O Surgimento das Células Eucarióticas


O surgimento das células eucarióticas teve início há quase 2 bilhões de anos, e teve sua origem diretamente ligada aos organismos anaeróbios procariontes. O surgimento dessas células acabou contribuindo para que a estrutura molecular acabasse se tornando mais complexa e especializada.

O Surgimento das Células Eucarióticas

Muitos pesquisadores e especialistas consideram o surgimento das células eucarióticas um dos maiores e mais relevantes fenômenos da história do planeta Terra. Isso se justifica por conta das novas possibilidades que essas células deram aos organismos vivos.

Com o surgimento das células eucarióticas, os organismos da Terra conseguiram se tornar ainda mais complexos durante o processo de evolução e, consequentemente, adquirir novas funções, características e formas de interação, possibilitando o surgimento de novas adaptações que tornaram novas formas de vida possíveis em nosso planeta.

Principais características

É possível dividir os organismos formados pelas células eucarióticas, os eucariotos, em unicelulares, representados principalmente pelas amebas, e em pluricelulares, como as plantas e animais. Como o próprio nome diz, os organismos unicelulares são formados por apenas uma célula e os pluricelulares um conjunto de células eucarióticas.

Os eucariotos são formados por uma membrana plasmática, pelas organelas e pelo hialoplasma, além de possuírem um núcleo totalmente individual. O surgimento desses organismos se deu por conta do desenvolvimento de diversas dobras membranosas que possibilitaram a proteção de todo o material genético presente na membrana nuclear.

As organelas foram responsáveis por dar uma maior dinamização para o processo de evolução do metabolismo celular. As principais organelas são os lisossomos, os peroxissomos, o complexo de Golgi, o retículo liso, o retículo rugoso, as mitocôndrias e os plastos.

Durante todo o processo de evolução, diversos tipos de bactérias primitivas acabaram desenvolvendo a capacidade de tirar um proveito energético maior durante a respiração. Essa característica as tornou bactérias aeróbicas.

Por outro lado, outros tipos de bactérias optaram pelo processo de transformar substâncias inorgânicas em substâncias orgânicas, iniciando o processo de quimiossíntese, de fermentação e de fotossíntese, transformando-se em bactérias autotróficas.

Tanto as bactérias aeróbicas quanto as bactérias autotróficas acabaram imersas nos eucariotos simples, mantendo diversos tipos de interações e funções que trazem benefícios para os dois lados. Enquanto as bactérias conseguem receber nutrientes e proteção para a sua sobrevivência, os eucariotos passaram a utilizar todo o processo fotossintético e aeróbico realizado pelas bactérias em seu favor. Essa situação tornou possível a presença dos cloroplastos e das mitocôndrias no interior dos organismos eucarióticos.

Um pouco mais sobre as nossas células

As células são consideradas as menores unidades de vida existentes em nosso planeta. Todas as características e funções realizadas por todos os seres vivos dependem dessas unidades de vida. Mas o que causa essa dependência? Essa situação se justifica pelo fato das células serem consideradas as unidades fisiológicas e morfológicas de todos os organismos vivos existentes.

É possível dividir as células em duas categorias. A primeira é o grupo das células procarióticas, formado pelas células que não possuem um núcleo verdadeiro. No lugar desse núcleo, essas células apresentam um nucleoide, região que armazena todo o seu material genético.

O segundo grupo de divisão das células é formado pelas células eucarióticas, que como dito anteriormente, possuem um núcleo verdadeiro, muito bem definido e formado por uma membrana. No caso dessas células, todo o material genético é envolvido na carioteca, um envoltório nuclear com membranas.

Outra diferença entre as células eucarióticas e as células procarióticas é o citoplasma. O citoplasma está presente nas células eucarióticas e é formado por várias organelas que realizam funções fisiológicas fundamentais para os seres eucariontes. Porém, nas células procarióticas, essas organelas membranosas estão ausentes e não fazem parte da sua composição.

Além dessa característica, outra situação que diferencia as células procarióticas das células eucarióticas é o citoesqueleto. O citoesqueleto é uma estrutura totalmente exclusiva das células procarióticas. Essa estrutura é formada por diversos microfilamentos proteicos que possuem como principal responsabilidade manter a integridade das células. Além disso, o citoesqueleto também realiza o transporte das organelas e por todo o movimento celular realizado pelos eucariontes.

De uma forma geral, as células eucarióticas estão presentes em nosso universo de uma maneira muito especializada e difundida. Sem elas, a existência de todos os organismos multicelulares e complexos não seria possível.

Um dos principais exemplos dessa possibilidade de formação de organismos complexos que as células eucarióticas permitem é o corpo humano. As células eucarióticas que formam o corpo humano são responsáveis por estruturar diversos tipos de tecidos e de realizar diversas funções essenciais para o funcionamento do nosso organismo. Estima-se que existem trilhões de células eucarióticas formando o corpo humano.

Por conta dessa grande quantidade de células eucarióticas formando o nosso organismo, também existem milhares de mitocôndrias que acabam produzindo a energia que necessitamos para realizar diversas atividades que fazem parte do nosso cotidiano. Já nas células vegetais, os cloroplastos dominam e realizam a produção de alimentos nas plantas, tornando-se responsáveis pela cadeia alimentar.