Histologia Animal, Tipos e Características dos Tecidos


Ao estudar a célula, passou-se a conhecer sua fisio­logia e todos os metabolismos existentes – o de constru­ção, o energético e o de controle -, a forma como as células humanas se multiplicam por mitose e a formação de células especiais, os gametas. Tudo isso é controlado pela informação contida no DNA.

Tipos e Características dos Tecidos

Histologia

Do grego hisíos, de hystión = tecido; logos = estudo. É a parte da Biologia que estuda os tecidos, sua ori­gem embrionária, sua diferenciação celular, estrutura e funcionamento.

•         Tecido muscular – originado a partir da meso­derme (ou mesênquima – tecido conjuntivo pri­mitivo, formado nas primeiras fases do desenvolvimento embrionário).
•         Tecido nervoso – formado a partir da ectoderme.

Tipos de tecidos e suas variedades

Os tecidos epiteliais revestem a superfície do corpo, dos órgãos, das cavidades e originam as diversas glân­dulas existentes. São classificados em tecido epitelial de revestimento e tecido epitelial glandular.

Definição  de tecidos

Tecido é um agregado de células semelhantes que têm mesma origem embrionária, mesma organização estru­tural e a função de executar um conjunto específico de atividades. Há quatro tipos fundamentais de tecidos: epiteliais, conjuntivos, musculares e nervosos.

Origem  dos tecidos

Os tecidos conjuntivos preenchem os espaços corpó­reos, ligam, protegem, defendem e sustentam as diferen­tes regiões do corpo. São classificados em:
•         tecido conjuntivo cartilaginoso;
•         tecido conjuntivo ósseo;
•         tecido conjuntivo hematopoiético;
•         tecido conjuntivo sanguíneo;
•         tecido conjuntivo propriamente dito.
•         tecido conjuntivo propriamente dito frouxo;
•         tecido conjuntivo propriamente dito denso;
•         tecido conjuntivo propriamente dito elástico;
•         tecido conjuntivo propriamente dito reticular;
•         tecido conjuntivo propriamente dito adiposo.

Os tecidos musculares produzem calor e realizam movimentos por meio de contrações. Dividem-se em:

•         tecido muscular liso;
•         tecido muscular estriado esquelético;
•         tecido muscular estriado cardíaco.

O tecido nervoso recebe, transmite e conduz impul­sos nervosos estabelecendo a homeostase corporal.

Tecido epitelial – é o único tecido formado a par­tir dos três folhetos embrionários: ectoderme, me­soderme e endoderme.

Tecido conjuntivo – formado a partir da mesoder­me (ou mesênquima – tecido conjuntivo primiti­vo, formado nas primeiras fases do desenvolvi­mento embrionário).

Tecido epitelial

O tecido epitelial, como já foi dito, é o único que pode ser formado a partir dos três folhetos embrionários, apresenta uma variedade de funções, mas a mais importante é a de revestimento. Podem-se atribuir as seguintes funções ao tecido epitelial: proteção, absorção, secreção e sensorial.

O tecido epitelial de revestimento, com o tecido con­juntivo, forma a pele, que tem, portanto, sua origem em­brionária na ectoderme e na mesoderme.
Características do tecido epitelial
•         Células justapostas, com pouca ou nenhuma subs­tância intercelular.
•         Células geralmente poliédricas (placóides, cilín­dricas e cúbicas).
•         Tecido inervado.
•         Especializações na membrana plasmática: microvilosidades, interdigitações e desmossomos.
•         Avascularizado.

A justaposição do tecido epitelial dificulta o trans­porte de nutrientes, pois nele há escassez de substância intercelular. Além disso, é um tecido avascularizado. Para equacionar esse problema, o tecido conjuntivo, que se encontra logo abaixo do epitelial, tem por função forne­cer nutrientes para o metabolismo celular. A rica vascula­rização do tecido conjuntivo contribui para que os nutri­entes cheguem às células epiteliais por difusão.
Os tecidos epiteliais sempre estão apoiados sobre uma camada de tecido conjuntivo denominada lâmina própria. Convém ressaltar que, entre a lamina própria e o epitélio, existe uma camada acelular chamada de lâmina basal, cuja composição é glicoprotéica e proteica. A lâmi­na basal apresenta permeabilidade e permite que o tecido epitelial seja alimentado e a ela aderido graças às fibras de ancoragem.

Tipos de tecido epitelial

Há dois tipos de tecidos epiteliais: o de revestimento e o glandular, os quais serão estudados na sequência.