Panleucopenia Felina


Também conhecida pelos nomes de Laringoenterite Contagiosa e Agranulocitose Infecciosa, a Panleucopenia Felina é um problema de saúde que pode ocorrer em qualquer espécie de gato, mas que costuma afetar, principalmente, os felinos domésticos – na maioria das vezes já nos primeiros meses de vida. Causada por um parvovírus felino, a doença mata cerca de 80% dos gatos que são afetados pelo problema.

A Panleucopenia Felina é um tipo de contaminação que afeta apenas os felinos. Assim, não é um tipo de doença que pode acometer os homens ou outros bichos de estimação. O problema de saúde caracteriza-se por problemas hepáticos, que fazem com que o gato sofra fortes dores no intestino, principalmente nos momentos de evacuar, e, em alguns casos, pode levar o bicho de estimação à morte súbita. É essencial detectar a doença nos primeiros dias para que haja maiores chances de recuperação.

panleucopenia felina

O que é?

Causada pelo Vírus da Panleucopenia Felina (VPF), uma espécie de parvovírus, o transtorno de saúde acomete principalmente os filhotes de gatos de estimação, com até 12 meses de vida. A contaminação pode ocorrer de diversas formas, como através do contato com outros felinos portadores da doença, através do ar, do contato com urina ou fezes contaminadas pelo vírus, ou até mesmo através da gestação.

Em relação ao termo Panleucopenia Felina, Leucopenia se refere ao baixo índice de leucócitos, enquanto Agranalucitose refere-se à falta de granulócitos no organismo do animal. Outra característica da doença contagiosa, ainda, é o aumento significativo dos linfócitos, que são os glóbulos brancos. Mesmo em tratamento, o gato acometido pela Panleucopenia Felina continua com o parvovírus sendo eliminado na urina e nas fezes por até 6 meses.

O quadro hepático afeta fortemente a saúde do bichano, fazendo com que ele se sinta depressivo, apático e muito sensível ao toque, em especial, na região da barriga. Além disso, os gatos contaminados pela Laringoenterite Contagiosa normalmente ficam depressivos, costumam se isolar em cantos da casa, evitando a companhia do dono, e ficam com uma aparência anêmica.

Quais são os sintomas?

Afetando a saúde de modo geral, a Panleucopenia Felina apresenta uma série de sintomas que podem ser identificados com certa facilidade pelos donos que estão atentos ao seu bicho de estimação. É imprescindível tomar as devidas precauções e procurar tratamento veterinário imediato para o gato quando o problema de saúde é detectado.

Principais Sintomas:

– Apatia;
– Depressão;
– Isolamento;
– Perda de apetite;
– Vômitos;
– Diarreia fétida;
– Fezes com aspecto mucoso (pode aparecer sangue);
– Febre alta;
– Alterações físicas;
– Abdome endurecido e hipersensível ao toque;
– Mucosa dos olhos e da boca pálidas;
– Lesões inflamatórias na boca, língua e faringe;
– Aparência anêmica.

Como é o tratamento?

Por se tratar de uma doença contagiosa que mata 8 entre 10 gatos afetados, a Panleucopenia Felina é um problema de saúde que precisa ser detectado o quanto antes para que haja um tratamento eficiente e capaz de salvar a vida do animal. Portanto, caso você desconfie que o seu bichano está acometido pelo vírus, procure imediatamente um médico veterinário de sua confiança. O melhor tratamento ainda é a detecção precoce do transtorno hepático.

Na maioria das vezes, os gatos com Agranulocitose Infecciosa são tratados com antibióticos por um tempo médio de 10 dias. Quando o bichano já tem o sistema hepático muito afetado, o tratamento também pode incluir a reposição de líquidos e minerais, além de o felino receber porções de mucilagem de tapioca (um tipo de substância nutritiva com aspecto de goma). O soro glicofisiológico também é outro recurso para os gatos muito desidratados.

Como evitar a doença?

A melhor forma de garantir o bem estar e saúde do bichano em relação à Panleucopenia Felina é proteger o animal com as doses da vacina V4, que também é eficiente no combate a outras doenças que podem afetar o gato, como a Calicivirose, a Rinotraqueíte e a Clamidiose. A primeira dose dessa vacina deve ser aplicada quando o filhote completa 2 meses de vida, além de mais 3 doses que deverão ser administradas a cada 21 dias. O gato está completamente imunizado da doença apenas quando todas as doses da vacina V4 já foram administradas.

Para quem tem mais felinos em casa, é essencial evitar o contato destes com o gato acometido pela doença, pois o bichano contaminado pode passar o vírus para os outros gatos através das fezes, da urina, da cama onde dormem ou através do próprio ar. Os felinos contaminados pela Agranulocitose Infecciosa também precisam ter uma caixinha de areia própria para evacuar, além de uma cama própria, separada dos outros animais. Outro cuidado básico é higienizar todos os objetos com os quais ele tem contato, como os potinhos de ração e de água, entre outras coisas.