Saltador-do-lodo


O saltador-do-Iodo é um peixe, no mínimo, estranho. Só para ter uma ideia, a primeira impressão que temos dele é de que ele não é um peixe – mas sim, uma rã. Mas vamos esperar o que de um peixe que passa mais tempo fora do que dentro da água? Pois é. O saltador-do-Iodo, do gênero “periophthalmus”, é um dos únicos peixes anfíbios de todo o mundo – capaz de viver tanto dentro da água como na terra.

Saltador-do-lodo

Para garantir a sobrevivência em ambos os ambientes, o peixe utiliza tanto as paredes da garganta (formadas por vários pequenos vasos sanguíneos, responsáveis pela respiração) como por um pulmão do tipo rudimentar.

Além disso, ele também adquire oxigênio por um pequeno reservatório de água que se encontra nos sacos das brânquias.

Aparência do saltador-do-Iodo

O saltador-do-Iodo é um peixe de enormes olhos “esbugalhados” e que muito se assemelham a dois periscópios – tanto no formato como na própria capacidade de movimentar-se rapidamente.

Uma curiosidade interessante é que o termo “periophthalmus” (que caracteriza a sua espécie) tem o significado “aquilo capaz de olhar aos arredores” – o que é exatamente o que o peixe saltador-do-Iodo faz.

Outra particularidade que deve ser destacada quanto à aparência do saltador-do-Iodo diz respeito às suas barbatanas. Sim, a espécie de peixes tem barbatanas e elas são ventrais e unidas – de modo a compor uma ventosa superaderente a superfícies escorregadias e lisas demais.

Chega a parecer divertido, não é? As barbatanas deste peixe o auxiliam, principalmente, a viver fora da água.

O peixe também conta com barbatanas peitorais, que são as mais importantes para a sobrevivência do mesmo fora da água. Elas são sustentadas por pequenos tocos, que atuam como ‘braços’ para o animal.

Quanto em terra, o saltador-do-Iodo prefere ficar em raízes de árvore, tocos ou demais locais em que ele possa se equilibrar na vertical – deixando a cauda na água e a parte anterior de sua estrutura fora d’água.

E falando desse jeito parece que o saltador-do-Iodo é um grande peixe, não é mesmo? Mas na grande maioria dos casos, ele não chega a ultrapassar 15 centímetros de comprimento. Além disso, seu peso também é pouco significativo: varia de 14 a até 20g.

Você também deve estar se perguntando por que o nome saltador-do-Iodo. De modo geral, esses peixes são capazes de viver no Iodo e são encontrados em maior variedade nas regiões de costa subtropicais e tropicais do Indo-Pacífico e na região costeira e ocidental africana.

A espécie de peixe se alimenta de insetos (quando em território terrestre) e de caranguejos menores. Como seu próprio nome nos dá a entender, o peixe é saltador – característica que o auxilia tanto na caça como na sobrevivência fora da água.

A classificação científica do saltador-do-Iodo é a seguinte:

• Reino: Animalia
• Filo: Chordata
• Infraclasse: Teleostei/ Subclasse: Neopterygii/ Classe: Actinopterygii
• Ordem: Perciformes
• Superordem: Achanthopterygii/ Subordem: Gobioidei/ Família: Gobiidae
• Subfamília: Oxudercinae
• Gênero: Periophthalmus
• Outros nomes da espécie: saltarín del fango, saltão, peces del fango e mudskipper.

A seguir, vamos conferir maiores informações sobre a adaptação deste peixe à vida dos anfíbios.

Adaptação do saltador-do-Iodo a “rotina” anfíbia

Para se encaixar a vida dos anfíbios, a espécie saltador-do-Iodo passou por uma variedade de adaptações. As principais delas você confere a seguir quais são.

• Adaptações do tipo anatômicas

Como já vimos anteriormente, o saltador-do-Iodo conta com barbatanas ventrais e peitorais responsáveis por facilitar a sua locomoção tanto na água como na terra.

• Adaptações do tipo fisiológicas

O peixe, apesar de pequeno, é capaz de respirar de três diferentes formas: por sua mucosa oral, pela pele e até mesmo pela faringe. Esse tipo de respiração, conhecida como ‘cutânea’, é muito similar a dos anfíbios.

Porém, esse tipo de respiração só é permitida quando o peixe está com a pele úmida. Se estiver seco, a distribuição do oxigênio é limitada para o resto do corpo.

Por isso, mesmo que consiga sobreviver fora da água, o saltador-do-Iodo nunca será encontrado em uma região muito longe de um rio ou lagoa – para que ele possa saltar com rapidez quando sua umidade estiver baixa.

Vale lembrar que o peixe também é dotado de câmaras branquiais. Essas câmaras retêm água e o animal é capaz de remover oxigênio da mesma quando está em terra.

• Adaptações do tipo comportamentais

Durante a maré alta, os saltador-do-Iodo são frequentemente ‘caçados’. E para evitar os predadores, eles se escondem dentro de galerias (criadas por eles mesmos) em sedimentos macios.

Além disso, esse mesmo local também serve de maternidade e moradia para os pequenos saltador-do-Iodo, uma vez que as fêmeas da espécie desovam dentro das galerias e ficam por lá até que os ovos sejam eclodidos.

A visão dos saltador-do-Iodo também é algo impressionante – o que se dá principalmente pela diferenciada estrutura ocular deste peixe. Eles têm uma incrível noção de distâncias, e não à toa, estão constantemente saltando de um lado para outro com precisão e rapidez.