Filo Echinodermata (Equinodermos)


O filo echinodermata é composto pelos equinodermos, seres vivos que apresentam a formação do seu ânus antes da boca, sendo assim chamados de deuterostômios. Esses animais vivem em ambientes substratos e rochosos, com comportamento livre e sendo exclusivamente animais marinhos ou bentônicos.

Filo Echinodermata (Equinodermos)

Os equinodermos apresentam como principal habilidade a capacidade de se regenerar mesmo em circunstâncias não tão ideais, recuperando partes perdidas do corpo de maneira proporcional à massa do membro perdido e dos tecidos desfeitos. Animais pertencentes ao filo, como a estrela-do-mar, possuem essa capacidade, e em apenas alguns meses conseguem reestruturar a parte que foi cortada do corpo de forma idêntica à do membro original.

O filo Echinodermata (Equinodermos) é formado por animais que possuem um sistema nervoso radial simples, composto por anéis nervosos radiais ao redor da boca e pelos braços, além de neurônios conectados sem nenhum ponto central.

Além de um sistema nervoso singular, esses animais possuem uma simetria radial, com cinco partes divididas e interligadas a um ponto único, que é coberta por espinhos. Como o próprio nome já diz, Echinodermata vem da junção dos termos em grego echinos (“espinho”) e derma (“pele”), e é dado por conta dos espinhos ao redor do corpo desses animais, que auxilia na proteção contra outros animais perigosos e ajuda na locomoção sobre superfícies rochosas e de difícil acesso.

Características principais

O filo echinodermata (equinodermos) tem algumas características únicas que são ausentes em outros filos e que são bem identificados em três sistemas: digestivo, hidrovascular e reprodutivo.

O sistema digestivo desse filo é caracterizado por uma estrutura completa, porém com diferenças. O ânus é ausente nos ofiuroides, e a boca está presente na parte central da membrana peristomial, sendo composta por uma estrutura muscular e por um esfíncter. A digestão é em modo extracelular, com enzimas que são produzidas pelo próprio estômago. A comida entra pelo músculo bucal, é passada por um esôfago curto e bem estreito e cai para o estômago para ser absorvido. Com uma nutrição baseada em animais vivos ou mortos, como moluscos, larvas e até outros seres do mesmo filo, os equinodermos podem se alimentar de várias presas ou seguir uma nutrição mais restrita e balanceada, dependendo do ambiente e da variedade.

No sistema hidrovascular, esses seres se diferenciam dos outros por possuírem um compartimento de celoma, projetado para fora do corpo em forma de tentáculo por meio de um fluído que ajuda na locomoção. Esses tentáculos formam pés ambulacrais, que são trabalhados por meio dos espinhos e do movimento dos braços do animal. Alguns também podem ter ventosas ao redor do corpo, que são responsáveis pela fixação desses animais no substrato.

Já no sistema reprodutivo, os equinodermos realizam a fecundação na água, liberando gametas e incubando o zigoto. Sendo dioicos (com sexos separados), os machos lançam os espermatozoides e as fêmeas lançam seus óvulos, que se fecundam e dão origem a ovos. Esses ovos desenvolvem larvas, que crescem e, com a ajuda de cílios, conseguem se locomover sobre as rochas na água. Em algumas ocasiões, como é o caso da estrela-do-mar, a reprodução pode ser assexuada, por meio da clivagem do disco central.

Classes do filo

O filo echinodermata (equinodermos) é dividido em cinco classes: Echinoidea, Ophiuroidea, Crinoidea, Holothuroidea e Asteroidea.

  • Echinoidea: apresentam um corpo oval cheio de espinhos grandes e bem articulado. Apresentam simetria radial que também pode ser bilateral na fase larval, que se desenvolve com o decorrer do tempo. É a segunda menor classe do filo e abrange animais como os ouriços-do-mar e as bolachas-do-mar;
  • Ophiuroidea: é o maior grupo do filo, com cerca de 2000 espécies variadas, compostas por estrelas-serpente e outros animais. Todos possuem cinco braços longos e fortes, que saem do disco central bem delimitado;
  • Crinoidea: com um corpo em forma de copo, os animais da classe crinoidea têm uma superfície oral voltada para cima, e são facilmente encontrados à beira de corais. Lírios-do-mar são alguns dos animais dessa classe, que podem viver livremente na água ou ficarem presos no substrato ou em outros planos rochosos;
  • Holothuroidea: na classe holothuroidea, o corpo dos animais é longo no eixo oral-aboral. Com tentáculos ao redor da boca, esses animais não possuem tantos ossos como outras espécies do mesmo filo, o que dificulta sua locomoção e os obriga a ficarem presos no susbtrato. Pepinos-do-mar são os principais representantes da classe;
  • Asteroidea: são as famosas estrelas-do-mar. Vivendo de forma livre, esses animais possuem cinco braços ou mais, partindo do disco central que é delimitado. A boca é voltada para baixo, na superfície do substrato, e suga restos de animais mortos ou vivos que se locomovem sobre a área, como pequenos moluscos. São rastejadores e não vivem num único espaço por muito tempo. No filo echinodermata (equinodermos), essa classe é a segunda maior do grupo, com cerca de 1600 espécies marinhas catalogadas.