Gimnospermas e Angiospermas: Características, Reprodução, Formatos e Classificação


Reino Vegetal: gimnospermas

1. A classe (ou filo, dependendo do sistema de classificação utilizado) Gimnospermas é formada por repre­sentantes em geral arborescentes de grande porte (pinheiro, sequóias) e outros de pequeno porte. Na maioria dos casos, as folhas são verdes e apresentam aspectos variados: parecidas com agulhas ou esca­mas ou, ainda, amplas nos representantes que se assemelham a palmeiras (Cycas).

2. Juntamente com a classe Angiospermas, são plantas produtoras de sementes.

Gimnospermas e Angiospermas

3. As sementes de gimnospermas, ao contrário das sementes de angiospermas, são nuas, isto é, não estão
contidas no interior de frutos.

4. A reprodução sexuada envolve alternância de gerações. A fase dominante é o esporófito diplóide, correspondente às árvores (pinheiros).

Reino Vegetal: angiospermas

1. Angiospermas são plantas produtoras de se­mentes, situadas no interior de frutos.

2. O fruto desempenha o papel de proteger as se­mentes e auxiliar a sua dispersão.

3. Essa classe é formada por representantes de aspectos variados: desde minúsculas formas, que lembram lentilhas, até árvores de grande porte.

4. A reprodução sexuada é executada durante o ciclo reprodutivo haplodiplobionte. A geração duradoura é o esporófito, que é a planta que você vê: alface, pé de milho, goiabeira, man­gueira etc.

5. A flor é um sistema de reprodução elaborado pelo esporófito para sua reprodução sexuada.

6. A flor completa possui quatro componentes: cálice (conjunto de sépalas), corola (conjunto de pétalas), androceu (conjunto de estames) e gineceu (conjunto de pistilos/carpelos).

7. As flores podem surgir isoladamente ou reu­nir-se, formando inflorescências.

8. Cada estame é constituído de um filete e de uma antera.

9. O pistilo é composto de estigma, estilete e ovário. O ovário protege o(s) óvulo(s) no seu interior.

10. No ovário da flor do abacate existe apenas um óvulo. No de melão, vários.

11. Para ocorrer a reprodução,  é preciso que grãos de pólen sejam levados ao estigma e lá depositados por algum agente polinizador.

12. Os agentes polinizadores das  angiospermas são: vento, insetos, aves, morcegos e a água.

13. Na polinização efetuada por animais, é impor­tante o papel exercido pelo corola na atração desses agentes, quer seja pela cor das pétalas ou, então, pelo odor exalado por elas.

14. Na polinização efetuada pelo vento, os grãos de pólen são abundantes, leves, pulverulen­tos. Os estigmas possuem grande superfície de recepção e costumam ser plumosos. Plan­tas polinizadas pelo vento: milho, arroz, trigo, cana-de-açúcar.

15. Na polinização efetuada por animais, os grãos de pólen são produzidos em pequena quanti­dade, são pegajosos (aderentes), prendendo-se às antenas, patas e asas dos insetos, aos bicos e penas das aves e aos pelos dos mamíferos.

16. O agente polinizador animal alimenta-se de néctar ou de pólen.

17. Após a ocorrência da reprodução, o óvulo converte-se em semente e o ovário converte-se em fruto.

18. Cada semente é envolta por um revestimento (integumento) e contém no seu interior um em­brião e um material de reserva alimentar (endosperma ou albúmen).

19. A dispersão das  sementes  e/ou dos frutos pode ocorrer pelo vento (jacarandá), animais (picões, carrapichos, goiaba) ou pela água (coco-da-baía).

20. Fruto verdadeiro é o decorrente do desenvolvi­mento do ovário, contendo semente(s) no seu interior. Abacate, melão, laranja, jiló, berinjela,
chuchu, tomate etc.

21. Fruto partenocárpico é o que corresponde a um ovário desenvolvido, sem semente. Banana.

22. Pseudofrutos são aqueles nos quais ocorre o desenvolvimento de alguma outra peça floral, que pode ou não envolver o ovário. Maçã, pera, morango, figo, caju.

23. Na semente, cada embrião é constituído de uma radícula, um caulículo e um ou dois cotilédones.

24. No feijão, as reservas alimentares da semente ficam armazenadas nos dois cotilédones. Não há endosperma.

25. No milho, as reservas alimentares permane­cem no endosperma (fubá, pamonha, curau).

26. Nas angiospermas, há duas grandes subclas­ses: monocotiledôneas e dicotiledôneas.

27. A diferenciação entre essas duas subclasses pode ser feita com base no número de cotilédones, na estrutura da flor, no tipo de nervuras apresenta­ das pelas folhas ou no tipo de sistema radicular.

28. Duas famílias destacam-se pela sua importância económica e alimentar. Dentre as dicotiledôneas, a das leguminosas (feijão, soja, amendoim, ervilha). Dentre as monocotiledôneas, a das gramíneas (milho, cana-de-açúcar, arroz, trigo).