Histologia Humana: Tecido Epitelial, Tecido Conjuntivo, Tecido muscular e Tecido Nervoso


Fundamentos de Histologia Humana

A Histologia é a parte da Biologia que estuda os grupos de células que se reúnem para executar determinado trabalho, os tecidos. Um tecido, além de ser constituído por células, é também formado pelo material fabricado por elas. Esse material, que às vezes funciona como ligação entre as células e que pode ter papel importante no funcionamento do tecido, é a substância intercelular. Além da substância intercelular, há, nos tecidos animais, o líquido intersticial que sai dos vasos sanguíneos e leva alimento, oxigênio e hormônios e remove o gás carbônico e resíduos do metabolismo.

Histologia Humana

Os tecidos podem ser classificados em quatro tipos fundamentais:
-> Tecidos epiteliais.
-> Tecido conjuntivo.
-> Tecido muscular.
-> Tecido nervoso.

Tecido Epitelial

O tecido epitelial, também denominado epitélio, é formado por células justapostas, com pouca substância entre elas (substância intercelular). É basicamente um tecido de revestimento e de secreção (glandular). Quase todos os epitélios possuem, na superfície de contato com o tecido conjuntivo, uma lâmina de gliroproteínas (fabricada pelas células epiteliais) e fibras de proteína (fabricadas pelo tecido conjuntivo), a membrana basal. A lâmina promove a adesão entre os dois tecidos, sem impedir a difusão de alimentos e oxigénio do tecido conjuntivo para o epitelial.

Tecido Conjuntivo

O tecido conjuntivo origina-se da mesoderme e ao contrário dos epitélios, estes tecidos, apresentam elevada quantidade de substâncias intercelulares. As células que constituem esse tecido apresentam um acentuado polimorfismo, ou seja, possuem formas e funções bastante variadas.
A substância intercelular ou intersticial, também chamada de matriz, preenche os espaços entre as células e apresenta-se constituída de duas porções: a substância amorfa e as fibras.

A substância intercelular apresenta uma parte amorfa, chamada Substância intercelular amorfa, e uma parte com fibras. A substância intercelular amorfa é geralmente viscosa, constituída por água, polissacarídeos, glicídeos e proteínas. Em alguns tipos de tecido conjuntivo, como o tecido cartilaginoso, ela é mais firme, porém flexível, e no tecido ósseo, ela é mais rígida, devido à deposição de sais minerais inorgânicos. As fibras são de três tipos básicos: colágenas, elásticas e reticulares. Pode existir mais de um tipo de fibra num mesmo tipo de tecido conjuntivo, sendo que a predominância de determinada fibra confere propriedades específicas ao tecido.
Fonte: Junqueira & Carneiro Histologia Básica, IO Edição.

As células do tecido conjuntivo podem ser classificadas em:
-> Fibroblastos: células alongadas com muitas ramificações, participa na formação de fibras e da substância amorfa.
-> Leucócitos: glóbulos brancos que saem dos vasos por diapedese. Penetram em outros tecidos importantes para defesa.
-> Macrófagos: células grandes com núcleo em forma de rim. Realizam fagocitose, sendo importantes para defesa. Quando não estão em atividade intensa
são chamados de histiócitos.
-> Mastócitos: célula grande com núcleo central. Importante na dilatação e na permeabilidade dos vasos sanguíneos.
-> Plasmócitos: células ovóides ricas em ergastoplasma. Produtores de anticorpos.
-> Células adiposas: células arredondadas com reserva de gordura. Forma tecido adiposo.
-> Células adventiciais: células indiferenciadas. Formam outras células do tecido conjuntivo com exceção das de defesa.

Tecido Muscular

Músculo Liso

As fibras do tecido muscular liso são fusiformes e medem de 5 a 10//m de diâmetro por 80 a 200/im de comprimento. Este músculo circunda vários vários órgãos e tubos ocos, incluindo o estômago, intestinos, bexiga urinária, útero, vasos sanguíneos, e vias aéreas. A contração do músculo liso é controlada pelo sistema nervoso autônomo, hormônios, agentes autócrinos/parácrinos, e outro sinais químicos e físicos locais.
Músculo estriado esquelético

As fibras musculares do tecido muscular estriado são fusiformes e, em geral, longas (até 30 cm de comprimento). A maior parate da musculatura estriada está ligada ao esqueleto, e sua contração é responsável pelo suporte e movimentação do esqueleto. A contração é normalmente voluntária, ou seja a contração deste músculo é iniciada por impulsos nos neurônios para o músculo. Apresentam, geralmente, vários núcleos dispostos na periferia da célula.

Cada fibra muscular estriada é percorrida longitudinalmente por várias miofibrilas compostas por dois tipos de miofilamentos, dispostos de maneira ordenada: os miofilamentos de actina, que são finos, e os miofilamentos de miosina, que são mais espessos. A disposição desses miofilamentos dá origem a faixas claras, que se alternam com faixas escuras, dando o aspecto estriado da fibra.

Músculo estriado Cardíaco

Forma o músculo do coração. A contração é involuntária, rápida e rítmica. Este músculo é regulado pelo sistema nervoso autónomo, hormônios e agentes autócrinnos?parácrinos, certas porções dele podem sofrer contrações espontâneas. As fibras são mononucleadas e apresentam estrias transversais. As fibras que formam o tecido muscular cardíaco dispõem-se em feixes compactos, dando a impressão, ao microscópio óptico comum, de que não há limite entre as fibras e que estas formam um sincício. Ao microscópio eletrônico, entretanto, pode-se notar que o tecido muscular cardíaco não é um sincício e que suas fibras são alongadas e unidas entre si através de delgadas membranas celulares, formando os discos intercalares. Esses discos são típicos da musculatura cardíaca.

Tecido Nervoso

O tecido nervoso atua com uma estrutura sensível a vários tipos de estímulos que se originam de fora ou do interior do organismo. Ao ser estimulado, esse tecido torna-se capaz de conduzir os impulsos nervosos de maneira rápida e, às vezes, por distâncias relativamente grandes.
O neurônio é a unidade anatómica e funcional do sistema nervoso. Um neurônio possui duas partes: corpo celular e prolongamentos, estes constituindo-se em fibras que saem do corpo celular.

O corpo celular compreende o núcleo e o citoplasma. O núcleo é esférico e ocupa posição central, contendo um ou dois nucléolos. O citoplasma é constituído por um hialoplasma homogéneo onde se encontram organóides e, às vezes, inclusões citoplasmáticas. Destaca-se, no citoplasma, a substância cromidial, também chamada de corpúsculos de Nissl (em homenagem a Franz Nissl, que a estudou intensamente no século passado). Os corpúsculos de Nissl são pequenos grumos que se distribuem de modo homogéneo no citoplasma. Correspondem ao retículo endoplasmático rugoso, estando, pois, relacionados com a síntese de proteínas. Ainda no citoplasma, encontram-se fibrilas denominadas neurofibrilas.

Os prolongamentos são de dois tipos: dendritos e axônio. Os dendritos são curtos, constituindo-se em simples expansões citoplasmáticas que se estendem a partir do corpo celular. O axônio, também denominado cilindro eixo, é um filamento único, constituído por neurofibrilas que emergem do corpo celular envoltas pela membrana plasmatica. O axônio tem comprimento variável, desde frações de milímetro a mais de um metro, e apresenta poucos ramos colaterais e arborização terminal. A disposição diferencial dos corpos celulares e dos axônios no sistema deu origem a duas regiões com coloração diferente, que podem ser notadas macroscopicamente: a substância cinzenta, onde estão os corpos celulares, e a substância branca, onde estão os axônios.