Gimnospermas e Angiospermas: Características, Reprodução, Formatos e Classificação


Gimnospermas e Angiospermas

As Gimnospermas e Angiospermas pertencem ao Reino Plantae, que no grego é chamado de Fanerógamas. O termo significa que essas plantas possuem suas estruturas reprodutivas visíveis, e também que essa reprodução acontece através das suas sementes.

A diferença entre as Gimnospermas e as Angiospermas é que nas Angiospermas as sementes ficam escondidas nos seus frutos, enquanto que nas Gimnospermas as sementes ficam expostas, por isso o nome significa “semente nua”. As Gimnospermas são representadas, na maioria das vezes, por árvores de grande porte, que vão muito bem em áreas mais frias.

A reprodução das Gimnospermas acontece por meio dos estróbilos: femininos ou masculinos. Os estróbilos femininos recebem os grãos de pólen (geralmente através do vento). Chegando ao óvulo, se desenvolve o tubo polínico. Depois dessa fecundação, o zigoto é formado, dando origem ao embrião.

Entre as principais características das Gimnospermas, estão:
– troncos mais resistentes
– formação de raiz, caule, sementes e folhas
– folhas com formato de agulha

São representantes do grupo Gimnospermas:
– Coníferas
– Gnetáceas
– Cicadáceas
– Ginkgoaceae

As Angiospermas são representadas pelas árvores de flores e frutos, sendo considerado o grupo mais diverso de todas as plantas. Por sua grande variedade de formatos, estão presentes em diversos ambientes, até mesmo na água. A sua principal característica é, como já foi dito, a presença de frutos e flores.

Por serem extremamente atrativas aos insetos, estes acabaram se tornando auxiliadores da sua reprodução, ao levarem as sementes no bico, contribuindo para a expansão geográfica do grupo.

As Angiospermas são classificadas em dois grupos:

Monocotiledôneas
– Dicotiledôneas

O processo de reprodução das Angiospermas, assim como nas Gimnospermas, independe da água. Neste grupo, as anteras são as responsáveis pela produção do grão de pólen, os quais passam pela meiose, formando micrósporos haploides. O grão de pólen é depositado no aparelho reprodutor feminino, onde dá a origem aos núcleos espermáticos. São dois gametas: um feminino e outro masculino. O masculino fecunda o feminino, originando o zigoto.

O zigoto é o que forma o embrião, o qual é responsável por originar uma plântula. Essa plântula crescerá em uma nova planta, enquanto isso, o óvulo se desenvolve em forma de semente, que contém o endosperma (responsável por oferecer os nutrientes necessários para o embrião durante o seu desenvolvimento).