Hipóteses e Fatores que deram a Origem da Vida


Hipótese Fixista ou Cwaeionista

Segundo a hipótese criacionista (ou fixista), todas as formas de vida surgiram simultaneamente por meio de um ato divino e, desde então, não sofreram mais mudanças.

Hipótese da Pansperaiia ou Cosmogênese

Hipóteses e Fatores

Para a hipótese da panspermia (cosmogênese), to-das as formas de vida surgiram em um outro ponto do Universo e teriam sido trazidas à Terra por um mecanis-mo não bem compreendido, encontrando aqui condições favoráveis para permanecerem até os dias de hoje.

Hipótese Heteratnóflca segundo Oparin

O cientista soviético Aleksander Ivanovitch Oparin, no início de 1924, preocupou-se em saber como surgiu a matéria orgânica necessária para a formação deste pri­meiro ser vivo, enquanto o meio científico da época pro-curava saber como o primeiro ser vivo surgiu na Terra.

Por meio da análise dos fósseis, sabe-se que os primeiros seres vivos devem ter surgido na Terra há aproxi­madamente 1 a 2 bilhões de anos. Nessa época, o nosso planeta ainda estava em fase de formação e apresentava condições climáticas e atmosféricas totalmente distintas das atuais.
A atmosfera primitiva era formada pelos gases amônia, metano, hidrogênio e água na forma de vapor. O oxigênio só foi incorporado à constituição química da atmosfera após o surgimento dos primeiros seres vivos fotossintetizantes.

Em virtude da ausência de O2 na atmosfera primi­tiva, também não ocorria a presença da camada de ozônio. Dessa forma a radiação ultravioleta alcançava livremente a superfície terrestre. Além disso, o mo­vimento de rotação terrestre era mais rápido do que o atual, levando a uma grande amplitude térmica duran­te os dias pela rápida sucessão entre dia e noite. Consequentemente, as massas de ar movimentavam-se violentamente, varrendo a superfície com vendavais e furacões. O movimento intenso das massas de ar também provocavam frequentes descargas elétricas, criando um ambiente altamente carregado e instável.

Devido à composição e densidade da atmosfera pri­mitiva, a luminosidade solar mal conseguia atingir a su­perfície terrestre. Assim, mesmo durante o dia, a Terra era um planeta envolto em penumbra. Todas essas condições foram imprescindíveis para o surgimento da matéria orgânica necessária à formação dos primeiros seres vivos.

À medida que a atmosfera se agitava pelo calor da superfície, pe­las radiações ionizantes, pelas tem­pestades e pelas violentas erupções vulcânicas, seus compostos rea­giam entre si, formando diversos compostos químicos orgânicos.

Precursores das proteínas

Enquanto os primeiros compos­tos orgânicos surgiram na atmosfera primitiva, na superfície terrestre ocorriam erupções vulcânicas, expe­lindo magma, com aproximadamen­te 10% de sua constituição em água. Durante milhares de anos, a atmosfera reativa foi recebendo vapor d’água, até que a supersaturação levou à condensação da água na for­ma de chuva. A água que caía no solo era rapidamente evaporada em virtude da alta temperatura da super­fície terrestre, voltava, então, ao ar, sendo novamente condensada na forma de chuva. Durante cada desci­da, a chuva carregava consigo maté­rias orgânicas que haviam sido formadas na atmosfera primitiva. Nas rochas quentes da superfície, os aminoácidos combinavam-se entre si, formando as primeiras proteínas.

Chuvas acabaram por provo­car o resfriamento da superfície, até o ponto de permitir que a água ficas­se líquida e represada nas depres­sões terrestres, dando início à formação dos primeiros oceanos. As chuvas que caíam nas montanhas dissolviam as rochas e traziam, além dos sais minerais, uma variedade de proteínas, gorduras e materiais or­gânicos acumulados por longos pe­ríodos. Dessa forma, os mares primitivos iam recebendo uma gran­de quantidade de substâncias orgâ­nicas e inorgânicas.

Na água, as moléculas proteicas aglomeravam-se, formando grumos de proteínas, que foram chamados de coacervados. Posteriormente, a gordura, abun­dante no oceano primitivo, foi envol­vendo os grumos proteicos, forman­do uma bicamada lipídica. A partir daí, com a incorporação de novas moléculas orgânicas, devem ter sur­gido as primeiras células e, consequentemente, os primeiros seres vi­vos.

Segundo Oparin, os primeiros seres vivos devem ter sido organis­mos heterótrofos pelas seguintes razões:
•   provavelmente eram  muito sim­ples, não apresentando, portanto, a complicada maquinaria respon­sável pela fotossíntese;
•   devido à falta da camada de ozônio e à constante penetração da radiação ultravioleta, os primeiros seres vivos eram obrigados a vivernas porções mais profundas dos oceanos, onde, apesar de protegi­dos da radiação, não estavam ex­postos à luz necessária para a fotossíntese;
• havia uma grande quantidade de matéria orgânica que poderia ser­vir de alimento para os seres heterótrofos. CH4 + NH3 + H2O + H2
• Alta temperatura Centelhas elétricas Raios ultravioleta
• Aminoácidos na atmosfera Chuvas
• Aminoácidos no solo quente da Terra
• Aquecimento prolongado Proteínas
• Chuvas arrastando as proteínas para os mares
• “Sopa de proteínas” nos mares
• Solução das proteínas nas águas

Colóides

• Englobamento de nucleopro-teínas e organização da membrana envoltora
• Célula primitiva heterótrofa
• Melhoria do equipamento enzimático
• Célula autótrofa quimiossintetizante
• Aparecimento de pigmentos fotossintetizadores
• Célula autótrofa fotossintetizante
• Sequência dos acontecimentos, segundo a Hipótese de Oparin.

Miller desenvolveu um aparelho no qual simulava todas as condições da atmosfera primitiva proposta por Oparin, produzindo aminoácidos e outras substâncias orgânicas.