível, o que pode causar uma dificuldade no diagnóstico.

O que sabemos sobre fenda palatina até agora?
• É chamada também de lábio leporino e goela de lobo
• Trata-se de uma abertura que tem início no lábio superior e alcances diferentes
• Pode causar o que se chama de úvula bífida

Quais são as causas da fenda palatina e como é feito o diagnóstico?

Apesar de ser um mal já bastante conhecido pelos profissionais da saúde, não existem definições claras sobre quais são as causas da fenda palatina, que pode ser algo isolado ou até mesmo um dos indicadores de outras questões genéticas.

Mas, mesmo ainda faltando informações sobre as causas, já se sabem de alguns fatores que podem sim serem relacionados à fenda palatina. Alguns deles como deficiências nutricionais, doenças que a mãe pode ter sofrido durante a gestação, assim como a exposição à radiação ou consumo de medicamentos específicos.

Outras causas relacionadas à fenda palatina estão o fumo e o consumo de álcool durante o período gestacional, além da hereditariedade.

Apesar de não existir uma causa perfeitamente identificada, pesquisadores relacionam a fenda palatina a:

• Consumo de álcool e fumo durante a gestação
• Deficiências Nutricionais
• Doenças Gestacionais
• Exposição à radiação
• Consumo de alguns medicamentos
• Hereditariedade

Hoje em dia, com a modernidade, ficou bem mais simples realizar um diagnóstico precoce de fenda palatina. Os exames de ultrassonografia disponíveis podem apontar o mal já na 14ª semana de gravidez.

Caso o mal seja reconhecido nesta altura da gestação, cabe ao médico a missão de já apontar aos pais os tratamentos disponíveis para quando a criança nascer. Porém, vale lembrar que apesar do diagnóstico durante a gestação ser possível, alguns casos são descobertos apenas após o nascimento do bebê.

O diagnóstico de fenda palatina

• Pode acontecer a partir da 14ª semana pela ultrassonografia
• Mesmo assim, muitas vezes, o mal ainda é identificado apenas após o nascimento do bebê
• A partir do momento que o diagnóstico é feito, cabe ao médico a orientação aos pais sobre o tratamento

O tratamento e as recomendações para quem tem fenda palatina

Ao contrário do que muitas pessoas podem pensar, a fenda palatina não se trata apenas de uma questão estética, já que esse mal pode resultar em outros problemas de saúde sérios para os seus portadores. Entre eles, problemas relacionados à nutrição, ao aparelho respiratório. Além disso, o portador de lábio leporino pode também apresentar problemas dentários e diversos tipos de infecções.

Outra questão que não se pode excluir são os problemas de ordem emocional que esse portador pode ter. Por isso, existe um consenso médico de que o tratamento deve envolver diversos profissionais para atuar em todas essas questões.

Mundialmente, a grande recomendação é que a abertura dos lábios deve ser corrigida após 24 horas e até 72 horas após o nascimento da criança para evitar outros problemas. Porém, quando a fenda inclui distúrbios no céu da boca, o tratamento que, também é cirúrgico, só deve ser iniciado depois e feito em etapas, a partir da idade de um a dois anos, dependendo de cada caso.
E é também de caso a caso que se define até quando vai o tratamento que geralmente é longo e só termina de fato por volta dos 18 anos de idade.

Mesmo em bebês portadores da síndrome, o alimento mais indicado costuma ser o leite materno, mesmo quando não houver a possibilidade de que essa criança o consuma diretamente do peito. Por isso, é ideal consultar o médico e se informar sobre as mamadeiras especiais que existem no mercado exatamente para casos assim do tipo.

Outras informações sobre fenda palatina

• Não se trata apenas de um problema estético
• O tratamento deve envolver uma equipe multiprofissional
• Acompanhamento psicológico, pois problemas emocionais podem surgir nos portadores devido ao mal