Respiração


Sem a respiração não há vida alguma. A respiração está presente em todos os micro e macro organismos do mundo. Em todos os seres vivos, a energia obtida provém dos alimentos, através da respiração celular que é realizada pelas mitocôndrias. Este processo só ocorre com oxigênio obtido pela respiração, adicionado à glicose obtida desses alimentos.

Respiração

Este combustível dá forças às células, levando energia à todas as partes do corpo e então, é liberado na forma de gás carbônico. Assim temos: A respiração celular, que é a obtenção de energia através dos alimentos por meio das mitocôndrias; e a respiração pulmonar, que ocorre através da troca de oxigênio com o meio ambiente, e da liberação de gás carbônico, “respirado” pelas árvores e plantas, que o transformam novamente em oxigênio.

Contudo, de que forma o oxigênio é absorvido pelas nossas células e como o gás carbônico é produzido e eliminado por nós?

Respiração humana

Fazem parte do sistema respiratório humano o nariz, a faringe, a laringe, a traqueia, os brônquios e os pulmões. Quando respiramos o ar, nós primeiramente inspiramos o oxigênio, o qual perpassa por todo nosso corpo, e depois o expiramos na forma de gás carbônico.

A primeira entrada deste oxigênio ocorre através do NARIZ, passando pelas cavidades nasais separadas pelo septo nasal, e que se comunicam com a faringe através dos coános.

O nariz também atua como um primeiro processo de filtragem do ar. Em nossas cavidades nasais, você já deve ter notado uma série de pelos. Muitos equivocadamente raspam esses pelos. Eles são filtros, que ajudam a limpar o oxigênio de quaisquer impurezas, tais como micro-organismos e partículas sólidas. Elas formam o que chamamos de muco nasal – aquela sujeirinha que assoamos no papel.

A FARINGE é um canal que tem ligação com a boca e o nariz, de forma que se respirarmos tanto pela boca, quanto pelo nariz, o ar passará pela faringe e depois pela Laringe. Ao final da Faringe está a glote, que é a entrada da LARINGE, que por sua vez, é um tubo formado por peças cartilaginosas na parte de cima do pescoço. O “Pomo de Adão”, aquela saliência existente só nos homens e que aparece no pescoço, na verdade, é uma dessas cartilagens.

Uma membrana reveste a laringe e possui algumas pregas situadas nessa passagem de ar. Tratam-se das cordas vocais, que emitem sons à medida que o ar passa por elas. Acima da glote existe uma outra membrana chamada epiglote. Ela é a responsável por distinguir o ar da alimentação, de forma que a comida não desça pelas vias respiratórias e então nós nos engasguemos.

A TRAQUEIA é uma via que vem logo depois da laringe, e que mede 1,5 cm de diâmetro por 10 a 12 cm. É formada por anéis cartilaginosos e no final se divide em duas tubulações, sendo cada uma conectada em cada pulmão nosso.

Nessa bifurcação estão os brônquios que penetram nos pulmões e que funcionam como mais um processo de filtragem, impedindo que poeiras e bactérias entrem nos pulmões. Essa sujeira fica presa em uma membrana dos brônquios chamada de epitélio ciliar, porque possui uma espécie de cílios, que “varrem” a sujeira de volta, para ser expelida na expiração.

Os PULMÕES são órgãos esponjosos, com aproximadamente 25 cm de comprimento. É nos pulmões que os brônquios penetram e se ramificam em vários outros vasinhos menores, chamados bronquíolos. Eles são que formam a base da respiração no homem, aproveitando o que o corpo precisa e liberando o que do ar, não lhe serve mais.

Como assim?

Os bronquíolos possuem pequenas bolsas formadas por células epiteliais, cobertas por vasos sanguíneos chamados alvéolos. É através destes alvéolos que ocorre a troca gasosa dos benefícios do oxigênio, entre o pulmão e o sangue. Ou seja, o sangue que perpassa pelos alvéolos, absorve o oxigênio (puro e filtrado) e já libera o gás carbônico, que será expelido na expiração.

Na base dos pulmões estão localizadas duas membranas (uma em cada pulmão), chamadas diafragma. Ela separa o tórax do abdômen nos mamíferos e ajuda nos movimentos respiratórios através da pressão interna e externa do ar.

Como respiramos?

Quando inspiramos, o diafragma e os músculos das costas se contraem. Isso faz com que o tórax aumente de tamanho e a pressão interna diminua. A pressão do ar no ambiente se torna maior e faz com que o oxigênio penetre por todo caminho, até os alvéolos.

Quando expiramos, o diafragma e os músculos das costas relaxam. A pressão do ar no peito aumenta e o ar se expele mais facilmente. Quando dormimos, não estamos controlando a respiração. Quem o faz é um órgão chamado bulbo, situado abaixo do cérebro. É ele que então passa a controlar os movimentos do diafragma, permitindo-nos respirar tranquilamente durante o sono.