Sistema Circulatório: Funções do Sangue, Vasos Sanguíneos, Coração e Automatismo Cardíaco


Sistema de transporte

Nos seres unicelulares, a distribuição das substâncias é feita por difusão, graças à ciclose (movimento do citoplasma) e por vacúolos que percorrem toda a célula. Nos organismos pluricelulares primitivos a distribuição é feita por difusão. Em animais maiores e mais complexos, tal processo seria muito deficitário, existindo para a distribuição das substâncias o sistema circulatório. O sistema circulatório aberto ou lacunar (insetos, crustáceos, aracnídeos, moluscos etc.) é um sistema onde o sangue (líquido circulante) sai através de vasos do coração em direção aos espaços entre dois tecidos. Aí ocorrem as trocas de alimento entre os tecidos e o sangue, sendo este último coletado por outros vasos que o levam de volta ao coração.

sistema-circulatorio-funcoes-do-sangue-vasos-sanguineos-coracao-e-automatismo-cardiaco

Nos animais mais evoluídos, encontramos o sistema circulatório fechado, que aparece na minhoca (anelídeos) e em todos os vertebrados. Tal sistema caracteriza-se por apresentar um órgão central – o coração – que, dotado de musculatura potente, tem como função manter o sangue em circulação pelo organismo. Este, por sua vez, circula sempre no interior de vasos sanguíneos.

O sangue (fluido circulante) apresenta nos mamíferos, as seguintes funções:
-> Transporte de substâncias aumentares da região de absorção (intestino) para as demais partes do corpo (células).
-> Transporte de excretas para os órgãos excretores (rins) a partir das demais partes do corpo.
-> Transporte dos gases respiratórios (oxigénio e dióxido de carbono) entre os pulmões e as demais partes do corpo.
-> Transporte de hormônios (substâncias controladoras da atividade de certos órgãos).

No caso dos insetos o sangue não participa do transporte de gases, pois os mesmos apresentam respiração traqueal e não possuem pigmento respiratório no sangue.

Vasos sanguíneos

-> Artérias: são os vasos que levam sangue do coração para os órgãos. Tem paredes relativamente grossas e elásticas, com uma camada muscular bastante desen-volvida, cuja contração controlará seu calibre.
-> Veias: São os vasos que trazem sangue ao coração. Apesar de possuírem camada muscular, suas paredes são mais finas do que as das artérias.
-> Capilares: São as ramificações mais finas dos vasos. Eles realizam trocas de substâncias com os tecidos por difusão, que se dá através de sua parede finíssima, chamada endotélio, e constituída por uma única camada de células.

O coração

O coração é o órgão central, muscular oco, que contrai-se ritmicamente, impulsionando o sangue no sistema circulatório. O coração é dividido por um septo vertical em duas metades opostas: a direita, onde há o fluxo de sangue venoso, e a esquerda, em que há fluxo de sangue arterial.
Cada metade, por sua vez é subdividida em duas câmaras: átrios ou aurículas, menores e superiores, os quais recebem o sangue; ventrículos, maiores e de localização inferior, que ejetam o sangue. Não há comunicação dos átrios entre si, nem de um ventrículo com outro, mas apenas do átrio com o ventrículo do mesmo lado.

Os átrios comunicam-se com os ventríolos através dos orifícios átrio-ventriculares direito e esquerdo. No direito encontra-se a válvula tricúspide (válvula átrio-ventriular direita) e no orifício esquerdo a válvula bicúspide (válvula átrio-ventricular esquerda). Estas válvulas abrem-se em direção aos ventrículos durante a contração dos átrios e, em seguida, fecham-se, impedindo o refluxo do sangue. Os movimentos do coração são determinados por contrações (sístoles) e relaxamentos (diástoles). A uma sístole, que impulsiona o sangue, sempre se segue uma diástole, que permite ao coração receber o sangue das diferentes regiões do corpo.

Automatismo cardíaco

O coração é constituído por um tipo de músculo especial (músculo cardíaco) que tem a capacidade de originar, em suas próprias células, os impulsos que determinam a sua contração – é o que se denomina de automatismo. O sistema condutor do coração é constituído por fibras musculares especiais que têm características funcionais semelhantes às do tecido nervoso, particularmente a capacidade de originar impulsos e conduzi-los com grande velocidade. Esse tecido localiza-se em regiões específicas do coração.

O tecido condutor constitui o nódulo sino-atrial (S-A) localizado na parede da aurícula direita junto ao ponto de chegada da veia cava anterior. Neste nódulo se originam os impulsos cardíacos sendo, por esta razão, denominado marca-passo. Na parte interior do septo auricular o tecido condutor constitui um segundo nódulo – o Nódulo átrio-ventricular (A – V). Deste nódulo parte um feixe de tecido condutor – Feixe átrio ventricular ou Feixe de His, que se divide em dois ramos que partem um para cada ventrículo, onde se ramificam constituindo a Rede de Purkinge que atinge toda a musculatura ventricular. A contração cardíaca se inicia no módulo S-A, daí a onda de contração se espalha pela musculatura auricular até o nódulo A-V. A seguir, os impulsos são conduzidos aos ventrículos através do Feixe de His e suas ramificações que formam a rede de Purkinge. Este sistema condutor de alta velocidade permite que a contratilidade dos ventrículos se faça do ápice para a base, comprimindo o sangue dentro das artérias aorta e pulmonar.

O coração dos vertebrados e moluscos é denominado Miogênico porque o batimento inicia-se no próprio coração. Nos demais invertebrados que possuem coração este é denominado Neurogênico porque o batimento é iniciado e conduzido ao músculo cardíaco pelo tecido nervoso. No homem o controle da frequência de batimentos do coração é realizado pelo sistema nevoso autónomo através do nervo Vago (Parassimpático) e dos nervos cardíacos (Simpático).

As células que originam as fibras motoras do vago localizam-se no bulbo e constituem o centro cárdio-moderador. Uma estimulação moderada deste centro determinará a bradicardia (diminuição da frequência cardíaca) e se a estimulação for intensa ocorrerá parada cardíaca. As terminações nervosas do vago enervam o tecido condutor do coração e sua ação inibidora se deve à libertação de acetilcolina (neurormônio).
O centro cárdio-acelerador localiza-se próximo ao centro cárdio-moderador no bulbo. A estimulação dos nervos cardíacos leva à taquicardia (aumento da frequência cardíaca). A ação destes nervos cardíacos sobre o tecido condutor se deve à liberação de adrenalina (neurormônio).

Circulação nas aves e mamíferos

O sangue venoso transportado pelas veias cavas à aurícula direita passa para o ventrículo direito e é lançado, através das artérias pulmonares, nos pulmões onde ocorrem as trocas gasosas. Retorna sangue arterial à aurícula esquerda pelas veias pulmonares, constituindo desse modo a pequena circulação.

Da aurícula esquerda o sangue arterial passa para o ventrículo esquerdo e é distribuído, através da artéria aorta à todas as partes do corpo, retornando sangue venoso pelas veias cavas, que desembocam na aurícula direita, constituindo assim a grande circulação. A única diferença entre o coração de uma ave e de um mamífero, é que a aorta das aves curva-se para o lado direito.