Arquivos da categoria: Geografia do Brasil

Geografia do Brasil: Conheça mais dos diferentes climas que fazem parte do Brasil, como é dividido o mapa territorial do país e também o relevo diversificado que compõe a paisagem.

O turismo na Região Sul

O Brasil é conhecido por sua diversidade cultura, belas paisagens, praias paradisíacas e muita história. Com a região Sul não é diferente. O turismo na região se dá por conta das paisagens exuberantes, o legado deixado pelos imigrantes portugueses, alemães, italianos, poloneses, holandeses, ucranianos, entre outros.

Sertão Mineiro

O chamado sertão mineiro corresponde à mesorregião situado ao norte do estado de Minas Gerais em sua plenitude. No entanto, é preciso esclarecer que a área não necessariamente apresenta as características mais associadas com a palavra sertão. Ou seja, nem todas essas localidades possuem clima semiárido e condições arcaicas. Com frequência, o conceito de sertão mineiro é empregado de forma mais liberal para definir uma área ainda maior do território e que abrange a trajetória do Rio do São Francisco dentro da unidade federativa, além de seus afluentes. Entre esses rios secundários é possível citar:

Indústrias da Região Norte

O Norte do Brasil possui inúmeras riquezas naturais, sendo muito privilegiada nesse aspecto. Contudo, a região é a menos desenvolvida do país em termos financeiros e industriais. Antes dos anos 1960, a área praticamente não tinha nenhuma fábrica. Sendo assim, as atividades econômicas do local eram baseadas em segmentos que não requerem grandes estruturas e tecnologia. Por isso, as indústrias no Norte limitavam-se à produção alimentícia, têxtil, coureira e de borracha. No entanto, no fim do século passado o Norte começou a ascender no setor de forma notável devido a ações do governo federal. O objetivo dos incentivos, que são principalmente fiscais, era gerar riquezas e empregos para o local. Esperava-se assim que houvesse desenvolvimento tanto econômico quanto social nessa parte do país.

Bóias-Frias

Nesse artigo você entenderá melhor quem são os boias-frias, suas dificuldades e surgimento do termo.

Comércio Externo Brasileiro

A economia global segue com inúmeras e gradativas mudanças econômicas que constituem o cenário mundial. O comércio exterior em geral e o comércio externo brasileiro podem ser definido como a negociação entre países, incluindo a importação exportação de produtos e serviços, sendo a comercialização entre fronteiras – territoriais e internacionais. Geralmente a comercialização internacional representa grande parcela do PIB, principalmente em países exportadores.

O Fogo no Cerrado

A prática das queimadas que tem como objetivo de preparar a terra para as atividades agrícolas é uma ação bastante recorrente no Cerrado. Isso porque a medida representa uma alternativa barata para garantir a utilização do solo na agropecuária. Porém, outra causa importante de incêndios nesse bioma são os tocos de cigarros atirados na mata. Como a região é marcada pelas altas temperaturas, clima seco e baixa umidade relativa do ar, o fogo no Cerrado se espalha com rapidez. Essas queimadas podem ainda se dar por fatores naturais como as descargas elétricas, o atrito entre as rochas ou combustões espontâneas. Até mesmo a fricção do pêlo de determinados animais com a vegetação seca é capaz de originar faíscas.

Seca no Nordeste

O sertão nordestino é constantemente alvo de projetos e matérias televisivas por conta de sua seca. A escassez de água e a dificuldade em manter programas efetivos na região intrigam milhões de pessoas há anos, mas você sabe por que a Seca no Nordeste é tão intensa?

Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST)

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) é um dos maiores e mais significativos movimentos sociais instalados em território brasileiro. O seu principal objetivo está centrado em vertentes ligadas ao funcionário do campo, especialmente no que se refere à luta em busca da reforma agrária nas terras de nosso país.

Bacia do Tocantins-Araguaia

A bacia do Tocantins-Araguaia, localizada na região central norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica essencialmente brasileira. Isso se dá graças à sua surpreendente extensão: são aproximadamente 967,2 quilômetros quadrados do nosso país dedicados à atuação da mesma.

Regiões Metropolitanas do Brasil

Antes de conhecer quais são as regiões metropolitanas do Brasil, você já sabe o que é essa área e o que ela abrange?
As regiões metropolitanas nada mais são do que áreas geográficas formadas por um conglomerado de municípios, o que faz com que eles apresentem uma estrutura ‘interligada’ entre si.

Uma de suas principais características diz respeito ao fato de que essa estrutura geralmente é formada por uma aglomeração urbana em torno de uma cidade principal, que pode ser uma capital ou uma grande metrópole.

As Populações Indígenas do Brasil

Não se sabe com total certeza qual é o número de indígenas que habitavam nosso território antes de 1500, quando chegaram os colonizadores e, aos poucos, transformaram o Brasil na nação que conhecemos hoje. Porém, a estimativa é que houvessem entre 4 a até 5 milhões de índios morando em nossas terras durante esse período.

O número estimado de indígenas nesta fase foi claramente reduzido como uma consequência dos terríveis massacres e atentados motivados pelos colonizadores. Posteriormente, conflitos entre garimpeiros e fazendeiros que buscavam invadir as terras dos indígenas também levaram ao extermínio de uma grande parte dessa população.

Abmapro – Certificação de Qualidade

Com o objetivo de facilitar e simplificar o fornecimento de marcas próprias ao setor de varejo, a ABMAPRO (Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização) criou e desenvolveu a Certificação de Qualidade. O padrão foi desenvolvido por grandes empresas do mercado nacional, como Carrefour, Grupo Pão de Açúcar, Bureau Veritas e SGS e promove diversos benefícios para as marcas próprias criadas no Brasil, como a redução do valor final dos produtos, entre outras vantagens.

Com 3 tipos de certificados diferentes, a Abmapro – Certificação de Qualidade, desde que criou o sistema, é responsável por indicar quais são as marcas próprias que trabalham de forma regular, atuam com responsabilidade social, promovem a saúde e a segurança no trabalho, respeitam o meio ambiente e fabricam produtos de qualidade. Os certificados da ABMAPRO são divididos pelos níveis I, II e III e a marca precisa atender aos requisitos do sistema para obter os selos em seus produtos.

Modos de Aquisição da Propriedade Imobiliária

Neste artigo serão explicados os modos de aquisição da propriedade imobiliária segundo a legislação brasileira atual. Estas leis estão desta forma há algum tempo, mas sempre pode ser possível alguma mudança em algum momento.

A Propriedade

Propriedade nada mais é do que o direito que alguém tem de ser proprietário de algo. Ou seja, possuir algum bem. É um direito considerado complexo, perpétuo e absoluto e dá a quem é proprietário de um bem, o direito de reaver sua propriedade se lhe for tirada de forma indevida.

No código Civil brasileiro, mais especificamente nos artigos que vão do 1238 ao 1259, não há de maneira muito clara uma taxação de como os modos de aquisição da propriedade imobiliária devem se dar. O que acontece na verdade é a ilustração das maneiras possíveis através de exemplos, o que abre brechas para que diferentes maneiras venham a existir. Mas apesar disso, elas podem ser classificadas em:

Meio-Norte

O meio-norte faz parte de uma das sub-regiões do Nordeste brasileiro. Apresente duas das nove capitais da região, Teresina e São Luís, e duas relevantes cidades no interior, Caxias e Imperatriz, no Maranhão, fora Parnaíba, no Piauí. Com relação a sua latitude, o maio-norte poder ser separado em meridional e setentrional, já longitudinalmente em centro-oeste e leste, sendo o centro-oeste preenchido pelo Maranhão, e o leste pelo Piauí ocidental.

Características

O meio-norte é uma região de passagem entre a Amazônia e o sertão, e é também chamada de mata dos cocais por causa das palmeiras de carnaúba e babaçu achadas na região. No litoral chove aproximadamente 2.000 mm por ano, dirigindo-se mais para o leste ou para o interior essa quantidade diminui para 1.500 mm no ano, e no sul do Piauí, uma área mais semelhante ao sertão, chove, aproximadamente, 700 mm por ano.

Mecanização no Campo

Mecanização

Tratores, semeadeiras e colheitadeiras são elementos incorporados à paisagem rural. A mecanização no campo é, dentro do contexto histórico, um fenômeno recente, que começa a engatinhar a partir do advento da Revolução Industrial.

A Revolução Industrial, em seu curso, que atravessa os séculos XIX e XX, arrasta grandes contingentes populacionais do campo para a cidade. Em contrapartida, assim como intensifica a produtividade nas cidades, entrega recursos para que o campo também otimize seus processos produtivos.

Não fosse isso, provavelmente teríamos grandes populações urbanas sendo flageladas pela fome. É o que ocorreria se a agricultura não houvesse se modernizado, melhorando o tratamento e o aproveitamento do solo, melhorando os processos produtivos e aumentando de forma exponencial a produtividade agrícola, responsável, em grande parte, pela alimentação das populações.

Aspectos sociais da mecanização no campo

Há quem atribua à mecanização no campo o chamado “êxodo rural”, que é a migração de grandes contingentes populacionais do campo para a cidade.

É bem verdade que o uso de equipamentos que substituem a mão de obra humana tende a operar na diminuição e, ao mesmo tempo, sofisticação dos postos de trabalho na agricultura. Ao mesmo tempo, a concentração da atividade agrícola demanda outras atividades, que dela podem se nutrir, principalmente a indústria alimentícia e a indústria têxtil. O que implica criar ambiente para o surgimento de novos postos de trabalho, assim como o aumento da demanda por infraestrutura e serviços, fomentando a atividade econômica nas pequenas cidades que se formam em torno desses complexos industriais.

Produtividade

A mecanização e a automação da atividade agrícola podem, portanto, contribuir, em duas frentes, para a alimentação de todos os contingentes populacionais e para a multiplicação das atividades econômicas. É o que acontece, no Brasil, com o agronegócio, que demanda infraestrutura e, ao mesmo tempo, gera divisas para o país por meio da exportação, podendo alavancar a prestação de serviços públicos e a criação de novos postos de trabalho.

Tudo isso é possível graças ao aumento da produtividade, que se deu com a contribuição do avanço tecnológico e da busca de novas soluções para a exploração sensata e cada vez mais produtiva da terra.

Zona Franca de Manaus

A Zona Franca de Manaus é uma região industrial e empresarial formada na cidade de Manaus, no Amazonas, cujo principal propósito é chamar empresar e proporcionar uma maior integração e ocupação territorial com a zona Norte do país. Hoje em dia, há mais de 500 empresas implantadas em suas propriedades.

Oficialmente na prescrição de lei nº 288, de 28 de fevereiro de 1967, a Zona Franca de Manaus é uma região de livre comércio de exportação e importação e de incitações fiscais especiais, concebida com o propósito de formar no interior da Amazônia um núcleo industrial, agropecuário e comercial repleto de possibilidades econômicas que possibilitem seu desenvolvimento, na presença dos elementos locais e do grande distanciamento, onde se localizam os núcleos consumidores de seus produtos.

Complexo Regional do Nordeste

A área geoeconômica do Nordeste brasileiro é a região de núcleo europeu mais antigo e hoje é a segunda do Brasil em população e em PIB. Tem um território de cerca de 1.542.271 km², o que corresponde a 20% da extensão brasileira. Abrange todo o Nordeste da separação oficial e o norte de Minas Gerais, no qual estão situadas as mesorregiões mineiras Vale do Jequitinhonha e Norte de Minas.

A grande parte do seu território é composto por enormes planaltos, antigo e liso pela erosão. Devido às diferentes particularidades físicas que possuí, a área encontra-se separada em quatro sub-regiões: sertão, meio-norte, zona da mata e agreste, tendo índices muito instáveis de desenvolvimento humano no decorrer de suas zonas geográficas.

Os subsistemas do Sistema Biogeográfico dos Cerrados

Cerrado é a nomenclatura dada as savanas brasileiras definidas por árvores baixas, gramíneas e arbustos espaçados, e pode ser chamado como cerradão, campo cerrado, cerrado típico, campo limpo ou campo sujo de cerrado, mas somente o cerradão é o que possui estrutura florestal.

A principal característica do cerrado é o clima bem preciso e os arbustos de galhos tortos com uma estação seca e outra chuvosa. Contudo, na área do cerrado são achadas três das grandes bacias hidrográficas do Brasil, sendo esse bioma a fonte de rios torrenciais como o São Francisco. Considera-se, portanto, que as características da flora se originam devido a escassez de certos nutrientes próprios e não a escassez de água propriamente.

Latifúndio

Pode-se caracterizar o latifúndio como uma propriedade agrária de grande extensão de terreno o qual passa ser propriedade de uma única pessoa, família ou até mesmo uma empresa. Essa área geralmente acaba não sendo cultivada e por isso começa a ser conhecida como uma terra com pouco aproveitamento econômico. O interessante é que antigamente as terras chamadas de latifúndio eram aquelas onde a sua produção era baseada totalmente no trabalho escravo.

Geralmente essas terras latifundiárias são comuns em países subdesenvolvidos e elas passam a não exercer qualquer atividade que poderia ser útil para a região onde está localizada, como movimentar a economia local ou proporcionar mais empregos para os moradores da região. Essas terras passam a ser consideradas latifúndios quando ultrapassam cerca de 10 mil hectares, ao contrário do países da Europa onde basta ter algumas centenas de hectares.

Latifúndio

Alguns especialistas em terras garantem a ineficiência em classificar uma terra como latifúndio apenas com base no número de hectares que ela possui. Eles passam a classificar uma terra como latifundiária a partir de uma série de comparações como é o caso da mão de obra, mas no Brasil seria um pouco escasso realizar esse tipo de classificação com as terras, até porque o número propriedades improdutivas consideradas latifúndios ultrapassa a margem de 70 mil.

De certo modo essas terras também passam ser classificadas dessa forma por serem exploradas com técnicas classificadas com baixa de produtividade, mas como conforme a Constituição de 1988, as terras precisam cumprir uma função social seja realizando implementos agrícolas que ainda possuem auxílio do governo ou outras ações. Caso isso não seja cumprido e o dono da terra não atinja a produtividade necessária, a terra será desapropriada para a reforma agrária.

A origem do Latifúndio

A origem do latifúndio pode ser caracterizada com o período colonial do Brasil. Tudo começou quando os portugueses chegaram ao Brasil e começaram a dividir o país em grandes faixas de terra que eram doadas para os representantes da nobreza e também para militares. Chamadas de capitanias, essas terras eram atribuídas a essas pessoas através de arranhões de sesmarias, e quem as recebia tinha como obrigação explorar de maneira econômica o lote que obteve.

Com o tempo e logo após a Independência do país a lei das doações de sesmarias foi revogada e, a partir desse momento, passou a ser validado a Lei de Terras que até hoje segue como padrão da estrutura fundiária. Essa lei passa a determinar que as pessoas que desejam ter direito sobre uma terra precisam pagar por ela. É necessário entender que nos dias atuais o latifúndio é considerado uma fonte de instabilidade social já que há grandes massas de pessoas sem terra.

De fato essa divisão fez com que muitos latifúndios surgissem e poucas pessoas tenham acesso aos bens, sendo que a concentração das terras está em posse de grandes fazendeiros. Esse fato faz com muitas pessoas questionem as políticas de alguns governos e solicitam a mudança do que ocorre nas terras por causar uma das maiores injustiças sociais. Em outros países a divisão de terras já adota outras leis, mas no Brasil ainda é comum esse sistema de distribuição.

Características de uma terra latifundiária

A terra latifundiária pode ser caracterizada por diferentes formas que possui. Essa forma não emprega o significado único de como a terra é composta, mas também adota todas as características que a envolvem incluindo o tipo de atividade que ela emprega para saber se ela se enquadra na lei de função social da terra. Com o latifúndio pouco utilizado é comum que as terras sejam apropriadas por militantes que fazem parte do Movimento dos Sem-Terra.

– De certo modo o latifúndio se caracteriza como uma expressão do que ocorre em todo o país, uma desigualdade social onde há pessoas com muitos bens em sua apropriação e pessoas que mal possuem um local para morarem.

– Em 1990 foi feito um levantamento pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária ou no caso, o Incra, que apontou os maiores latifúndios improdutivos do país eram de posse de governadores, ministros e assim em diante.

Latifúndios improdutivos são aqueles que passam a ser de propriedade de uma única pessoa, possuem uma área territorial grande e ainda produzem muito pouco, ou no caso não atendem a finalidade social da terra imposta pelo Incra.

– É interessante que a palavra latifúndio possui uma origem grega do qual o nome caracteriza-se como “lātusfundus”. O lātus tem significado de um local que passa a ser amplo ou espaçoso e o fundus representa basicamente a terra ou fazenda.

– A Constituição de 1998 determinou que uma terra precisa cumprir com sua função social em colaborar com a produção de algo útil ou gerar empregos para ter mão de obra. As terras ainda precisam atingir um índice de produtividade.

Origem do nome Brasil

Brasil, terra do futebol, do samba e da caipirinha. Hoje, o Brasil significa cultura, diversidade e felicidade. Muita coisa mudou desde que Pedro Álvares Cabral atracou em terras tupiniquins. Há anos o nome Brasil tem se ligado a diversos adjetivos, mas qual a verdadeira origem do nome Brasil? Será que é realmente apenas oriundo do pau-brasil, tão cobiçado pelos europeus? Ou será que existem outras teorias para o nome do país mais alegre do planeta? Neste artigo tentaremos trazer teorias de alguns autores sobre a origem do nome Brasil, através do pau-brasil e demais formas de contar como esse belo paraíso na terra obteve esse nome.

Quando os portugueses pisaram nas novas terras, acreditava-se que o Novo Mundo era uma ilha de tamanho ainda indefinido. Após diversas expedições fora constatado que um novo continente estava à frente dos exploradores portugueses. Ao descobrir a dimensão do que se tratava o território brasileiro (menor na imaginação, se comparado à realidade) os debates para o batismo se iniciaram. Ali, diante daquela vasta terra iniciavam-se discussões simbólicas, porém importantes, do nome a ser dado para a nova terra.