Sistemas Sanguíneos ABO e MN: Heranças, Cruzamentos e Transfusão de Sangue


Sistema sanguíneo ABO

Foi o austríaco Landsteiner que, em 1900, descobriu os grupos sanguíneos do sistema ABO ao misturar o sangue de algumas pessoas com o soro sanguíneo de outras. Verificava que em alguns casos ocorreu aglutinação dos glóbulos vermelhos, isto é, reunião dos mesmos em grupos, seguida de destruição. Com esta descoberta tornou-se capaz de explicar porque as transfusões de sangue às vezes matavam (quando ocorria aglutinação nos vasos capilares.

sistemas-sanguineos-abo-e-mn-herancas-cruzamentos-e-transfusao-de-sangue

A herança do grupo ABO

Os grupos sanguíneos ABO são determinados por uma série de três alelos múltiplos: IA, IB e i. Gregor Mendel, após analizar cada uma das caracaterísticas de ervilha separadamente, também fez estudo sobre duas características ao mesmo tempo. Ao término de seus experimentos percebeu que a herança de uma característica não interferia na herança de outra.
O gene IA determina a formação do aglutinogênio A.
O gene P a formação do aglutinogênio B.
O gene i não forma aglutinogênio.

Entre os alelos IA e P não há dominância. Quando juntos ambos manifestam seu efeito e a pessoa é do tipo AB. Por outro lado, tanto IA como P são dominantes em relação a i. Somente quando os alelos IA e IB não estão presentes que o indivíduo é do tipo O.

As transfusões de sangue

Conclui-se que o indivíduo AB, cujo soro não contém aglutininas, pode receber sangue de todos os tipos e só pode doar..para outro do mesmo tipo: é chamado receptor universal ou tipo egoístico. O indivíduo do tipo O, cujos glóbulos não contém aglutinogênios, pode doar para todos e recebe de outro tipo O; é chamado doador universal ou tipo altruístico.

Sistema sanguíneo MN

A observação feita por Mendel ocorre pois os alelos determinantes de características diferentes situam-se em diferentes cromossomos e a separação de um gene (Aã) de um par de cromossomos homólogos, não interfere na separação de outro gene (Bb) em outro par de homólogos. Essa lei pode ser enunciada da seguinte forma: “Os alelos de genes localizados em diferentes pares de cromossomos homólogos segregam-se independentemente na formação dos gametas.” ATENÇÃO: Os fatores responsáveis para cada caráter seguem isoladamente a 1a Lei de Mendel.
 
Para compreendermos a segregação independente, ao nível dos genes e cromossomos, devemos considerar uma condição obrigatória: “Os pares de genes devem localizar-se em cromossomos diferentes, para que a Segunda Lei se verifique.” Imagine um indivíduo duplo-heterozigoto (AaBb). Nele, os genes A e a estão num par de homólogos, enquanto B e b estão num outro par. Os cromossomos homólogos, durante a meiose, podem se separar de duas formas diferentes, ao acaso. Se os genes A e B passam juntos, a e b também seguem juntos. Outra possibilidade: se A passar com b, a passará com B. Os dois caminhos são igualmente prováveis; assim, se um número muito grande de células sofrer meiose, obteremos como resultado 4 tipos de gametas diferentes, produzidos em igual proporção. Observe que o número de gametas diferentes é igual à 2 elevado ao número de alelos em heterozigose, 22=4.

Para a obtenção dos F2, os F: são autofecundados. O quadro mostra os 16 possíveis encontros gaméticos que ocorrem neste caso. Repare que as proporções fenotípicas esperadas através do quadro são de 9/16 de amarelas lisas, 3/16 de amarelas rugosas, 3/16 de verdes lisas e 1/16 de verdes rugosas.

Um exemplo da segunda Lei de Mendel

Nas ervilhas a cor da semente pode ser amarela ou verde e a forma da semente pode ser lisa ou rugosa. Cada caracter é determinado por um par de alelos que estão situados em pares de homólogos diferentes. Os alelos que determinam a cor da semente são: V, que determina a cor amarela, dominante sobre v, que determina a cor verde. Os alelos que determinam a forma da semente são: R, que determina a forma lisa, dominante sobre r, que determina a forma rugosa.

Realizando cruzamentos

Considerando que as plantas de P (geração parental) são homozigotas (WRR e vvrr) e, de acordo com a Primeira Lei, apenas um gene por caracter é passado para os gametas, os gametas são VR e vr. Os indivíduos que nascem em Ft são, portanto, VvRr, ou seja, amarelos e lisos, duplamente heterozigotos.

Cada indivíduo de Ft produz, por sua vez, 4 tipos de gametas, em proporções iguais: VR, Vr, vR, vr. Em outras palavras, qualquer um dos genes para cor (V ou v) pode ir ao gameta com qualquer um dos genes para forma (R ou r), com igual probabilidade. Como a observação dos resultados obtidos por Mendel sugeria, há total independência dos genes para cor em relação aos genes para forma; assim, a segregação de qualquer um dos “v” com qualquer um dos “r” dependerá, fundamentalmente, do acaso.